PROCESSO DO TRABALHO 1 - AULA 6
2 pág.

PROCESSO DO TRABALHO 1 - AULA 6


Disciplina<strong>direto</strong>53 materiais2 seguidores
Pré-visualização1 página
PROCESSO DO TRABALHO 1 \u2013 AULA 6 (28/03/2019)
PRAZO PROCESSUAL \u2013 ART. 774 E P.U C/C ART. 775 (cont. aula 5)
1- Recebida a notificação na 6° feira = Sumula 1 do TST
2- Recebida a notificação no sábado = Sumula 262 TST, I (item II recesso = 20/12 a 06/01; Férias do advogado = 20/12 a 20/01, art. 775-A da CLT)
3- Presunção de recebimento via postal = Sumula 16 do TST
4- Contagem do prazo em dobro = OJ n° 310 da SBDI-1 do TST
Recebida a notificação na sexta-feira a contagem começa na segunda-feira, inclusive, na forma da sumula n° 1 do TST, sendo recebida no sábado o início do prazo é na segunda e a contagem á na subsequente (sumula 262, I, TST). Os prazos no recesso forense, ficam suspensos, bem como nas férias dos advogados, conforme a sumula 262-II do TST e art. 775 da CLT acrescentado em dezembro de 2017, estando previsto também no art. 220 do CPC.
O TST, através da orientação 310 da SBDI-1 determina a não aplicação do prazo em dobro quando houver procuradores distintos na hipótese de litisconsórcio, tendo em vista, a celeridade processual.
5- Prazo Fazenda Pública = Decreto lei 779/69, art. 1
Segundo o decreto lei 779/69 o prazo para a fazenda pública, suas autarquias e fundações será contado em dobro para recorrer em quadruplo para contestar, a contestação é apresentada até a audiência quando o processo for eletrônico e no dia da audiência sendo o processo físico, conforme o art. 847 e parágrafo único da CLT, assim observa-se a parte final do art. 841 para a marcação da audiência que nesta hipótese será de 20 dias contados da intimação da fazenda pública.
O Ministério Público do Trabalho tem o prazo em dobro tanto para recorrer como para contestar, aplicando subsidiariamente o CPC.
NULIDADE PROCESSUAL (art. 794 a 798)
A nulidade é a penalidade que priva o ato processual de produzir os seus efeitos regulares tendo em vista a parte não ter observado a forma prevista na lei para a pratica do ato processual, mas conforme o art. 794 da CLT o ato só será considerado nulo se houver prejuízo para a parte litigante.
O princípio que se observa é o da transcendência processual, também conhecido como princípio do prejuízo ou instrumentalidade das formas.
CASO 05
A) Américo terá o prazo de 8 dias, contados a parti das 48 horas após o recebimento da notificação que foi via postal, utilizando a sumula 16 do TST já que presume-se recebido a notificação 48 horas após a postagem, constituindo ônus do Américo provar que recebeu após esse prazo.
B) Não, pois o prazo é contado em dobro conforme o Decreto Lei 779/69, art. 1, III.
Questão objetiva: 1- B (sumula 262, I, TST) | 2- D (art. 784, CLT)
DISSIDIO INDIVIDUAL \u2013 ART. 837, CLT
Procedimento ou rito:
1- Comum ordinário = Valor da causa acima de 40 salários mínimos
2- Comum sumário = Valor da causa até 2 salários mínimos
3- Comum sumaríssimo = Valor da causa até 40 salários mínimos 
No procedimento sumario da decisão proferida não cabe recurso, somente se a mesma violar artigo da Constituição Federal, este procedimento será adota quando for atribuída a causa o valor de até 2 salários mínimos no ato do ajuizamento da ação.
O recurso cabível é o extraordinário, quando a decisão afrontar a Constituição Federal conforme art. 102, III, a da CF/88.
O procedimento ordinário é aplicado quando o valor da causa for acima de 40 salários mínimos, disposto no art. 837 da CLT.
O procedimento sumaríssimo é utilizado quando for atribuído a causa o valor de até 40 salários mínimos (art. 852-A até 852-H, CLT).
Observação: No procedimento sumaríssimo conforme o art. 852-A, p.u da CLT não cabe quando for parte no dissidio a administração da pública direta, autarquia e fundacional, mas é utilizada quando for parte empresa pública e a sociedade de economia mista.