TECIDO OSSEO OK
54 pág.

TECIDO OSSEO OK


DisciplinaRadiologia Do( Densitometria Ossea)5 materiais200 seguidores
Pré-visualização1 página
Tecido ósseo
O osso é um tecido multifuncional, metabolicamente muito ativo, constituído por uma população heterogênea de células, em diferentes estágios de diferenciação celular. 
Escola de Ciências da Saúde
ECS
2
Escola de Ciências da Saúde
ECS
3
Escola de Ciências da Saúde
ECS
Tecido ósseo
Está em equilíbrio dinâmico, com regulação da mobilização e deposição mineral, durante a vida do animal. 
É um tecido metabolicamente que sofre um processo contínuo de renovação e remodelação.
Escola de Ciências da Saúde
ECS
Tecido ósseo
Está em equilíbrio dinâmico, com regulação da mobilização e deposição mineral, durante a vida do animal. 
É um tecido metabolicamente que sofre um processo contínuo de renovação e remodelação.
Escola de Ciências da Saúde
ECS
. 
 A remodelação óssea compreende o processo onde o tecido ósseo é renovado para manutenção de sua força e equilíbrio mineral, por meio da reabsorção de osso velho e consecutiva neoformação óssea, prevenindo o acúmulo de microfraturas.
Escola de Ciências da Saúde
ECS
Tecido ósseo
O osso é constituído aproximadamente por 70% de minerais, 20% de matriz orgânica e cerca de 10% de água, o que o diferencia de outros tecidos conjuntivos menos rígidos. 
Escola de Ciências da Saúde
ECS
Ósso: Tecido conjuntivo especializado
Escola de Ciências da Saúde
ECS
9
Escola de Ciências da Saúde
ECS
10
Escola de Ciências da Saúde
ECS
11
Escola de Ciências da Saúde
ECS
12
Escola de Ciências da Saúde
ECS
13
Escola de Ciências da Saúde
ECS
14
Escola de Ciências da Saúde
ECS
15
Escola de Ciências da Saúde
ECS
16
Escola de Ciências da Saúde
ECS
17
Escola de Ciências da Saúde
ECS
18
Escola de Ciências da Saúde
ECS
19
Escola de Ciências da Saúde
ECS
20
Escola de Ciências da Saúde
ECS
Osteoblastos
Escola de Ciências da Saúde
ECS
22
Escola de Ciências da Saúde
ECS
23
Escola de Ciências da Saúde
ECS
Osteócitos
Escola de Ciências da Saúde
ECS
São via de transporte de nutrientes e metabólitos entre os vasos sanguíneos e a morte destes confere a reabsorção da matriz.
25
Escola de Ciências da Saúde
ECS
26
Escola de Ciências da Saúde
ECS
27
Escola de Ciências da Saúde
ECS
28
Osteoclastos
Escola de Ciências da Saúde
ECS
Osteoclastos
 - A parte do osteoclasto que entra em contato com o osso se apresenta altamente pregueada e é chamada de borda estriada. 
 - Esta varre a superfície do osso, continuamente alterando sua configuração, à medida que libera ácidos e enzimas hidrolíticas que dissolvem a matriz protéica e os cristais de minerais. 
 - Quando a reabsorção é completada, os osteoclastos são inativados e perdem alguns de seus núcleos. A inativação compreende a fissuração da célula polinucleada gigante, de volta a células mononucleadas.
Escola de Ciências da Saúde
ECS
30
Escola de Ciências da Saúde
ECS
31
Escola de Ciências da Saúde
ECS
32
Escola de Ciências da Saúde
ECS
33
Escola de Ciências da Saúde
ECS
. 
 O processo de remodelação óssea desenvolve-se com base em dois processos antagônicos, mas acoplados: a formação e a reabsorção ósseas. O acoplamento dos dois processos permite a renovação e remodelação ósseas e é mantido a longo prazo por um complexo sistema de controle que inclui hormônios, fatores físicos e fatores humorais locais. 
Escola de Ciências da Saúde
ECS
 Uma série de condições como idade, doenças ósteo-metabólicas, mobilidade diminuída, ação de algumas drogas, etc., podem alterar este equilíbrio entre formação e reabsorção, levando ao predomínio de um sobre o outro. 
 Nutrientes presentes em menores quantidades nas dietas, os minerais são fundamentais para o funcionamento das rotas metabólicas. 
Escola de Ciências da Saúde
ECS
Metabolismo do Cálcio/Fósforo
Objetivo Principal do Organismo: Manutenção dos níveis SÉRICOS de Ca++ e Pi dentro de níveis restritos
Vitamina D
PTH
Escola de Ciências da Saúde
ECS
36
Pele: Pró vitamina D3\u21db (luz solar)\u21db \u21dbPré vitamina D3\u21db (fígado- 25hidroxilase)\u21db 25OHvitamina D3 (calcidiol)\u21db (rim -1\uf061hidroxilase) \u21db 1,25(OH)2Vitamina D3 (calcitriol)
Escola de Ciências da Saúde
ECS
37
\uf0adabsorção de Cálcio no duodeno e Fósforo no jejuno/íleo
Reabsorção de Cálcio e Fósforo
Reabsorção de Cálcio em túbulo distal e de fósforo em túbulo proximal
Escola de Ciências da Saúde
ECS
38
Principal regulador da 			secreção do PTH= próprio íon Ca
\uf0ad\uf0ad\uf0ad Ca++ sérico \uf0e8 ativa receptor-sensor do Ca++ \uf0e8 reduz síntese de PTH
\uf0af\uf0af\uf0af Ca++ sérico \uf0e8 dessensibiliza receptor-sensor do Ca++\uf0e8 aumenta síntese de PTH
O \uf0ad vitamina D \uf0af a secreção do PTH
Escola de Ciências da Saúde
ECS
39
Aumento da reabsorção de Ca++ e Pi (ação conjunta com a vitamina D)
 
Aumento da reabsorção de Ca++ e redução da reabsorção de Pi
Aumento da atividade da 1\uf061hidroxilase no rim 
\uf0ad Fosfato aumenta PTH por ação direta (na paratireóide) e indireta (pela redução da calcemia
Escola de Ciências da Saúde
ECS
40
41
Escola de Ciências da Saúde
ECS
42
Escola de Ciências da Saúde
ECS
Diuréticos (furosemida) \u2013 aumenta excreção renal;
Glicocorticóides \u2013 diminui absorção intestinal;
Bisfosfonados \u2013 diminuem reabsorção óssea;
Anticonvulsivantes (fenobarbital e hidantoína) \u2013 estimulam a metabolização e eliminação da vitamina D
Escola de Ciências da Saúde
ECS
43
OSTEOPOROSE
Definição Biomecânica
Distúrbio da diminuição da resistência óssea caracterizado pela baixa densidade óssea e anormalidade da microarquitetura óssea tendo como consequência a estrutura frágil da espinha, fêmur, pulso bem como em outros locais (sítios).
Escola de Ciências da Saúde
ECS
45
Escola de Ciências da Saúde
ECS
46
Escola de Ciências da Saúde
ECS
OSTEOPOROSE
Escola de Ciências da Saúde
ECS
Escola de Ciências da Saúde
ECS
OSTEOPOROSE
Fatores de risco mais importantes
Genéticos 
 Branca e mulher 
 Corpo pequeno 
 Histórico familiar 
 Menopausa 
Medicamentos 
 Corticoesteróide oral 
Escola de Ciências da Saúde
ECS
Doenças 
 Anorexia 
 Artrite reumatóide 
 Doenças da tireóide 
 Imobilização prolongada 
Nutrição / estilo de vida 
 Falta de cálcio e  vitamina D 
 Fumo 
 Excesso de álcool 
 Falta de exercício 
Escola de Ciências da Saúde
ECS
Conseqüências da Osteoporose 
 Fraturas vertebrais 
 Perda de peso 
 Dor aguda e crônica nas costas 
Modificações morfológicas 
 Cifose 
 Perda da linha de cintura 
 Abdômem saliente 
Escola de Ciências da Saúde
ECS
Modificações fisiológicas 
 Funções digestivas 
 Dificuldades respiratórias 
 Aumento da mortalidade 
 Fraturas não vertebrais (fêmur, braço, pulso) 
 Dor 
 Perda de independência 
 Complicações cirúrgicas 
 Internações/ imobilização 
 Aumento da mortalidade 
Escola de Ciências da Saúde
ECS
1. Osteoporose primária
Tipo I [Pós-menopausa]
Tipo II [Senil] \u2013 após 70 anos
2. Osteoporose secundária
Secundária a doenças ou Iatrogênicas [sistêmicas]
Pós imobilizações [Localizadas]
3. Osteoporose idiopática (de causa desconhecida)
Juvenil
Adulto
Escola de Ciências da Saúde
ECS
 Há também uma classificação de osteoporose segundo a OMS (Organização Mundial de Saúde), com relação à BMD (Bone Mineral Density) e DP (desvio padrão): 
 - Normal: Densidade mineral óssea (BMD) até 1DP abaixo da média para adultos jovens. 
 - Osteopenia (ossteo = osso/ penia = diminuição): Densidade mineral óssea entre 1 e 2,5 DP abaixo da média para adultos jovens.
 - Osteoporose (osteo=osso/ porose=poroso/frágil): Densidade mineral óssea menor e 2,5 DP abaixo da média para adultos jovens
54
Escola de Ciências da Saúde
ECS