A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
19 pág.
e-book-forcas-armadas-psicologia-editora-sanar

Pré-visualização | Página 5 de 8

que, entre ou-
tros fatores, obrigava D. Pedro I a ce-
der o título honorário de Imperador do 
Brasil a D. João VI e a não aceitar com 
qualquer outra colônia portuguesa.
II. Foi adotada uma política livre-cambis-
ta que, apesar da tentativa de fomen-
tar a indústria nacional, fracassou em 
função dos baixos preços dos produ-
tos britânicos.
III. A Constituição outorgada em 1824, 
classificou, para fins eleitorais, os ci-
dadãos em: cidadãos passivos – não 
alcançavam renda suficiente para ter 
direitos políticos; cidadãos ativos vo-
tantes – os que possuíam renda sufi-
ciente para votar; cidadãos ativos elei-
tores elegíveis – os que tinham renda 
suficiente para ser eleito.
IV. A Confederação do Equador foi um 
momento crítico daquele período e se 
caracterizou pela liderança das elites 
de Pernambuco, Rio Grande do Norte, 
Ceará, Paraíba e Bahia, atingidos pela 
crise dos produtos típicos da região 
como o açúcar e o algodão.
 Ⓐ Somente I e II estão corretas.
 Ⓑ Somente II e IV estão corretas.
 Ⓒ Somente I, II e III estão corretas.
 Ⓓ Somente I, III e IV estão corretas.
 Ⓔ Somente II, III e IV estão corretas.
Grau de Dificuldade
Assertiva I: CORRETA. Após o emblemático 
Grito do Ipiranga, Dom Pedro I teria de to-
mar diversas ações que pudessem assegu-
rar a autonomia política da nação brasilei-
ra, entre elas, o Tratado de Paz e Aliança 
finalmente oficializou o reconhecimento 
lusitano. Segundo esse acordo, o governo 
brasileiro deveria pagar uma indenização 
de dois milhões de libras esterlinas para 
que Portugal aceitasse a independência 
do Brasil. Além disso, Dom João VI, rei de 
Portugal, ainda preservaria o título de im-
perador do Brasil. Essa última exigência, 
na verdade, manifestava o interesse que 
o monarca lusitano tinha em reunificar os 
dois países em uma só coroa.
Assertiva II: CORRETA. Em 1828, Dom Pedro 
I estabeleceu uma política livre-cambista 
ao estender a taxa alfandegária de 15%, 
anteriormente exclusiva aos ingleses, a 
todas as demais nações do mundo. Por 
fim, essa medida se instituiu como um 
novo obstáculo para a modernização da 
nossa economia. Uma vez que os produtos 
130 131Matheus BuenteHistória
ingleses continuam com melhores preços 
e que dificultava a produção interna.
Assertiva III: CORRETA. A constituição de 
1824 tinha como principal característica 
eleitoral o voto censitário, que era uma 
regulação sobre quais brasileiros pode-
riam ou não votar e se candidatar aos 
cargos públicos de acordo com sua ren-
da, gerando assim uma categorização de 
cidadãos no que diz respeito aos direitos 
eleitorais.
Assertiva IV: INCORRETA. A Confederação do 
Equador não contou com a participação 
da Bahia, além disso o grande objetivo do 
movimento era a emancipação da região 
Nordeste e sua consequente independên-
cia de Portugal, deixando essa questão 
econômica sobre o açúcar e o algodão em 
segundo plano.
Resposta: Ⓒ
04. Questão
(OFICIAL – EXÉRCITO – ESFCEX – 2011) Sobre as re-
lações entre colonos e jesuítas, no que diz 
respeito ao uso da mão de obra indígena, 
analise as afirmativas abaixo e, em segui-
da, assinale a alternativa correta.
I. O uso da mão de obra escrava pelos 
colonos não conflitava com os inte-
resses da Coroa e nem com os dos je-
suítas, mas ao insistirem no cativeiro 
indígena, os colonos despertaram a 
oposição dos inacianos.
II. As relações contrárias aos padres je-
suítas por parte dos colonos acen-
tuou-se pelo fato de os lusos acredi-
tarem que os inacianos retardavam o 
desenvolvimento de suas atividades 
econômicas ao dificultar o uso da mão 
de obra indígena.
III. Os jesuítas foram expulsos da Capita-
nia de São Vicente porque os colonos 
os denunciaram por transformar índios 
aldeados em escravos da Companhia.
 Ⓐ somente I está correta
 Ⓑ somente II está correta 
 Ⓒ somente III está correta
 Ⓓ somente I e II estão corretas
 Ⓔ somente II e III estão corretas
Grau de Dificuldade
DICA DO AUTOR: Ordem Inaciana é referência 
a Companhia de Jesus, ordem religiosa a 
qual pertenciam os Jesuítas.
Assertiva I: CORRETA. De maneira prática 
não havia nenhuma oposição por parte da 
Coroa ou dos Jesuítas a escravização dos 
índios, porém a insistência no cativeiro 
começou a "atrapalhar" os ideais de con-
versão religiosa dos inacianos. 
Assertiva II: CORRETA. As atividades eco-
nômicas coloniais principalmente na 
produção da cana de açúcar na Bahia se 
firmaram fortemente através da escravi-
zação dos povos nativos (indígenas). E os 
Jesuítas tinham como prioridade na rela-
ção com os indígenas a catequese e não 
o trabalho.
Assertiva III: INCORRETA. Os jesuítas não 
tinham como ideal a prática de mão de 
obra indígena.
Resposta: Ⓓ
05. Questão
(OFICIAL – EXÉRCITO – ESFCEX – 2011) Sobre a 
transição do trabalho escravo para o livre 
na região Centro-Oeste do Brasil, é corre-
to afirmar:
 Ⓐ as relações de trabalho advindas da 
mão de obra livre eram baseadas no sis-
tema capitalista de assalariamento.
 Ⓑ o sul de Goiás, por ter sido ocupado 
por pequenos trabalhadores livres, teve 
suas relações de trabalho marcadas pelo 
re¬gime de colonato e de parcerias.
 Ⓒ o trabalho livre foi implantado para 
acompanhar o avanço da agricultura de 
alimentos, da agropecuária e, sobretudo, 
da pecuária extensiva voltada para o mer-
cado interno.
 Ⓓ o declínio do número de escravos no 
Centro-Oeste decorreu do tráfico inter-
provincial, uma vez que boa parte dos 
cativos dessa região foi levada para as la-
vouras de café do Sudeste.
 Ⓔ a ocupação decorrente do avanço da 
pecuária nessa região, implementada por 
migrações de mineiros e paulistas, nas 
primeiras décadas do séc. XIX mudou as 
relações de trabalho, ao voltar-se para o 
mercado de exportação de carnes.
Grau de Dificuldade
DICA DO AUTOR: Quando se fala do trabalho 
e da ocupação da região Centro-Oeste é 
muito comum usarem o termo COLONATO, 
porém esse termo representa um anacro-
nismo, uma vez que o termo foi cunhado 
para designar trabalhadores do interior 
Italiano que iriam ocupar terras até então 
"desocupados", contudo, no caso brasi-
leiro, essa é a única semelhança. O Cen-
tro-Oeste era pouco ocupado e pessoas 
foram incentivas a ir para lá, porém com 
uma estrutura material e uma relação 
com a terra muito próprias e diferentes 
da italiana. Como por exemplo: os italia-
nos tinham posse perpétua da terra, já os 
brasileiros ocupavam terras do governo.
Alternativa A: INCORRETA. A relação de tra-
balho com mão de obra livre teve seu mo-
delo capitalista de assalariamento pos-
terior ao século XIX, sendo consolidado 
apenas no governo Vargas.
Alternativa B: INCORRETA. O sistema de par-
cerias foi utilizado muito pouco, tendo em 
vista os elevados juros cobrados sobre 
as dívidas dos colonos para o tratamento 
da terra, bem como da produção agrícola 
que era pouco valorizada.
Alternativa C: CORRETA. Realmente houve o 
uso do trabalho livre para acompanhar a 
demanda da economia interna crescente 
no Brasil.
Alternativa D: INCORRETA. Como existia um 
mercado interno crescente e latente no 
Centro-Oeste, existiam dificuldades com 
mão de obra, gerando demanda por tra-
balhadores. E essa mão de obra foi encon-
trada nos trabalhadores livres que chega-
vam, portanto não houve debandada de 
mão de obra escravizada, uma vez que a 
economia do Centro-Oeste se desenvol-
veu com baixa presença de escravos.
Alternativa E: INCORRETA. De forma geral 
a dinâmica econômica ainda se voltava 
para o mercado interno.
06. Questão
(OFICIAL – EXÉRCITO – ESFCEX – 2011) Analise as 
afirmativas sobre a economia brasileira 
do século XIX e, em seguida, assinale a 
opção correta.
I. O desinteresse do sudeste cafeeiro 
pela escravidão foi uma forte motiva-
Geografia6
Thor Fascio
I. GEOGRAFIA FÍSICA: CLIMATOLOGIA – 
CLIMAS DO BRASIL