A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
111 pág.
ADM 1 SEMESTRE UNOPAR

Pré-visualização | Página 4 de 25

ou desenvolvidos por determinado grupo, na medida em que ele aprende a lidar com seus problemas de adaptação externa e de integração interna – que funcionaram suficientemente bem para serem considerados validos e, portanto, para serem ensinados aos novos membros como o modo correto de perceber, pensar e sentir em relação a esses problemas.
Percebe-se pelo conceito que a cultura organizacional é como se fosse a cultura de um país, porém um ambiente menor, ou seja, a maneira como a empresa interage como o mundo, sendo seu DNA. É claro que neste ambiente haverá elementos formais e informais de conduta que deverão ser respeitados e esse conjunto de normas é a cultura organizacional. E qual é a diferença entre os elementos formais e informais?
Os elementos formais são as regras de comportamentos estabelecidos na maioria dos lugares e também pela organização através de um manual, lei, entre outras possibilidades. Essas atitudes são regras ou valores determinados como o mínimo exigido e têm as características de serem formais, explícitos e visíveis. Exemplos de valores formais: tecnologias; objetivos; recursos; comunicação; estruturas; pessoas; valores e normas.
Os valores informais são as condutas que são desenvolvidas dentro da organização, e geralmente são implícitos e visíveis. Um exemplo simples: é uma pessoa que tem a habilidade de liderar mesmo não sendo o líder. Isso não é uma regra, pois existe um líder determinado pela organização, porém a habilidade dessa pessoa faz com que se destaque e consiga influenciar outras pessoas. Os principais exemplos são: atitudes; sentimentos; amizade; conflitos; comunicação; valores e normas.
A cultura organizacional é o conjunto desses valores informais e formais, e cada organização será diferente, nenhum é igual à outra, o que torna o papel do gestor ainda mais desafiador e interessante. Porém alguns exemplos citados podem estar tanto nos elementos formais quanto informais.
7. CLIMA ORGANIZACIONAL
 
Há muitas definições sobre clima organizacional com conceitos e objetivos diferentes conforme o tamanho, o sistema, o estilo de liderança e outras características que são individuais da organização. De acordo com Litwin e Stringer (1968, p. 187) definem clima organizacional como:
Um conceito que descreve a natureza subjetiva ou a qualidade do ambiente organizacional. Suas propriedades podem ser percebidas ou experimentadas pelos membros da organização e comunicadas por eles por meio de um questionário adequado.
Os autores Litwin e Stringer (1968) descrevem como qualidade do ambiente, sugerem o sentimento dos colaborados em relação aos recursos da organizacional, bem como da liderança entre outros fatores que influenciem os membros. É muito comum grandes empresas realizarem uma pesquisa de clima organizacional que identifica se os funcionários estão satisfeitos com os salários, seus líderes, seu ambiente de trabalho, os recursos utilizados para realizadas as atividades do dia a dia. Essa pesquisa tem como objetivo determinar pontos a serem melhorados e evitar comportamentos e atitudes ruins.
Uma das atividades aplicadas para melhorar o clima organizacional são palestras motivacionais que envolvem o colaborador e a empresa como um só, apresentando a importância do trabalho individual para a organização.
Assim, cultura organizacional envolve os valores da organização e dos indivíduos e o clima, o ambiente da organização, ou seja, os sentimentos desses valores por parte da empresa e dos colaboradores.
	Saiba Mais
Sobre a diferença entre cultura e clima organizacional, leia o artigo elaborado por Daniel R. Denison e perceba como isso interfere na vida pessoal e profissional dos colaboradores da empresa. Acesse: <http://www.sbdg.org.br/web/artigos_det.php?id=203>.
	
Na próxima webaula, vocês irão conhecer as principais teorias da Administração e as contribuições de cada escola da administração.
Fundamentos e Teoria Organizacional
 
Unidade 2 – BASES HISTÓRICAS E TEORIAS DA ADMINISTRAÇÃO
 
1. INICIANDO OS ESTUDOS       
 
Para entendermos como funciona a administração hoje, é preciso voltar ao passado e descobrir quais foram os principais influenciadores da criação da administração, enquanto ciência. Veremos nestas aulas, a administração a partir da primeira revolução industrial.
Muitos personagens da história, e até mesmo personagens da Bíblia, colocaram em prática conceitos da administração sem saber que o estavam fazendo. Chiavenato (2003) cita que a criação e a formalização das teorias administrativas sofreu influência de vários antecedentes históricos, como por exemplo:
Influência da organização da Igreja Católica: a Igreja Católica influenciou por meio de sua estrutura, da hierarquia de autoridade e da coordenação funcional. A organização da Igreja Católica se concentra no comando de uma única pessoa, que é o papa, e essa estruturação serviu de modelo para muitas organizações.
Influência dos filósofos: a elaboração das teorias na área administrativa foi influenciada pelo pensamento de vários filósofos como Sócrates, Platão, Aristóteles, Francis Bacon, René Descartes, Thomas Hobbes, Jean-Jacques Rousseau e Karl Marx.
Influência da organização militar: as organizações           militares possuem regras rígidas, escala hierárquica totalmente definida, definição das responsabilidades de cada membro, e até a organização das guerras serviu de inspiração para a administração.
 
A administração é o sistema estruturado e intuitivo que consolida de princípios, processos e funções para alavancar, harmonizar, o processo de planejamento de situações futuras desejadas e seu posterior controle e avaliação de eficiência, eficácia e afetividade, bem como a organização – estruturação – e a direção dos recursos das organizações para os resultados esperados, com a minimização, dos conflitos interpessoais. (OLIVEIRA, p. 8, 2008).
Observaram que os militares, os filósofos e a igreja foram alguns dos influenciadores da criação das Teorias Administrativas. Devemos levar em conta outras considerações, como a Revolução Industrial, as guerras mundiais e as mudanças com o grande crescimento e inovação da tecnologia. Mesmo sendo colocada em prática desde as primeiras civilizações, a formalização dos postulados científicos da administração somente teve início no começo do século XX pelo estudo sistemático do trabalho.
	Saiba Mais
Você sabia que a administração são recursos e processos de uso disponíveis e de atuação, planejada, supervisionada, organizada e controlada, com a finalidade de alcançar resultados previamente estabelecidos
Tivemos como percussores das primeiras teorias desenvolvidas que também ficaram conhecidas como Abordagem Clássica da Administração, teoria esta que engloba a Administração Científica, desenvolvida por Frederick Taylor; a Teoria Clássica, idealizada por Henry Fayol; e a Burocracia, elaborada por Max Weber.
 
2. ADMINISTRAÇÃO CIENTÍFICA
 
Daremos início aos estudos sobre a teoria clássica da administração, falando da administração científica. Teve seus estudos no início do século XX, com o engenheiro Frederick Winslow Taylor, a partir do ano de 1903. Segundo Oliveira (2008), Taylor foi um dos primeiros estudiosos a ser consolidador e estruturador de ensinamento e questionamento da administração das organizações. Para Taylor a única maneira correta de fazer o trabalho era redesenhando as tarefas para alcançar a eficiência máxima.
	http://www.youtube.com/watch?v=FL7vrj8bPJs
Segundo Oliveira (2008), Taylor em seus estudos, partia do princípio que a administração das organizações deveria ter como foco a divisão do trabalho e na especialização dos funcionários e com a presença de supervisores para o acompanhamento do trabalho. Taylor também propunha a padronização de ferramentas e instrumentos de trabalhos, e associando o homem à premiação por tarefas executadas. Taylor tinha uma preocupação básica com relação ao processo de fabricação, na sua visão, era de que deveria dar ênfase a esse processo para evitar o