A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
71 pág.
Aula 7 - Técnicas e Recursos de Fisioterapia

Pré-visualização | Página 1 de 3

TÉCNICAS DE FISIOTERAPIA 
RESPIRATÓRIA EM PEDIATRIA E 
NEONATOLOGIA 
Professora Bruna Rotta 
Email: bprotta@uni9.pro.br 
Fisioterapia Respiratória em Pediatria - Objetivos 
 
 Primários: desobstrução brônquica 
 
 Secundários: curto e médio prazo prevenir 
atelectasias e hiperinsuflação 
 
 Terciários: prevenção de danos estruturais 
 
Fenômeno Obstrutivo 
multifatorial 
Secreção 
Edema epitelial 
Broncoespasmo 
Fisioterapia respiratória pediátrica. Guy Postiaux 2004 
Fisioterapia Respiratória 
Terapia de Higiene Brônquica 
• Consiste no uso de técnicas que auxiliam na mobilização 
e depuração das secreções, consequentemente 
melhorando o intercâmbio gasoso 
Consequências do excesso de secreção 
• Atelectasia 
 
• Comprometimento da oxigenação 
 
• Aumento do trabalho respiratório 
 
• Aprisionamento de ar, hiperdistensão 
 
• Desenvolvimento de infecções 
 
 
Como avaliar o desconforto? 
TIC BAN 
RE 
www.paulomargotto.com.br 
TSD 
Gemido 
ALVÉOLO 
VA PEQ/MED CALIBRE 
VA GDE CALIBRE 
EC 
ESC/SIBILOS RONCOS 
CPAP/EPAP 
TILA/TIRA 
EI 
EDIC 
OOAF 
CAR 
ELTGOL 
ELPR 
DAA 
AFEL 
CONVENCIONAIS 
AFER 
TEF 
TOSSE 
ASP 
VA DE TROCA 
VA DE CONDUÇÃO 
INSP LENTA EXP LENTA EXP FORÇADA 
Ppl= x R + V x E 
fluxo volume 
va de condução va de troca 
VAS 
DRRI 
Weibel 1968,2009 
Postiaux 2004,2013 
 
 
 
Técnica para desobstrução da via aérea superior 
 
Desobstrução Rinofaríngra Retrógrada – DRR 
 
 
A DRR é uma manobra inspiratória forçada destinada à 
desobstrução da rinofaringe acompanhada ou não da 
instilação local de uma substância terapêutica. Esta 
técnica é direcionada para lactentes uma vez que a 
criança com mais de 2 anos pode realizar a nasoaspiração 
ativa. 
 
 
 
 
Desobstrução Rinofaríngea Retógrada- DRR 
 
 
 
No final da expiração a boca da criança é fechada com o 
dorso da mão, eleva-se a mandíbula obstruindo a cavidade 
oral forçando a criança a uma inspiração forçada 
(nasoaspiração). A manobra pode ser repetida várias vezes 
até que a patência das vias aéreas seja restabelecida. 
 
 
. 
Técnicas de Fisioterapia Respiratória 
 Convencionais  Vibrocompressão, drenagem postural e 
percussão 
 
 
 
 Atuais  Fluxo lento  ELPR , DRR, AFE , DAA 
Terapia de Higiene Brônquica 
 
 
• Manobras de higiene brônquica 
 
• Recursos instrumentais 
• oscilador oral de alta frequência, 
• cough assist 
• Cpap 
Tapotagem 
• Ondas de energia mecânica aplicadas sobre a parede 
torácica  TIXOTROPISMO 
 
INDICAÇÕES 
Remoção de secreção de vias aéreas de grande calibre 
 
CONTRA-INDICAÇÕES 
• Plaquetopenia 
• Prematuros 
• Drenos 
• Cirurgia recente 
 
Tapotagem 
• Eficácia: proporcional à energia inicial 
 
• Frequência ideal para o transporte de muco: 25 a 35 Hz 
 
• Capacidade manual: 1 a 8 Hz 
TÉCNICA MUITO CONHECIDA E DIFUNDIDA, 
PORÉM SUA UTILIZAÇÃO NÃO SE 
JUSTIFICA, DADA SUA INEFICIÊNCIA E 
EXISTÊNCIA DE TÉCNICAS MAIS EFICAZES 
Tapotagem 
• Mão em cúpula, dedos cerrados e polegar em adução 
• Deve-se aplicar a técnica de modo constante 
Vibração 
• Movimentos oscilatórios aplicados manualmente por meio 
da co-contração de agonista e antagonistas do 
antebraço, trabalhando em sinergia com a palma das 
mãos 
 
• Objetivo: modificação da reologia do muco brônquico, 
principalmente em vias aéreas de grande calibre 
 
• Frequência natural dos batimentos ciliares: 3 a 75 Hz 
Varia em razão de doenças pulmonares 
 
• Frequência atingida com a vibração manual: 13 Hz 
 
Vibrocompressão 
Associação da vibração com a compressão do tórax na 
fase expiratória. 
 
A compressão aumenta o fluxo expiratório 
 
Possui o benefício de associar uma técnica que facilita o 
descolamento da secreção (vibração) a outra que promove 
deslocamento da secreção (compressão) 
INDICAÇÕES 
• Remoção de secreção de vias aéreas de grande calibre 
 
 
CONTRA-INDICAÇÕES 
• Plaquetopenia 
• Prematuros 
• Drenos 
• Cirurgia recente 
 
Vibrocompressão 
ASPIRAÇÃO 
ASPIRAÇÃO 
INDICAÇÕES 
• Roncos 
• Dificuldade de tossir/ineficácia 
 
CONTRA-INDICAÇÕES 
• Plaquetopenia 
• Tosse eficaz 
• Alimentação com menos de 1 hora 
 
Tosse 
• A tosse normal complementa o mecanismo mucociliar e 
apresenta as seguintes fases: 
1. Irritação 
2. Inspiração profunda 
3. Compressão (fechamento da glote) 
4. Expulsão (abertura do glote e contração muscular expiratória) 
 
 
O material expelido pela tosse pode ser 
expectorado ou deglutido 
Tosse 
• Tipo 
Voluntária 
Assistida 
Provocada 
 
• Eficácia 
Eficaz 
Ineficaz 
 
• Aspecto e quantidade de secreção 
Técnicas expiratórias forçadas 
As técnicas de expiratórias forçadas incluem a TEF propriamente 
dita, a tosse provocada (TP) e a tosse dirigida (TD). 
 
O principal local de ação são as vias aéreas de grande calibre e estas 
técnicas devem ser adaptadas em função da idade. 
 
Tanto a TEF quanto a TD trata-se de um esforço de tosse voluntária 
quando o paciente é solicitado pelo fisioterapeuta e pode ser aplicada 
em diversas posturas 
TOSSE DIRIGIDA 
Técnica expiratória forçada- TEF 
 A TEF consiste de uma expiração forçada realizada a alto, 
médio ou baixo volume pulmonar, obtida graças a uma 
contração enérgica dos músculos expiratórios e é qualificada 
como ativa na criança maior e no adulto. Nos lactentes é 
realizada de forma passiva por meio de uma pressão tóraco-
abdominal exercida pelo fisioterapeuta. 
 
Durante esta manobra tanto a pressão intratorácica quanto a 
bucal aumentam simultaneamente, porém o fluxo resultante é 
inferior ao produzido pela tosse. Essa diferença já foi 
verificada em adultos onde o pico de fluxo expiratório médio 
(PFE) durante a tosse é de 288 l/min e na TEF é de 203 l/min 
 
 
Huffing 
• Técnica de expiração forçada 
 
• Pode ser considerada uma manobra de tosse dirigida 
modificada, diferenciando-se desta pela manutenção da 
abertura da glote ao longo da sua execução, criando assim 
menores pressões intratorácicas (Expiração forçada através de 
uma via aérea estabilizada  remoção mais eficaz de 
secreções) 
 
• Consiste essencialmente numa inspiração rápida e forçada, 
seguida de contração abdominal (dizendo: “Huff!”)*. 
 
• Repetir a manobra 2 a 3 vezes 
Huffing 
Tosse provocada 
Trata-se de uma tosse reflexa aplicada no paciente incapaz de 
cooperar e de realizar uma tosse ativa voluntária. 
 
O fundamento da TP é a tosse reflexa induzida pela estimulação dos 
receptores mecânicos localizados na parede da traquéia. A tosse 
provocada pode ser realizada em decúbito dorsal ou ventral sempre ao 
final da inspiração por meio de uma pressão breve do polegar sobre a 
fúrcula esternal. Pode ser desencadeada também pela introdução de 
uma espátula ou abaixador de língua na cavidade bucal próximo a 
epiglote, porém deve-se ter cuidado com o reflexo de vômito que pode 
ser desencadeado pela manobra. 
 
Aumento do fluxo expiratório - (AFE) 
O aumento do fluxo expiratório (AFE) consiste em uma 
manobra que associa a compressão do tórax e do abdome 
com a finalidade de aumentar o fluxo aéreo expiratório, 
para deslocar secreções brônquicas por aumento do fluxo 
expiratório. 
 
Aumento do Fluxo Expiratório (AFE) 
• Esvaziamento passivo, ativo-assistido ou ativo de 
secreções brônquicas por aumento do fluxo