Epidemiologia da pneumonia adquirida na comunidade
3 pág.

Epidemiologia da pneumonia adquirida na comunidade


DisciplinaEnfermagem20.981 materiais161.989 seguidores
Pré-visualização1 página
Transcrição Aula 1.1 \u2013 Pneumonia - Epidemiologia 
 
O objetivo deste vídeo é apresentar a epidemiologia da pneumonia adquirida 
na comunidade, expondo seu conceito, fatores de risco e relevância. 
 
Começamos com uma questão: Por que a pneumonia é 
considerada uma condição sensível à atenção primária? 
 
Pneumonia adquirida na comunidade é definida como uma infecção aguda do 
parênquima pulmonar, que acomete indivíduo fora do ambiente hospitalar ou nas 
primeiras 48 horas após a admissão hospital. 
É considerada uma condição sensível à Atenção Primária à Saúde, pois é um 
problema de saúde para o qual a efetiva ação da atenção primária diminui o risco de 
internações hospitalares por esse problema. 
A incidência de pneumonia adquirida na comunidade é de aproximadamente 
de 12 casos para 1.000 habitantes por ano. 
No Brasil, a pneumonia é a considerada a segunda causa de internação 
hospitalar na população em geral e é a principal causa de hospitalização e morte por 
doença respiratória. 
As internações hospitalares e mortalidade apresentam forte influencia sazonal, 
com maior ocorrência nos meses de inverno, entre junho e agosto. 
A mortalidade por pneumonia varia de acordo com a gravidade da doença, 
podendo ser de menos de 1% nas pneumonias ambulatoriais, ou chegar a mortalidade 
de mais de 30%, em pneumonia grave tratadas em unidade de tratamento intensivo. 
Entre os principais fatores de risco para a pneumonia encontram-se os 
extremos de idade (em especial menores de 5 anos e maiores de 70 anos), indivíduos 
imunodeprimidos ou com comprometimento do sistema nervoso central. 
A mortalidade por pneumonia também sofre influência da faixa etária, com 
destacado aumento da mortalidade em indivíduos com mais de 70 anos. Os 
coeficientes de mortalidade variam de menos de 10/100.000 habitantes entre 5 e 49 
anos, para 500/100.00 habitantes em indivíduos com mais de 80 anos. 
Embora a confirmação da etiologia da pneumonia seja raramente obtida, sabe-
se que qualquer microrganismo pode causar pneumonia. Os agentes etiológicos mais 
prevalentes em pacientes com PACs são Streptococcus pneumoniae (22%), 
Mycoplasma pneumoniae (18%), Chlamydophila pneumoniae (16%), vírus (10%), 
Haemophylus influenzae (4%), Legionella sp (1% ou menos). 
Entre os vírus que causam pneumonias, destacam-se o vírus da infl 
 
Algumas patologias e situações epidemiológicas apresentam associação com 
determinados agentes etiológicos. Conhecer essas associações pode auxiliar na 
decisão do tratamento mais adequado. Como exemplo dessas associações encontram-
se: 
\uf0b7 Alcoolismo: pneumococo, anaeróbios, bactérias gram-negativas (BGN), bacilo 
da tuberculose 
\uf0b7 DPOC/tabagismo: pneumococo, hemófilo, moraxela, legionela 
\uf0b7 Instituições geriátricas: pneumococo, BGN, hemófilo, estafilococo, 
anaeróbios, clamídia, bacilo de tuberculose 
\uf0b7 Higiene bucal precária: anaeróbios 
\uf0b7 Influenza na comunidade: influenza, pneumococo, estafilococo, hemófilo 
\uf0b7 Aspiração maciça: anaeróbio 
\uf0b7 Bronquiectasias, uso de corticoesteroides, desnutrição e hospitalizações 
repetidas: pseudomonas, estafilococo 
\uf0b7 Drogadição: estafilococo, anaeróbios, bacilo da tuberculose, Pneumoocystis 
carinii 
\uf0b7 HIV (estagio precoce): pneumococo, hemófilo, bacilo da tuberculose, P. carinii 
As infecções virais podem servir de porta de entrada para bactérias que 
colonizam as vias aéreas superiores, embora também possam ser causa primarias de 
pneumonias. Cabe ressaltar que, quando associados à Staphylococcus aureus, podem 
causar infecções graves, tendo como característica a presença de infiltrado 
inflamatório pulmonar localizado. As infecções pneumocócicas causadas apenas por S. 
aureus costumam se apresentar com lesões escavadas bilaterais. 
A pneumonia por micoplasma tem sido mais frequentemente observada em 
adultos jovens em tratamento ambulatorial; enquanto a clamídia tem sido identificada 
também em idosos e pode ser causa de pneumonia grave nessa população. 
Na presença de quadros arrastados, com pouca resposta aos antibióticos deve-
se ter em mente a possibilidade do diagnóstico de tuberculose. O diagnostico de 
tuberculose também deve ser suspeitado na presença de tosse seca, antes que 
apareçam outros sintomas respiratórios ou sistêmicos; e ainda, na presença de bloco 
de consolidação e pequenos focos isolados adjacentes na radiografia. 
 
Voltando à questão inicial: Por que a pneumonia é considerada 
uma condição sensível à atenção primária? 
 
A pneumonia é considerada uma condição sensível à Atenção Primária à Saúde, 
pois é um problema de saúde para o qual a efetiva ação da atenção primária diminui o 
risco de internações hospitalares por esse problema. 
 
 
Referências 
Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Departamento de Atenção 
Básica. Acolhimento à demanda espontânea : queixas mais comuns na Atenção 
Básica / Ministério da Saúde, Secretaria de Atenção à Saúde, Departamento de 
Atenção Básica. \u2013 Brasília : Ministério da Saúde, 2012. 
DUNCAN BB, Schimdt MI, Giugliani ER. Medicina ambulatorial: condutas clínicas na 
atenção primária. Porto Alegre. Artes Médicas, 4ª ed., 2013. 
Gusso G, Lopes JMC. Tratado de Medicina de Família e Comunidade \u2013 Princípio, 
formação e prática. Editora ArtMed, 2012