Logo Passei Direto

A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
4 pág.
Abc da higiene bucal

Pré-visualização | Página 1 de 2

Abc da higiene bucal 
(parte 1) 
  
Mesmo quem possui bons conhecimentos sobre higiene bucal pode ter algumas dúvidas sobre a saúde dos dentes e da boca. Por que controlar a ingestão de açúcar? Por que aparecem as cáries? Quais as partes de compõem o dente? Qual a função de um creme dental? Estas são apenas algumas perguntas que surgem e para as quais nem sempre temos respostas. 
  Assim, nunca é demais relembrar algumas lições que se aprende desde pequeno em casa ou na escola e também ampliar nosso conhecimento sobre o assunto para garantir dentes brancos, hálito fresco e um sorriso bonito. 
  Por isso, conversamos com Antonio Carlos Vanzo Júnior, cirurgião-dentista e Gerente de Desenvolvimento dos Produtos CLOSE-UP, GESSY CRISTAL e SIGNAL, e preparamos um verdadeiro ABC da Higiene Bucal. 
  Selecionamos várias dicas de A a Z, com bons conselhos sobre higiene bucal, e com as mais recentes descobertas da ciência e da indústria para tornar ainda mais fácil a tarefa de cuidar da beleza e da saúde dos seus dentes. 
  Esta semana, você está recebendo a primeira parte deste ABC e, em breve, estaremos apresentando-lhe a segunda parte. Fique por dentro! 
  Açúcar - Uma dieta rica em açúcar e demais carboidratos (doces, massas, arroz e outros) torna a pessoa mais suscetível às cáries e às doenças da gengiva, porque estes nutrientes criam as condições ideais para formação da placa bacteriana. Os microorganismos presentes na placa vão metabolizar (se alimentar) desses restos alimentares e produzirão ácidos, que irão agredir os dentes. Você não precisa abolir os doces de sua dieta, mas lembre-se que a freqüência tem mais importância do que a quantidade. Assim, várias balas ao dia prejudicam mais os dentes do que uma generosa fatia de seu pudim preferido de sobremesa (desde que você escove os dentes depois, é claro). Por isso, a saúde bucal começa por uma alimentação equilibrada. 
Boca - Responsável por desempenhar funções importantes como falar, sentir paladar, respirar e mastigar, a boca é a porta de entrada do sistema digestivo, interagindo também com o sistema respiratório. É na boca que os alimentos começam a ser transformados em nutrientes indispensáveis para a manutenção da vida. Para isso, ela conta uma poderosa engrenagem processadora composta pelos dentes, que mordem, partem, rasgam e trituram os alimentos, e pela saliva, que auxilia no trabalho de transformá-los em uma pasta fina para só então seguirem em direção ao estômago, passando pelo esofago. Assim, cuidar da higiene bucal contribui decisivamente para manter a máquina humana sempre regulada. 
  Creme dental - O creme dental tem papel fundamental na higiene da boca. Ele garante a limpeza e a saúde do dente, auxiliando na remoção da placa bacteriana. O flúor, que é o mais conhecido ingrediente que atua para garantir a saúde dos dentes, ajuda a promover a reposição dos minerais perdidos pela ação dos ácidos produzidos pelas bactérias nos dentes (remineralização), tornando o esmalte mais resistente ao ataque da cárie. Há formulações que combinam o flúor com substâncias que exercem novas funções. Entre elas, vem ganhando destaque o bicarbonato de sódio, eficaz para ajudar a controlar a acidez da boca (nível de pH), que passou a compor a formulação do creme dental SIGNAL BICARBONATO DE SÓDIO. Em testes este produto demonstrou redução de até 81 % da acidez da boca. 
  Dente - Para permitir a mastigação possuímos na dentição permanente duas arcadas, a superior (maxila) e a inferior (mandíbula), com 16 dentes cada uma. Por anatomia, o dente pode ser dividido em coroa, que aparece na cavidade bucal, e a raiz, que prende o dente ao osso. A coroa é recoberta pelo esmalte, o tecido mais duro do corpo. A segunda camada é a dentina, um tecido menos resistente que o esmalte, formado por pequenos canais e muito sensível à dor. Localizada na parte interior está a polpa, parte vital do dente constituída de uma pequena artéria, uma veia e terminações nervosas. Já a raiz não é revestida pelo esmalte, mas pelo cemento, um tecido menos duro e mais sensível. É bom lembrar que os dentes superiores e inferiores trabalham juntos e para que tenham uma boa engrenagem entre eles é preciso conservá-los sem cáries. É uma relação de causa e efeito: uma cárie pode evoluir da coroa à raiz. Isto quer dizer que quando a cárie destrói o dente e ele é extraído, todo o processo de mastigação ficará comprometido. 
  Escova - A escova realiza a remoção mecânica da placa bacteriana e dos resíduos alimentares. Escolha uma escova dental com cerdas macias, que provocam menos atrito no esmalte dos dentes, e com cabo anatõmico, que proporciona maior conforto e segurança de movimentos. A cabeça da escova também deve ter o tamanho e o desígn adequados à anatomia bucal, alcançando até as áreas de difícil acesso na boca. Após a escovação, guarde sua escova em local fresco e arejado. E lembre-se: troque sua escova pelo menos a cada três meses. Após este período, já é visível a deformação das cerdas, que compromete a qualidade da escovação. Entre as opções disponíveis no mercado, o destaque é para escova dental CLOSE-UP TOUCH 2, que possui cerdas externas projetadas para massagear delicadamente as gengivas e cerdas internas de diferentes alturas, que limpam os dentes, removendo a placa bacteriana. O cabo é emborrachado e anatõmico.
  Fio dental - A função do fio dental na higiene bucal é a de complementar o trabalho da escova, removendo a placa bacteriana e os resíduos de alimentos que se acumulam entre os dentes, principais causas de cáries, tártaro e doenças das gengivas. O fio dental deve ser usado pelo menos uma vez ao dia, de preferência à noite. O fio dental deve ser introduzido entre todos os espaços entre os dentes e conduzido até abaixo da gengiva. Em seguida, deve ser deslizado sobre cada dente para retirar os depósitos de placa bacteriana e os resíduos de alimento. Uma opção é o fio dental SIGNAL, feito de nyIon e revestido com cera de abelha para deslizar melhor entre os dentes. 
  Gengiva - A gengiva normal tem coloração rósea, contornos regulares, é consistente e aderida ao osso. Já a gengiva doente é vermelha, sangra com facilidade e apresenta contornos irregulares. Estes sintomas estão relacionados à gengivite, causada pela placa bacteriana que se acumula não só sobre a superfície dos dentes, mas também nos sulcos gengivais. Por isso, uma boa higiene bucal é a medida mais eficaz de prevenção contra as doenças da gengiva. 
Hálito - É o ar que é exalado pela boca e muitas vezes pode apresentar odor desagradável, o popular mau hálito ou halitose. As causas podem ser: 
  1 .  Origem fisiológica: após algum tempo em jejum, o organismo começa a queimar a gordura que temos armazenada e transformá-la em energia. Como subproduto desta transformação, o organismo produz os chamados corpos cetõnicos, que serão eliminados pela urina, suor e também pelo ar que expiramos, dando a ele um forte odor. Este é um mau hálito natural, fisiológico e não há o que fazer contra ele, a não ser se alimentando. 
  2.   Bactérias presentes na boca irão metabolizar os restos alimentares e como subproduto desta metabolização, irão produzir substâncias que irão atacar os tecidos de sustentação do dente e a partir daí, teremos a formação de mercaptanas, que são substâncias a base de enxofre, que também terão um forte odor. 
  3.   Restos de alimentos e bactérias, ficam aderido ao dorso da língua, na parte posterior da mesma. Essas bactérias irão metabolizar alimentos e produzir como subprodutos os compostos a base de enxofre e, portanto, o forte odor estará presente de novo. 
  4.   Após ingestão de alguns alimentos, como alho e cebola, por exemplo, também se intensifica o odor do hálito. Vale lembrar que, nestes casos, não estamos falando de halitose ou mau hálito, mas sim em hálito com odor do alimento que ingerimos. 
  Inflamações -  Quando a placa bacteriana não é removida pela escovação ela pode se instalar nos sulcos das gengivas, dando início a um processo inflamatório chamado gengivite
Página12