PROCESSO DO TRABALHO 1 - AULA 2
2 pág.

PROCESSO DO TRABALHO 1 - AULA 2


Disciplina<strong>direto</strong>53 materiais2 seguidores
Pré-visualização1 página
PROCESSO DO TRABALHO 1 \u2013 AULA 2 (21/02/2019)
UNIDADE 2 \u2013 SOLUÇÃO DOS CONFLITOS (continuação)
1- CONFLITO INDIVIDUAL
A) De forma EXTRAJUDICIAL: Comissão de Conciliação Prévia (CCP) Art. 625-A até 625-G, CLT 
B) De forma JUDICIAL: Através do judiciário trabalhista (Vara do Trab. > TRT > TST)
C) De forma FACULTATIVA pela ARBITRAGEM: Art. 507-A, CLT e Lei. 9.307/96
CARACTERÍSTICAS IMPORTANTES EM RELAÇÃO A CCP
1- A CPP é um órgão extrajudicial
2- Composição paritária (Representantes do Empregados |Representantes do Empregadores)
3- Finalidade da CCP é solucionar os conflitos individuais de trabalho
4- Criação da CCP é FACULTATIVA
5- Sua criação pode ser: No SINDICATO (através de ACT ou CCT, art. 625-C, CLT) |Na EMPRESA (Art. 625-B, no mínimo 2 representantes e no máximo 10).
6- Acordo firmado na CCP é título executivo extrajudicial de eficácia liberatória geral (art. 625-E, e p.u).
7- Passagem pela CCP é facultativa a partir de 2009 (Art. 625-D, CLT). Concedida na liminar nas ADIN\u2019s 2139 e 2160, deixando de ser obrigatória.
8- Prazo para marcação de audiência de conciliação na CCP é de 10 dias.
9- Prazo prescricional fica suspenso (Art. 625-G, CLT).
FORMA FACULTATIVA PELA ARBITRAGEM
A partir da vigência da lei 13.467/2017, conforme o art. 507-A da CLT, o conflito individual de trabalho poderá ser solucionado pela arbitragem, nos termos da lei 9.307/96, desde que, o empregado recebe 2x mais do maior valor do BRGPS, desde que a clausula da arbitragem seja referida por iniciativa do empregado ou com o seu consentimento para constar no contrato de trabalho.
2- CONFLITO COLETIVO
A) De forma por MEDIAÇÃO: Ocorre através de um mediador
B) De forma JUDICIAL: Através das turmas de Seção de Dissídios Coletivos (SDC) do TRT e TST
C) De forma FACULTATIVA pela ARBITRAGEM: Art. 114, §§ 1° e 2°, CF/88
UNIDADE 3 E 4 \u2013 DO JUDICIÁRIO TRABALHISTA E DA COMPETÊNCIA DA JUSTIÇA DO TRABALHO
OBSERVAÇÕES DO QUADRO:
TST: Art. 111-A, CF/88. | Competência recursal e originária
TRT: Art. 115, CF/88 e Art. 672 e 674 da CLT | Competência recursal e originária
Juiz do Trabalho: Art. 112 e 116, CF/88
A vara do trabalho, sendo o juiz órgão de 1° instância, a base territorial é municipal, mas a CF/88 art. 112 determina que não havendo na localidade um juiz do trabalho a competência para julgar a ação trabalhista é do juiz de direito, mas havendo recurso o TRT é quem julga. A sumula 10 do STJ informa que sendo criada a vara do trabalho todos os processos que tramitam na justiça comum independentemente da fase, serão remitidos para a vara do trabalho criada, sendo esta uma exceção ao princípio da perpetuação da jurisdição.
Apesar do prescrito no art. 112 da CF/88 o mesmo não é aplicado pois, não havendo na localidade vara do trabalho o processo será ajuizada na vara do trabalho da localidade mais próxima no raio de 100km.
 
CASO 1: O juiz não poderá ajuizar o processo, pois a jurisdição é inerte, com base no princípio da inércia ou dispositivo, conforme art. 2 do CPC.
Questão objetiva: 1- B (art. 768, CLT) | 2- D (art. 769, CLT e art. 15, CPC)