Paper
9 pág.

Paper


DisciplinaPscologia do Desenvolvimento62 materiais204 seguidores
Pré-visualização2 páginas
O PENSAMENTO CIENTÍFICO: UMA VISÃO GERAL
A ORIGEM DA VERDADE SENSO CRITICO E SENSO COMUM
JULIANA ALVES OLIVEIRA¹
RESUMO 
Este trabalho visa demostrar que o pensamento científico está muito presente na vida cotidiana e nos permite fazer perguntas baseadas na razão, o que nos leva a buscar a verdade. Em outras palavras, uma pessoa com mentalidade científica quer saber o porquê dos acontecimentos.
 Na nossa vida diária podemos (e devemos) incluir uma mentalidade científica para oferecer uma explicação do que acontece ao nosso redor. Se analisarmos um fato que temos que fazer com objetividade (qual é sua causa, como e quando ocorrem, com que frequência, etc.). Por outro lado, devemos usar critérios de racionalidade, ou seja, com base nas leis da lógica e nos princípios da razão humana.
ABSTRACT
	This work aims to demonstrate that scientific thinking is very present in everyday life and allows us to ask questions based on reason, which leads us to seek the truth. In other words, a person with a scientific mindset wants to know the reason for the events.
	 In our daily lives we can (and must) include a scientific mindset to offer an explanation of what is happening around us. If we analyze a fact that we have to do with objectivity (what is its cause, how and when they occur, how often, etc.). On the other hand, we must use criteria of rationality, that is, based on the laws of logic and the principles of human reason. 
Palavras-chave: Artigo Cientifico; Normatização. NBR6022.
INTRODUÇÃO
A falta de certeza a respeito das coisas desperta no homem a dúvida, junto à dúvida vem o desejo de conhecer, o conhecimento sobre as coisas leva o homem a fazer escolhas assim a partir das escolhas feitas o homem define sua essência tornando sua vida um projeto de busca continua por evolução e consequentemente felicidade.
	Vamos descrever o conhecimento como principal processo de evolução disponível ao homem e que esse processo varia de homem para homem, a capacidade de aprender e desenvolver-se é dependente da diversidade e da natureza de cada um, cada indivíduo tem ações de sua própria iniciativa, não podendo atribuir a qualquer outra fonte as consequências que seu destino tem através das suas escolhas.
Num segundo momento vamos identificar o estado de satisfação do indivíduo com a sua evolução, com o atendimento das suas necessidades, com sua liberdade de escolha em detrimento a busca da felicidade como realização de si mesmo em uma evolução continua.
DESENVOLVIMENTO
Vivemos em um planeta com uma extensa biodiversidade, tanto de fauna quanto de flora, nosso planeta está submetido há mudanças diárias nessa biodiversidade. \u201cEm suas obras sobre a natureza, Aristóteles tentou descobrir uma hierarquia de classes e espécies (\u2026). Ele estava convencido de que a natureza tinha uma finalidade e que cada traço específico de um animal existia para cumprir uma determinada função\u201d. (Strathem, 1997, p.24). 
O ser humano, que vive neste planeta e por consequência está incluído nesta biodiversidade a enxerga de uma forma diferente dos demais seres vivos do planeta, o ser humano, visto na figura do homem, sente uma necessidade interior de buscar conhecer sobre o planeta e a biodiversidade que o cerca. \u201cTodos os homens têm, por natureza, desejo de conhecer\u201d (Cocco, 1984, p.6).
A falta de compreensão, a inquietude, a falta de certeza a respeito das coisas despertaram no homem a dúvida, agitando seu interesse em investigar e questionar a realidade que o cerca. \u201c(...) Assim prosseguindo, a própria realidade mostrou - lhes o caminho e obrigou-os a um estudo (...)\u201d (Cocco, 1984, p.17). O desejo de conhecer, de saber como funciona essa realidade, é que impulsiona o homem ao conhecimento. 
O homem vê a biodiversidade do planeta e o planeta em si a partir de si mesmo, mas se vê a partir do outro, isto é, o homem precisa de modelos e referências para avaliar e orientar seu conhecimento e a sua evolução. Todo o universo está em constante evolução e o ser humano não é uma exceção, conforme Vallandro; Bornheim (1984, p.50) \u201c(...) todo conhecimento e todo trabalho visa a algum bem (...)\u201d. 
O homem é um ser animal racional, e é justamente a racionalidade que o difere de outros seres. É justamente nesta diferença que consiste a verdadeira felicidade. Só a contemplação da verdade (o máximo que pode atingir o intelecto humano) é que proporcionará a plena realização e satisfação do homem.
Quem não gostaria de descobrir o verdadeiro sentido e propósito para sua própria vida? Viktor Frankl, no livro \u201cEm busca de sentido\u201d, ao relatar suas experiências como detento num campo de concentração, afirma que:
\u201cA busca do indivíduo por um sentido é a motivação primária em sua vida\u201d (FRANKL, 1985, p.124).
Viver é, portanto, submeter-se ao constante desafio da busca, ou seja, do inquieto desejo de encontrar razão e significado para a própria existência. Pelo vocábulo \u201cbusca\u201d subentende-se processo, continuidade e, não necessariamente, encontro ou resposta imediata. A verdadeira busca exige paciência, esforço pessoal e contínua reflexão.
A vida é, por assim dizer, uma eterna procura por \u201calgo\u201d que gere alguma sensação de completude, de autorrealização e de liberdade, sobretudo interior. Cada pessoa tenta encontrar seu próprio rumo ou mesmo \u201cideal\u201d pelo qual valha a pena gastar a própria vida. Sem isto, tudo não passaria de vazio e caos.
Contudo, uma busca que não se baseie em conclusões imediatas é, no mínimo, angustiante. Sobretudo para aqueles que, imersos na rapidez do mundo contemporâneo, parecem ter desaprendido o valor da espera e da pausa tão necessárias
\u201cA felicidade, diz São Tomás de Aquino no \u2018Comentário ao Livro X da Ética\u2019, tanto quanto é possível neste mundo, consiste na operação especulativa da inteligência pela principal das virtudes intelectuais, que é a virtude da sabedoria.\u201d
O conhecimento é o principal fator de evolução disponível ao homem, este conhecimento não é construído sobre verdades estáticas, é um processo lento, dinâmico e gradual que tem como característica poder ser manifestado e transferido por meio do ensinamento, ou seja, a capacidade de aprender e desenvolver o conhecimento são exclusivos da natureza de cada homem. 
Todos os homens tem algo em comum: o desejo de ser feliz e tudo o que o homem faz está relacionado à busca da satisfação deste desejo. \u201cAristóteles, fiel aos princípios de sua filosofia especulativa, e após ter feito uma análise e um estudo da psicologia humana, verifica que em todos os seus atos o homem se orienta necessariamente pela ideia de bem e de felicidade (...)\u201d (Costa, 1993, p.67).
O homem está sempre focado na busca da felicidade e não fará de bom grado nada que possa dificultar a conquista desse desejo, por isso usa sua razão e a sua liberdade de escolhas para chegar o mais rápido possível ao seu ideal de evolução.
 \u201cPara Aristóteles, a felicidade não está ligada aos prazeres ou as riquezas, mas a atividade prática da razão. Em sua opinião, a capacidade de pensar é o que há de melhor no ser humano, uma vez que a razão é nosso melhor guia e dirigente natural.\u201d Na busca do conhecimento para conseguir satisfazer suas necessidades o homem passou a acreditar que a existência vem antes da essência dele mesmo, isto é, não existe uma essência humana definida pela natureza que determine como o homem será, mas sim uma construção onde o homem pode constituir a sua essência na sua própria existência. 
Essa construção vem a partir das escolhas feitas, o homem escolhe como definir sua essência, tornando sua vida um projeto existencial em busca da sua felicidade, sendo assim, o homem não pode atribuir a qualquer outra fonte as consequências que seu destino tem através das suas escolhas, \u201c(...), pois é próprio do homem culto buscar a precisão, em cada gênero de coisas (...)\u201d (Vallandro; Bornheim, 1984, p.50).
(...) E assim, a felicidade deve ser alguma forma de contemplação (...) (Vallandro; Bornheim, 1984, p. 231) ou algum