Hemorragias Digestivas
3 pág.

Hemorragias Digestivas


DisciplinaClínica Médica I6.122 materiais66.492 seguidores
Pré-visualização1 página
2017 [HEMORRAGIAS DIGESTIVAS] 
 
1 www.residenciamedica.com.br | Todos os direitos reservados ® 
 
HEMORRAGIAS DIGESTIVAS 
 
GENERALIDADES 
\uf0b7 Estabilização clínica 
o Nas primeiras 48h: avaliar diurese, não usar Ht. 
\uf0b7 Descobrir fonte e tratar 
o Alta ou baixa: ligamento de Treitz (anatômico). 
o HD alta (80%, mais grave): 
\uf0a7 Clínica: hematêmese / melena. 
\uf0a7 10 a 20% das hematoquezias são de origem alta. 
\uf0a7 Sonda nasogástrica: sangue. 
\uf0a7 Exame: EDA em 24h. 
o HD baixa (20%, menos grave): 
\uf0a7 Clínica: hematoquezia / enterorragia. 
\uf0a7 Sonda nasogástrica: liquido bilioso sem sangue. 
\uf0a7 Exame: colonoscopia. 
\uf0b7 Prevenir novos sangramentos 
o Medicação 
o Endoscopia 
o Cirurgia 
 
HEMORRAGIA DIGESTIVA ALTA 
 
1) ÚLCERA PÉPTICA 
\uf0b7 CLASSIFICAÇÃO DE FORREST 
o Classe I: risco muito alto. 
\uf0a7 A: arterial. 
\uf0a7 B: babando. 
o Classe II: 
\uf0a7 A: vaso visível - risco alto. 
\uf0a7 B: coágulo - risco médio. 
\uf0a7 C: hematina - risco baixo. 
o Classe III: base clara, risco baixo. 
\uf0b7 TERAPIA CLÍNICA E ENDOSCÓPICA 
o IBP / suspensão de AINE / trata-se H. pylori. 
o I-IIA/B: IBP IV + endoscopia (química / térmica / mecânica). 
o IIC-III-IV: apenas farmacológico. 
\uf0b7 TERAPIA CIRÚRGICA 
o Indicações: 
\uf0a7 Falha endoscópica: 02 tentativas. 
\uf0a7 Choque refratário > 6U de sangue, hemorragia recorrente. 
\uf0a7 Hemorragia continua > 3U/dia 
o Cirurgia: 
2017 [HEMORRAGIAS DIGESTIVAS] 
 
2 www.residenciamedica.com.br | Todos os direitos reservados ® 
 
\uf0a7 Pilorotomia + ulcerorrafia + vagotomia troncular + piloroplastia de Heineke-
Mikulicz 
2) VARIZES ESOFAGOGÁSTRICAS 
\uf0b7 Pressão portal > 12 mmHg 
\uf0b7 Reprodução cautelosa de volume 
\uf0b7 Drogas: terlipressina, octreotide. 
\uf0b7 EDA: ligadura elástica ou escleroterapia. 
\uf0b7 Profilaxia: betabloqueador + ligadura + ATB por 07 dias. 
3) LACERAÇÃO DE MALLORY-WEISS 
\uf0b7 Vômitos vigorosos causam lacerações na junção esofagogástrica. 
\uf0b7 90% são AUTOLIMITADOS. 
4) HEMOBILIA 
\uf0b7 Sangramento proveniente da via biliar, 
\uf0b7 Causas: trauma, cirurgia de via biliar, colangite. 
\uf0b7 Tríade de Sandblom: hemorragia + dor em hipocôndrio direito + icterícia. 
\uf0b7 Exame: arteriografia. 
5) ECTASIA VASCULAR GÁSTRICA 
\uf0b7 Estômago em melancia 
\uf0b7 Mulher, cirrótico. 
\uf0b7 Clínica: anemia ferropriva, perda paulatina de sangue. Tratamento: ferro. 
\uf0b7 Lesão de Dieulafoy: artéria dilatada na submucosa do estômago, pode sangrar em jato, 
mais comum em HOMENS. Tratamento: EDA. 
 
 
HEMORRAGIA DIGESTIVA BAIXA 
\uf0b7 Hematoquezia = HD baixa PROVÁVEL (10-20% origem alta) 
\uf0b7 Excluir doença anorretal em jovens, sem fatores de risco. 
\uf0b7 Excluir HD alta. 
\uf0b7 Causas: 
o Divertículo: Meckel em crianças e adolescentes. 
o Displasia: principal causa de sangramento oculto (delgado). 
o Câncer 
\uf0b7 Exame: colonoscopia diagnóstica ou cintilografia com hemáceas marcadas. 
\uf0b7 Tratamento: colonoscopia terapêutica ou arteriografia. 
o Refratário = colectomia total / subtotal. 
 
DOENÇAS ANORRETAIS 
2017 [HEMORRAGIAS DIGESTIVAS] 
 
3 www.residenciamedica.com.br | Todos os direitos reservados ® 
 
\uf0b7 Avaliação da região anal: posição de Sims, genupeitoral e litotomia modificada. 
\uf0b7 Retossigmoidoscopia e anuscopia. 
\uf0b7 Causas: 
o Hemorroidas: 
\uf0a7 Clínica: sangramento INDOLOR e prurido. 
\uf0a7 Internas: acima da linha pectínea. 
\uf0a7 Grau 1: sem prolapso 
\uf0a7 Dieta e higiene local 
\uf0a7 Grau 2: redução espontânea. 
\uf0a7 Ligadura elástica 
\uf0a7 Escleroterapia / fotocoagulação 
\uf0a7 Grau 3: redução digital. 
\uf0a7 Idem Grau 2. 
\uf0a7 Grau 4: sem redução. 
\uf0a7 Hemorroidectomia. 
\uf0a7 Externas: abaixo da linha pectínea. 
\uf0a7 Dieta e higiene local 
\uf0a7 Excisão se trombose < 72h 
o Fissura anal: 
\uf0a7 Clínica: sangramento DOLOROSO à evacuação. 
\uf0a7 Local das fissuras: linha média posterior. Fora da linha média, tem 
causa secundaria (Doença de Crohn). 
\uf0a7 Agudas: 
\uf0a7 Dieta / higiene / analgesia / corticoide. 
\uf0a7 Crônicas (>3-6 sem): 
\uf0a7 Fissura -> hipertonia -> menor vascularização -> fissura 
\uf0a7 Relaxante esfincteriano: nitrato, bloqueador do canal de cálcio. 
\uf0a7 Esfincterotomia interna lateral em casos refratários. 
o Abscesso: 
\uf0a7 Clínica: dor perianal + febre. 
\uf0a7 Complicação de pacientes idosos, diabéticos, imunodeprimidos => pode 
complicar. 
\uf0a7 Avaliação de urgência e drenagem de urgência. 
\uf0a7 Complicação: fistula anal (+ comum interesfinctérica). 
\uf0a7 Regra de Goodsall-Salmon