A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
19 pág.
e-book-forcas-armadas-psicologia-editora-sanar

Pré-visualização | Página 1 de 8

01 (2014) Uma paciente jovem, que segue atendimento psicológico no Ambulatório de Psico-
logia, apresentou taquipsiquismo, manifestando-se como agitação psicomotora, exaltação, 
loquacidade e até logorreia. Durante a sessão, observou-se que ela se mantinha alegre e 
brincalhona, mas com o tempo, revelou-se irritada, arrogante, com alterações de humor en-
tre euforia e elação. A paciente falava mais do que pensava. (DALGALARRONDO, Paulo. Evo-
lução do cérebro. São Paulo: Artmed. 2011, p. 406.) Este quadro psicopatológico é conhecido 
como: 
Ⓐ paranoia. 
Ⓑ transtorno bipolar. 
Ⓒ histriônico. 
Ⓓ mania.
Alternativa A: INCORRETA. A paranoia é um estado psicopatológico que compõe a gama de 
sintomas de alguns transtornos de personalidade, como transtorno de personalidade para-
noide, transtorno de personalidade esquizotípica, esquizofrenia paranoide, dentre alguns 
outros quadros. Tem como característica principal um sentimento de desconfiança persisten-
te, excessiva e mal motivada. 
Alternativa B: INCORRETA. O transtorno bipolar é um transtorno de humor que se caracteriza 
por manifestações de episódios depressivos alternados com estados de mania. 
Alternativa C: INCORRETA. O transtorno de personalidade histriônico tem como característica 
principal o fato de o paciente apresentar um padrão emocional excessivo com grande neces-
sidade de chamar atenção para si com forte busca de aprovação, expressando os sentimen-
tos de modo descomunal. 
Alternativa D: CORRETA. A mania é um distúrbio mental no qual o paciente apresenta um 
humor elevado de forma persistente, mostrando-se excessivamente expansivo ou, por ve-
zes, irritável. Pode se apresentar sob a forma de agitação psicomotora, exaltação, logorreia e 
taquipsiquismo, por exemplo
02 (2013) Sobre a esquizofrenia, Sadock (2007) afirma que, EXCETO:
 
Ⓐ A esquizofrenia atinge cerca de 1% da população mundial e inicia-se antes dos 25 anos de 
idade. 
Ⓑ O diagnóstico de esquizofrenia baseia-se, fundamentalmente, na história clínica e no 
exame do estado mental, já que não existem evidências laboratoriais para a confirmação do 
diagnóstico. 
Ⓒ Os sintomas positivos da esquizofrenia envolvem o delírio, a entropia e as alterações do 
pensamento.
Ⓓ Os sintomas negativos são: o embotamento afetivo, a alogia e a abulia.
Alternativa A: CORRETA. A esquizofrenia habitualmente se apresenta a partir dos 15 anos, em 
proporção semelhante em homens e mulheres, atingindo cerca de 1% da população mundial. 
Alternativa B: CORRETA. O diagnóstico da esquizofrenia não pode ser efetuado pelo meio de 
análises fisiológicas ou bioquímicas. Ele procede a partir da observação clínica cautelosa das 
amostras de comportamentos ao longo do tempo. 
Alternativa C: CORRETA. Os sintomas positivos da esquizofrenia estão presentes com máxima 
visibilidade na etapa aguda da doença e são caracterizados por inquietações mentais excessi-
vamente fora do normal. 
Alternativa D: INCORRETA. Dentre alguns dos sintomas negativos que resultam da perda e/ou 
da diminuição das competências mentais, destacam-se falta de vontade e/ou de iniciativa, 
afastamento social, impassibilidade, apatia emocional e pobreza do pensamento, além de 
embotamento afetivo, alogia (falta de lógica) e abulia (incapacidade de tomar decisões).
03 (2013) Emoção é sinônimo de afeto para a maioria das abordagens do comportamento 
humano. Emoção e afeto são considerados estados interiores caracterizados por pensamen-
tos, sensações, reações fisiológicas e comportamentos expressivos específicos
Assertiva: INCORRETA. Para a Psicologia, emoção é a reposta instintiva que damos ao passar 
por situações cotidianas da vida. Afetividade seria a capacidade individual de conhecer o con-
junto de fenômenos afetivos, como os sentimentos, as emoções e as paixões
04 (2013) Os estados alterados de consciência diferem de nossa consciência desperta normal, 
na medida em que nos desprendemos de nosso ambiente externo, como em um sonho.
Assertiva: CORRETA. Os estados alterados de consciência são deformações ou alterações dos 
estados "normais" de consciência, de modo que, imerso neles, nos desprendemos de nosso 
ambiente externo
05 (PSICÓLOGO - SES/PE - CONUPE - 2013) Um psicólogo se confrontou com a seguinte situ-
ação: Durante a gestação, a Sra. M. bebeu muito e fumou. Seu filho nasceu com Síndrome 
Alcoólica Fetal. Considerando que as drogas utilizadas, particularmente o álcool, desencadea-
ram tal síndrome, diríamos que tal distúrbio é: 
Ⓐ circunstancialmente hereditário. 
Ⓑ potencialmente inato. 
Ⓒ hereditário e, portanto, inato. 
Ⓓinato, mas não é hereditário 
Ⓔ inato e, portanto, hereditário.
Alternativa A: INCORRETA. A condição de circunstancialidade não se aplica à Síndrome Alcoóli-
ca Fetal. O abuso de álcool, em geral, leva ao desenvolvimento da mesma. 
Alternativa B: INCORRETA. Frente ao fato de a Síndrome Alcoólica Fetal ter como fator de risco 
o abuso de álcool durante a gestação, a mesma é um defeito inato permanente.
Alternativa C: CORRETA. A Síndrome Alcoólica Fetal decorre da ingestão de álcool durante a 
gravidez, e o conjunto de sinais e sintomas que define a síndrome a torna hereditária e, por-
tanto, inata.
Alternativa D: INCORRETA. A Síndrome Alcoólica Fetal tem seu caráter atrelado à hereditarie-
dade frente ao fator ingestão de álcool durante a gestão por pare da mãe. 
Alternativa E: INCORRETA. A Síndrome Alcoólica Fetal decorre da ingestão de álcool em gran-
des quantidades pela mãe durante a gestação. Ainda não temos especificações quanto ao ní-
vel mínimo de etanol (álcool) que resultaria em tal síndrome. Entretanto, sabe-se que o grau 
de comprometimento do bebê não depende apenas do quanto de álcool a mãe ingeriu, mas 
também em qual período da gestação houve o consumo, caracterizando a hereditariedade.
06 (2012) Pacientes com transtorno bipolar do tipo II apresentam pelo menos um episódio de 
mania e um de depressão.
Assertiva: INCORRETA. O quadro de transtorno bipolar do tipo II tem por característica a alter-
nância entre os episódios de depressão e os de hipomania, os quais, em geral, não trazem 
prejuízos maiores para o comportamento e para as atividades do paciente. Os sujeitos que 
têm este transtorno não apresentam episódios maníacos completos, mas sim períodos com 
níveis elevados de impulsividade
07 (2012) Em um episódio misto de bipolaridade, ocorrem, quase todos os dias, sintomas de 
episódios maníacos e de episódios depressivos, como rebaixamento da necessidade de dor-
mir, alegria e pensamentos suicidas.
Assertiva: CORRETA. O transtorno bipolar caracteriza-se pelas oscilações de humor, de ma-
neira que estas acontecem numa alternância de episódios maníacos e episódios depressivos 
numa temporalidade rápida. Em geral, os sintomas dependem do tipo exato do transtorno 
e variam de paciente para paciente, mas podemos ter, em geral, características, tais como 
rebaixamento da necessidade de dormir, euforia e pensamentos suicidas.
08 (2013) Assinale a alternativa cujo sintoma está INCORRETAMENTE relacionado ao diagnós-
tico do transtorno de pânico. 
Ⓐ Sudorese 
Ⓑ Tremores 
Ⓒ Desconforto toráxico. 
Ⓓ Desrealização 
Ⓔ Bradilalia.
Alternativa A: CORRETA. O transtorno de pânico é um quadro de transtorno de ansiedade ca-
racterizado por um intenso medo ou/e mal-estar, e a sudorese é um dos sintomas. 
Alternativa B: CORRETA. Frente ao fato de os sintomas físicos do transtorno de pânico inicia-
rem de maneira brusca, tremor é um sintoma exibido. 
Alternativa C: CORRETA. O quadro psicótico tem como principal característica ser um estado 
psíquico, no qual se tem a perda de contato com a realidade. 
Alternativa D: CORRETA. O desconforto toráxico é um sintoma do transtorno de pânico, por 
conta da ansiedade. 
Alternativa E: INCORRETA. A bradilalia caracteriza-se pela lentidão da fala, estando, em geral, 
vinculada a perturbações psicomotoras e não sendo compatível