A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
111 pág.
ADM 1 SEMESTRE UNOPAR

Pré-visualização | Página 9 de 25

a identificação dessas funções é bastante simples: a partir de características presentes nos textos, conseguimos detectar o elemento sobre o qual a ênfase recai, o que nos leva ao tipo de função. Observe no quadro a seguir:
 
 
Os textos, no entanto, não comportam apenas uma função. É possível que a linguagem percorra vários caminhos durante o seu funcionamento. Assim, como reforça Jakobson (1995), há uma ordem hierárquica de funções, ou seja, uma função será predominante, capaz de determinar a estrutura verbal do enunciado, embora outras estejam presentes.
É por isso que, ao efetuar um processo comunicativo, você precisa ter seus objetivos bem definidos, para que faça escolhas adequadas e construa um texto eficaz. Ao se considerar o propósito do texto, o enfoque que será dado, a linguagem assumirá marcas específicas, desempenhando bem sua função.
 No vídeo a seguir, você encontra uma síntese de cada um dos tipos das funções da linguagem, as quais, como vimos, são diretamente relacionadas aos elementos constituintes do processo comunicativo.
Vídeo disponível em: .
 
Acesso em: 9 mar. 2014.
	
 
Que tal conhecer um pouco mais sobre esse assunto?
No livro “Funções da linguagem”, Chalhub (1987) discute pormenorizadamente cada uma das variadas possibilidades de transmissão de mensagens.
 
Aspectos sociais da comunicação
 
Até aqui, você viu que a comunicação, via linguagem, promove a interação entre os indivíduos. Do ponto de vista social, então, qual a importância da comunicação? Observe essa interessante citação de Bordenave (1987, p. 17-18):
[...] a comunicação não existe por si mesma, como algo separado da vida da sociedade. Sociedade e comunicação são uma coisa só. Não poderia existir comunicação sem sociedade, nem sociedade sem comunicação. A comunicação não pode ser melhor que sua sociedade nem está melhor que sua comunicação. Cada sociedade tem a comunicação que merece. ‘Dize-me como é a tua comunicação e te direi como é a tua sociedade.
Essa passagem nos deixa uma importante reflexão, não é? O que seria da sociedade, hoje e ao longo de toda a história, sem a comunicação? Diante disso, podemos definir algumas funções sociais para a comunicação, conforme aponta Teixeira (2007, p. 25-27, grifo do autor):
• Função ideacional: na comunicação, são transmitidos valores e crenças, pertencentes ao sistema ideológico da sociedade.
• Função interpessoal: na comunicação, por meio das relações sociais, são construídas as identidades individuais e coletivas.
• Função textual: na comunicação, as informações (os textos) organizam-se de acordo com a situação social em que se inserem. 
Diante disso, percebemos que a comunicação é envolta por aspectos sociais de toda ordem, os quais determinam sua eficácia. Comunicar, portanto, pressupõe tomar como ponto de partida o ambiente social em que emissores e receptores se encontram, vivenciando a linguagem a partir de escolhas adequadas a cada situação comunicativa. 
 
Ao discutirmos a comunicação, verificamos que se trata de um processo que evoluiu, transformou-se historicamente. Enquanto integrante da sociedade, portanto, ao ser modificada, também modifica as relações sociais. Observe a charge a seguir:
 
Acesse:  
http://www.ojornalista.com/wp-content/uploads/2009/08/evolution_of_communication_twitter_traduzido.jpg
A qualidade na comunicação empresarial
 No âmbito empresarial, qual o enfoque a ser dado para a comunicação? Conforme aponta Rego (1986, p. 10), nesse ambiente, a comunicação deve ser pensada “[...] de maneira estratégica, como forma de impulsionar e assessorar a administração na conquista de melhores resultados”. Desse modo, segundo o autor, “a comunicação deixa de ser considerada despesa para se inserir, definitivamente, no rol dos bons investimentos”.
Para Kunsch (2003, p. 69), “[...] o sistema comunicacional é fundamental para o processamento das funções administrativas internas e do relacionamento das organizações com o meio externo”. É inquestionável, portanto, sua imprescindibilidade. Porém, em uma empresa, não basta apenas dar espaço à comunicação. Deve-se primar, sobretudo, pela sua qualidade. E como definir a eficácia comunicativa?
O gerenciamento da qualidade da comunicação empresarial deve ser efetuado continuamente, de forma planejada. É necessário que a empresa utilize uma linguagem compartilhada por todos os seus integrantes, para que se erradiquem as possibilidades de falhas. Em outras palavras, todos devem dominar a “língua da empresa”: Quais os seus objetivos? O que se espera de suas atividades? As ações de todos devem convergir para uma mesma direção.
Basicamente, podem ser apontados alguns elementos basilares que colaboram na instauração ou na manutenção da efetividade comunicativa em uma empresa: clareza, transparência; facilidade de acesso às informações; amplitude da abrangência das informações.
É apenas quando a comunicação for norteada por esses valores, assumida como um elemento determinador de sucesso, que os bons resultados começam a aparecer. É com base nessa ideia que a sua qualidade é alcançada, com todos os integrantes dos processos administrativos cientes de sua relevância. 
 
Em uma empresa, são inúmeras as possibilidades de se transmitir mensagens, informações. Algumas são altamente eficazes, enquanto outras, nem tanto. Observe a imagem a seguir:
 Imagem disponível em: http://files.saiadolugar.com.br/arquivos/2010/03/Ciclo-vicioso.jpg
 
 
Habilidades para a construção do texto no ambiente empresarial
 
Certamente, em algum momento da sua vida, você ouviu alguém dizer: “escrever textos é muito difícil”. Talvez você mesmo pense dessa forma, não é? É fato que a elaboração textual, em qualquer ambiente, exige o domínio de certas habilidades. No entanto, a palavra-chave para uma comunicação escrita de qualidade é oplanejamento.
No frenético ritmo do mundo empresarial, porém, é comum a falta de tempo para esse planejamento. Assim, conforme Teixeira (2007, p. 47), “[...] o importante é desenvolver a capacidade de expressão escrita com eficácia e eficiência e interiorizá-la, para que, na velocidade das trocas de comunicação, os erros e a falta de clareza sejam minimizados ou eliminados por completo”.
O domínio de tais habilidades – uso de linguagem adequada, emprego de expressões específicas, conhecimentos ortográficos e gramaticais, domínio de diferentes tipos de textos – demanda, no entanto, certo tempo. Não é de uma hora para outra que você se tornará um exímio comunicador. A prática, aliada a atividades de leitura, é imprescindível para esse desenvolvimento.
De início, na redação de textos no ambiente empresarial, deve-se ter como ponto de partida a compreensão da situação em que o texto será produzido. Assim, a natureza da comunicação é mais facilmente identificada, o que viabiliza uma estruturação mais eficaz. Você deve seguir, portanto, o seguinte caminho:
1) Identificar a situação de comunicação.
2) Delimitar os objetivos do texto.
3) Delimitar a forma de apresentar o texto.
De qualquer forma, independente da situação ou dos objetivos propostos, a clareza deve sempre ser buscada. É esse um dos fatores preponderantes para a qualidade de qualquer texto escrito, especialmente dentro de uma empresa, em que a informação deve circular de modo fluido, sem interferências. Assim, seja claro sempre. Desenvolva essa habilidade, e as outras serão aprimoradas também!
 
  
Você pensa que comunicar é fácil? Se essa atividade já é complexa na vida cotidiana, imagine em uma empresa! Muitas barreiras podem impedir sua eficácia. Observe as falhas comunicativas evidenciadas no vídeo a seguir.
Vídeo disponível em: http://www.youtube.com/watch?v=yZgKEAz9BWo
 
Questão para Reflexão
Como a falha na comunicação, nesse caso, poderia ter sido evitada? Proponha soluções viáveis.
    
No vídeo anterior, você visualizou uma grave falha na comunicação dentro de uma empresa. Você já parou para pensar nas catastróficas consequências que um equívoco na emissão e, especialmente, na