Semiologia Cardiovascular
18 pág.

Semiologia Cardiovascular

Pré-visualização4 páginas
Semiologia Cardiovascular \u2013 Aula 4
As grandes síndromes cardiovasculares: 
Insuficiência cardíaca 
Síndrome coronariana aguda Dissecção aguda de aorta
Tromboembolismo pulmonar
Insuficiência Cardíaca:
Definição de IC: síndrome clínica na qual o coração é incapaz de oferecer a quantidade de oxigênio para os tecidos ou só o fazer com elevadas pressões de enchimento do ventrículo esquerdo em repouso ou no exercício.
Insuficiência Cardíaca Classificação 
A IC pode ser determinada de acordo com:
Fração de ejeção (preservada, intermediária e reduzida)
Gravidade dos sintomas (classificação funcional da New York Heart Association \u2212 NYHA)
Tempo e progressão da doença (diferentes estágios).
Esquerda X Direita
Sistólica X Diastólica (fração de ejeção normal)
Disfunção Sistólica: problema para ejetar o sangue
Disfunção diastólica: problema para encher o coração 
Fração de Ejeção: porcentagem do sangue que saí comparado com o quanto entrou
	Imagine um coração na qual entre 100ml e saia 60ml, minha fração de ejeção é de 60%. Agora vamos pegar um patológico: imagine que eu tenho um coração DILATADO, se aumentou de tamanho não entra 100, entra 200ml, pela lei de Starling, se entra muito e tá frouxo, vai sair os mesmos 60%, minha fração de ejeção cai para 30% insuficiência cardíaca sistólica (problema no esvaziamento).
	Agora imagine que o coração está sobrecarregado e minha musculatura hipertrofia (obesos, apneia do sono, hipertenso que ainda não dilatou), neste caso o ventrículo tem seu espaço diminuído, assim não entra 100ml, entra 50ml, a força desse coração está alterada (de normal para aumentada), então eu consigo ejetar 70% do que entra, o que daria uma fração de ejeção de 35%, o que ainda é muito ruim, de qualquer jeito a quantidade de sangue é pouco. A IC não é só por falta de contratilidade, ela pode ser por problema de enchimento ou de esvaziamento. 
Vamos tratar uma completamente diferente da outra: 
No coração dilatado aumentamos força de contração. 
No coração hipertrofiado diminuir a frequência ao máximo para dar tempo do sangue entrar
Nome moderno: 
IC com fração de ejeção reduzida: 
Tamanho do coração aumentado
B3 
IC com fração de ejeção preservada:
tamanho do coração reduzido
Hipertensão arterial que não dilatou, doenças de depósito, obesidade com apneia do sono, diabético 
B4
Insuficiência Cardíaca Esquerda
Ocorre falha do ventrículo esquerdo, o que o torna incapaz de bombear todo o seu conteúdo para a rede arterial periférica, você tem congestão pulmonar
Ninguém tem IC do dia para a noite, normalmente o paciente tem uma função ventricular normal e sem sintomas: infarto, diabetes, chagas, doença oro-valvar, e aí você tem disfunção de VE sem sintomas (leve inicial) progressivamente o coração vai se adaptando até chegar uma hora que tem a IC
IV Esquerda \u2193 esvaziamento do VE Congestão pulmonar
Fisiopatologia: problema retrógrado(congestão) e anterógrado (baixa perfusão orgânica)
Principal causa de ICD é a ICE
Sintomas:
	Dispneia
Tosse
Expectoração hemoptoica
Estertores pulmonares.
Taquicardia
Ritmo de galope
Convergência pressórica
Irritabilidade, insônia
Dispneia de esforço
	Ortopneia
DPN
Dispneia de cheyne-stokes
Tosse
Asma cardíaca
Edema pulmonar agudo
Noctúria
Fadiga
Astenia
Tosse de origem cardíaca Asma cardíaca (não usar esse nome): Na IC ocorre congestão pulmonar líquido sai do vaso, entra no interstício e ai passa pro alvéolo que é o escarro róseo, porém como tenho edema, a luz diminui e nós auscultamos chiado, então cuidado, nem tudo que chia é asma! Caso o líquido caia dentro do alvéolo vamos auscultar estertor fino! Passou dessa fase de edema começamos a ter congestão pulmonar.
*O macete no raio-x: não pode ver trama vascular na periferia (1/3 distal do pulmão), se você ver, é sinal de que tem congestão. Quando temos ICE temos bastante congestão pulmonar (espaços esbranquiçados (hipotransparente) em ápices e bases (aumento da trama vascular)
Insuficiência Cardíaca Direita
IV Direita Hipertensão venosa Dificuldade do retorno venoso \u2193 Débito
Sintomas: 
	Estase jugular
Hepatomegalia 
Edema 
Derrames cavitários 
Cianose central e periférica
Taquicardia 
Ritmo de galope
Fadiga
	Irritabilidade, insônia
Jugulares ingurgitadas
Refluxo hepatojugular
Hepatomegalia
Oligúria
Noctúria
Astenia
Edema de MMII
Insuficiência Cardíaca Anamnese
Dispneia 
Quando começou? Rápido, progressivo, lento? Piora quando deita?
Pneumonias evoluem em dias
Se for em horas está normalmente associada a isquemia ou a embolia pulmonar (que é de origem cardíaca porque leva a dificuldade de pós carga)
Às vezes a dispneia de origem cardíaca pode não ser por um infarto e sim por uma miocardite, na qual pode ser de origem viral, aí vai ter uma evolução progressiva.
Às vezes pode ser por doença valvar: paciente que teve febre reumática ou lesão valvar prévia, o coração vai desadaptando em anos até que desadapta tudo \u2013 evolução lenta
Origem cardíaca 
Paciente tem tosse seca, as vezes tem secreção rósea
Normalmente vem com ortopnéia e piora a noite (DPN), porque quando deita o RV
Faz o paciente sentar no meio da noite e dormir de cabeça mais elevada
Origem Pulmonar
Paciente tem tosse produtiva
Como diferenciar?
	Quando temos dispneia de origem cardíaca temos dois grandes mecanismos, que são os mecanismos do edema. O primeiro mecanismo é aquele da IVE que gera congestão nas veias pulmonares congestão no pulmão. Já quando é ICD temos a congestão sistêmica (membros, fígado, ascite). Quando eu tenho ICD sozinha (o que é raro), não tem congestão pulmonar, por que ela não está jogando o sangue para frente (que seria pulmão) e sim para traz. Na teoria é muito fácil diferenciar ICD da ICE, na prática a IC é global, se você tem ICE hipertensão pulmonar ICD.
Sinusite classicamente dá tosse noturna, e não tem dispneia
Principal causa de ICE: Doença isquêmica, miocardite, doença valvar, pericardite
Principal causa de ICD: Cor-pumonale, doença de válvula direita
Na IC temos um problema retrógrado e um anterógrado, toda vez que temos um problema de déficit de perfusão renal chega pouco sangue no rim e aí ativamos o SRAA que vai fazer vasoconstrição e retenção de sal e água.
São 4 coisas que influenciam no débito cardíaco:
Retorno venoso (pré-carga): choque, desidratação
Resistência periférica (pós-carga): Hipertensão, insuficiência renal, problema na válvula 
Contratilidade
Frequência cardíaca: quanto maior a frequência maior o DC
Um problema em qualquer um desses 4 gera uma IC, posso ter IC em um coração bom, mas que tenha pressão muito alta, posso ter IC se o paciente tem bloqueio no coração que diminui frequência cardíaca, posso ter um coração inchado, dilatado que gera uma IC
	Se eu aumento muito minha pós-carga, pela lei de Frank-Starling, chega uma hora que dilata muito e o DC caí, aí eu ativo mais o SARRA, aumento mais a volemia, piora o DC, piora o coração. Por isso que um dos primeiros medicamentos usados para a IC é um medicamento que diminuí pós-carga, ou seja, um diurético.
Sistema Renina-angiotensina
Renina + Angiotensinogênio
\u2193
Angiotensina I
\u2193
Angiotensina II
 \u2199 \u2198
Vasoconstricção Periférica Secreção Aldosterona 
 \u2193 \u2193
Aumenta Pós-carga Retenção de sal e água \u2192 Edema
 \u2193 \u2193
Diminui débito cardíaco