A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
8 pág.
Cardio: hemodinâmica e microcirculação

Pré-visualização | Página 2 de 4

associada com uma diminuição no número de hemácias. A viscosidade do sangue e a resistência ao 
fluxo também diminuem. As anemias fisiológicas ocorrem quando o volume de sangue aumenta mais 
rapidamente do que a produção das hemácias, de forma semelhante ao que ocorre durante a gestação 
ou o treinamento físico. 
Policitemia – o aumento do número de hemácias aumenta a viscosidade do sangue e a resistência ao 
fluxo. Pessoas que vivem em altitudes elevadas apresentam uma policitemia fisiológica estimulada 
pelos níveis atmosféricos reduzidos de O2. A produção aumentada de hemácias auxilie a compensar a 
disponibilidade reduzida de O2. 
 
 
É na microcirculação que ocorre a principal função do sistema circulatório, o transporte de nutrientes 
para os tecidos e a remoção dos produtos da excreção celular. Cada tecido irá controlar seu fluxo 
sanguíneo de acordo com suas necessidades. 
As paredes dos capilares são formadas por células endoteliais muito permeáveis, fazendo que haja um 
rápido e fácil intercâmbio de água, nutrientes e excremento celulares entre os tecidos e o sangue 
circulante. 
• As arteríolas são vasos de resistência muito musculares e, por isso, podem alterar seu diâmetro. 
Dessa forma elas conseguem interferir no fluxo. 
A importância disso? A importância disso se dá pela necessidade, como quando há necessidade de 
muito nutrientes e ocorre a vasodilatação – aumento do raio, diminuição do fluxo e aumento da 
resistência. 
• As metarteríolas (arteríolas terminais) não têm revestimento muscular contínuo, as fibras 
musculares lisas circundam os vasos em pontos intermitentes. No ponto onde cada capilar se 
origina de uma metarteríola, uma fibra muscular lisa circunda o capilar e forma um esfíncter, que 
pode abrir e fechar a entrada do capilar. 
• As vênulas são maiores que as arteríolas e tem revestimento muscular muito mais fraco. Contudo, 
a pressão é muito menor que nas arteríolas e algumas podem se contrair apesar da musculatura 
fraca. 
• A estrutura da parede do capilar é composta por uma camada unicelular de células endoteliais, 
circundada pela membrana basal no lado externo do capilar. 
Todos os capilares são iguais? Não, os capilares do cérebro, por exemplo, são muito menores. Os do 
rim são chamados de fenestrados (apenas no glomérulo). 
 
 
 B i a n c a L o u v a i n F i s i o l o g i a I I I | 4 
 
Em paralelo à circulação sanguínea temos a circulação linfática. O que ficou excedido no 
interstício vai para a circulação linfática e não volta para o capilar ou para as vênulas. Isso 
ocorre sempre que há líquido excedido, mas principalmente com moléculas grandes. 
O sangue não flui de modo contínuo, isso ocorre por causa da vasomotilidade – contração intermitente 
das metarteríolas e dos esfíncteres pré-capilares – que impedem o fluxo de voltar. 
 
A passagem do nutriente se dá do meio de maior concentração para o menor concentração através de 
poros ou por endocitose – difusão. 
O soluto e a água movem-se através de cavéolas – vesículas plasmalêmicas que são invaginações da 
membrana plasmática que contém proteínas, açúcares e colesterol. Elas favorecem a endocitose. 
1. Difusão – é o principal processo de troca entre o plasma e o líquido intersticial. É dependente do 
fluxo de moléculas através do capilar, da permeabilidade do capilar, do tamanho da molécula, da 
área da membrana do capilar e da concentração do lado externo e interno. 
Dessa forma, a medida que o sangue flui ao longo do lúmen capilar, uma enorme quantidade de 
moléculas de água e de partículas dissolvidas se difunde para dentro e para fora, através do 
capilar. 
Substâncias lipossolúveis, como o oxigênio e o dióxido de carbono, conseguem se difundir 
diretamente através das membranas dos capilares, sem atravessar os poros. Moléculas 
hidrossolúveis e com alto peso molecular, como a água e proteínas, tem seu transporte através dos 
poros. 
O diâmetro das proteínas plasmáticas são maiores que a largura dos poros existentes nas 
membranas celulares. Outras substâncias como o sódio, cloreto, glicose e ureia, apresentam 
diâmetro intermediário e a permeabilidade irá variar de acordo com os diâmetros moleculares. 
A difusão de uma determinada substância é proporcional à sua diferença de concentração entre os 
dois lados da membrana. 
Ex: a concentração de oxigênio no sangue capilar é maior que no líquido intersticial (em condições 
normais), por isso, grande quantidade de oxigênio se move do sangue para os tecidos. O mesmo 
ocorre com o dióxido de carbono. 
2. Filtração 
3. Pinocitose 
 
O sangue tem que entrar nos vasos capilares sob pressão, para 
assegurar que tenha energia suficiente para passar pelos vasos 
capilares e veias e retornar ao coração, e é ainda essa pressão que 
também direciona o líquido para fora dos vasos. 
O espaço entre as células é chamado de interstício e o líquido 
existente nesse espaço é o líquido intersticial. Esse líquido é 
derivado da filtração e difusão pelos capilares. Contém 
praticamente os mesmos constituintes do plasmas, mas com menos 
proteínas porque não passam com facilidade pelos poros capilares. 
O interstício é formado por feixes de fibras de colágeno e 
filamentos proteoglicanos. 
O líquido tem que sair do interstício e ser drenado para o sistema 
linfático, caso contrário, forma edema. O aumento da distância do 
tecido para o capilar, como em um edema, limita a entrada de nutrientes para o tecido, mesmo que o 
fluxo seja constante. 
Retenção da água nos vasos sanguíneos: a principal força que retém a água na corrente sanguínea 
é um potencial oncótico gerado por proteínas que ficam presas na corrente sanguínea em função de seu 
tamanho. A albumina é a principal proteína plasmática (aproximadamente 80% do total de proteínas), 
embora as globulinas também sejam importantes. As proteínas auxiliam o sangue a reter a água por 
meio de efeitos osmóticos diretos. 
 
 
 B i a n c a L o u v a i n F i s i o l o g i a I I I | 5 
 
Retenção da água intersticial: o espaço entre os vasos sanguíneos e as células (o interstício) contém 
fibras colágenas que fornecem suporte estrutural aos tecidos, mas a maior parte do espaço é ocupada 
por uma densa rede de finos filamentos de proteoglicanos. O líquido que é filtrado da corrente 
sanguínea fica retido por esses filamentos, de forma semelhante à que retém a água nos filamentos de 
gelatina. O gel intersticial normalmente contém em torno de 25% da água corporal total, criando um 
inestimável reservatório de líquido que pode ser recrutado para reforçar o volume de sangue, quando 
necessário. 
 
O sangue perde muitos litros de líquido para o interstício em um dia típico, muito mais do que o gel de 
proteoglicanos possa absorver. É de responsabilidade do sistema linfático recuperar o excesso de 
líquido e retorná-lo à circulação, juntamente com outras proteínas que podem ter escapado dos vasos 
sanguíneos. 
Esse sistema faz a regulação do balanço hídrico para não formar edema, assegurando a homeostase. 
Tem como principal função a absorção de nutrientes e defesa imunológica através dos linfonodos. 
Os vasos linfáticos contêm válvulas linfáticas que os auxiliam a manter um fluxo unidirecional, e as 
suas paredes contêm camadas de músculo liso que se contraem espontaneamente em resposta à 
crescente pressão interna de líquido. A contração força a linfa para adiante e simultaneamente cria 
uma pressão levemente negativa dentro dos capilares linfáticos, o que os faz sugarem o líquido e a 
proteína do interstício. Por fim, os vasos linfáticos drenam para o interior das veias subclávias direita 
e esquerda. 
As proteínas passam para o interstício e aumentam a pressão oncótica,