A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
5 pág.
TÍTULOS DE CRÉDITO- EMPRESARIAL APLICADO II - RESUMO PARA AV3 E CASOS CONCRETOS

Pré-visualização | Página 1 de 3

TÍTULOS DE CRÉDITO –(CONCEITO – PRINCÍPIOS – CLASSIFICAÇÃO)
CONCEITO: documento necessário ao exercício do direito literal e autônomo nele contido, somente produz efeito quando preencha os requisitos da lei.
Princípio da Especialidade: o Código Civilsomente será aplicado na omissão das leis especiais. (art. 903) – aplicação subsidiária.
NATUREZA JURÍDICA - Título Executivo Extrajudicial – logo, não é necessário ajuizar uma ação para a sua cobrança.
- O prejudicado deve entrar direto com uma ação de execução.
Atributos dos títulos de crédito
NEGOCIABILIDADE – é a possibilidade que tem o credor de negociar seu direito antes mesmo do vencimento da obrigação.
- Finalidade: captação de recursos de interesse do credor;
- Decorre da característica da circulação, própria dos títulos de crédito.
 EXECUTORIEDADE – permite ao seu titular buscar a execução imediata da obrigação, independentemente de um processo de conhecimento.
- o meio próprio para tanto é a execução.
- como o título de crédito tem força executiva, faz-se a sua imediata cobrança com a penhora dos bens do devedor.
PRINCÍPIOS GERAIS DOS TÍTULOS DE CRÉDITO
Do regime jurídico disciplinador dos títulos de crédito, podem ser extraídos três princípios:
CARTULARIDADE: para o exercício dos direitos representados por um título de crédito é necessária a apresentação do documento. (cártula)
pressupõe a sua posse;
somente quem exibe a cártula pode pretender a satisfação de uma pretensão relativamente a um título de crédito.
LITERALIDADE: vale o que estiver escrito no título.
somente produzem efeitos jurídico-cambiais os atos lançados no próprio título de crédito.
- atos documentados em instrumentos apartados, ainda que válidos e eficazes, não produzirão efeitos perante o portador do título.
EXCEÇÃO: folha de alongue – anexada aos títulos para complementação do espaço para endossos.
AUTONOMIA: “Título de crédito é o documento necessário para o exercício do direito literal e autônomo nele mencionado”.
- quando um único título documenta mais de uma obrigação, a eventual invalidade de qualquer delas não prejudica as demais.
segundo a doutrina é o mais importante dos princípios do direito cambial.
as implicações do princípio da autonomia representam a garantia efetiva de circulabilidade do título de crédito.
O princípio da autonomia é dividido em 2 subprincípios:
a) Abstração - Quando o título de crédito é posto em circulação, diz-se que se opera a abstração, isto é, a desvinculação do ato ou negócio jurídico que deu ensejo à sua criação.
b) Inoponibilidade das exceções pessoais – art. 17, LUG
Aquele que for demandado por um terceiro de boa-fé, pela obrigação resultante de um título, não pode alegar uma situação pessoal com outrem, a fim de furtar-se ao seu cumprimento.
EXEMPLO: Carlosadquire um computador de Manuel, pagando-o por meio de um cheque no valor de R$ 2.000,00. Ao chegar à sua residência, descobre que o equipamento não possui a capacidade de memória que aparentava, maculado estava por um vício redibitório. Por outro lado, Manuel já havia endossado o cheque em favor de Regina.
Conclusão :Carlos não poderá opor-se ao pagamento do cheque, alegando defeito da coisa comprada de Manuel, pois Regina não tem nada a ver com aquela transação. Competirá a Carlos pleitear em juízo perdas e danos contra Manuel, e nunca uma exceção pessoal contra Regina.
ENUNCIADO 39, CJF
 Não se aplica a vedação do art. 897, parágrafo único, do Código Civil, aos títulos de crédito regulados por lei especial, nos termos do seu art. 903, sendo, portanto, admitido o aval parcial nos títulos de crédito regulados em lei especial.
CLASSIFICAÇÃODOS TÍTULOS DE CRÉDITO
1. Modalidades de Classificação
1.1 Quanto ao modelo:
livres: são aqueles em que, por não existir padrão de utilização obrigatória, o emitente pode dispor à vontade os elementos essenciais do título. Ex: letra de câmbio e nota promissória.
Assim, qualquer papel, independentemente da forma adotada, será nota promissória, desde que atendidos os requisitos que a lei estabeleceu para esse título de crédito. 
 Vinculados: somente produzem efeitos cambiais os docs que atendem ao padrão exigido. Ex: cheque e duplicata.
1.2 Quanto à estrutura:
em ordem de pagamento: cheque, duplicata e letra de câmbio.
promessa de pagamento:nota promissória.
1.3 Quanto às hipóteses de emissão:
Causais: são os que somente podem ser emitidos nas hipóteses autorizadas por lei.
Ex: duplicata - somente pode ser gerada para a documentação de crédito oriundo de compra e venda mercantil.
Limitados: são os que não podem ser emitidos em algumas hipóteses circunscritas pela lei. 
Ex: letra de câmbio - não pode ser sacada pelo comerciante para documentar o crédito nascido da compra e venda mercantil.
- a lei das duplicatas o proíbe (LD, art. 2º). 
Não causais: são os que podem ser criados em qualquer hipótese. 
Ex: cheque e nota promissória.
Resumindo: há títulos que só podem ser emitidos em determinadas hipóteses autorizadas por lei (causais), há os que não podem ser emitidos em certos casos (limitados) e, finalmente, os que podem ser emitidos em qualquer situação (não causais).
1.4 Quanto à circulação
- é a forma como os títulos de crédito transitam entre seus titulares;
- classificam-se em:
Títulos de Crédito ao portador: 
- são aqueles que não ostentam o nome do credor e, por isso, circulam por mera tradição; 
- isto é, basta a entrega do documento, para que a titularidade do crédito se transfira do antigo detentor da cártula para o novo. 
Art. 907 - É nulo o título ao portador emitido sem autorização de lei especial.
Títulos de Crédito Nominativos
 - são aqueles que identificam o credor, pois são emitidos a favor de pessoa certa e determinada, cujo nome deve constar da cártula.
Classificam-se em: 
à ordem: podem ser transferidos via endosso.
não à ordem: com essa cláusula, veda-se a possibilidade de transmissão através de endosso.
Neste último caso (não à ordem), a tradição é possível apenas por meio de uma cessão civil de crédito.
Cessão Civil de Crédito
	Trata-se de um ato jurídico de efeitos não cambiais de transferência de titularidade do crédito, no qual o cedente responde, em regra, apenas pela existência do crédito e não pela solvência do devedor. 
	 É o ato pelo qual o credor de um título de crédito com a cláusula “não à ordem” transmite os seus direitos a outra pessoa. 
Cessão Civil de Crédito: (diferenças do endosso) 
- instituto do Direito Civil;
- o cedente só é responsável pela existência do crédito, não pela sua solvência; 
- é possível ao devedor opor uma exceção pessoal ao terceiro, titular do crédito, alegando assunto seu com o cedente. 
ATOS CAMBIAIS - ACEITE 
CONCEITO - Tendo o sacador expedido a ordem de pagamento a favor do beneficiário, dirigida ao sacado, resta que este reconheça a validade da ordem, apondo a sua assinatura. 
Dá-se, então, o aceite da letra de câmbio, vinculando o sacado, agora aceitante, como seu obrigado principal. 
- o aceite não é ato obrigatório na letra de câmbio;
- além disso, pode ser total ou parcial.
- o aceite decorre da assinatura do sacado no anverso (frente) da letra de câmbio; à esquerda do documento, no sentido vertical; 
- admite-se também o aceite no verso do documento, desde que identificada a natureza do ato praticado pela expressão “aceito”, ou outra equivalente (LU, art. 25). 
RECUSA DO ACEITE 
- na letra de câmbio, o aceite é sempre facultativo, logo, a recusa do sacado é ato plenamente válido. 
CONSEQUÊNCIA... - sua recusa, mesmo que parcial, provoca o vencimento antecipado do título (LU, art. 43)
EXEMPLO
- Se Antonio emite, em dois de julho, letra de câmbio contra Benedito em favor de Carlos, com vencimento para trinta de novembro do mesmo ano, a recusa do aceite torna o título exigível de imediato. 
QUESTÃO: Há alguma maneira de se evitar o vencimento antecipado do título? 
Resposta: SIM - Para evitar a antecipação provocada pela recusa do aceite, a lei possibilita ao sacador a introdução