terceirização
9 pág.

terceirização


DisciplinaDireito do Trabalho I27.315 materiais481.602 seguidores
Pré-visualização3 páginas
UNIVERSIDADE COMUNITÁRIA DA REGIÃO DE CHAPECÓ - UNOCHAPECÓ
COMPONENTE CURRICULAR: DIREITOS DO TRABALHO I
PROFESSOR: ALESSANDRO LANGLOIS MASSARO
 
 
 
 
 
 
TERCEIRIZAÇÃO LÍCITA E ILÍCITA - CARACTERIZAÇÃO E INTERPRETAÇÃO JURISPRUDENCIAL 
 
 
 
 
 
Beatriz Eduarda de Quadros, Fernando Batu, Joice Eduarda Gracelli, Joicemar Da Silva glanert, Maria Isabel Bertozzo, Simone Ribeiro.
Chapecó-SC 29/05/2019
1. INTRODUÇÃO:
O capitalismo é um sistema econômico que visa ao lucro e à acumulação das riquezas e está baseado na propriedade privada dos meios de produção. Os meios de produção podem ser máquinas, terras, instalações industriais e principalmente mão de obra de pessoas dispostas a trocar o trabalho, por remuneração financeira.
Atualmente, no sistema capitalista em sua fase mais avançada de competição e produção, a prática da terceirização difundiu-se amplamente em todo o mundo, pois trata-se de uma forma menos perigosa de adesão de trabalho. 
Sabe-se que no Brasil, cerca de 25% da mão de obra empregada atualmente é terceirizada, sendo de certa forma uma vantagem para o empregador, pois grande parte das etapas burocráticas de vinculação do empregado, seriam transferidas para outra empresa responsável. Não obstante estas benesses, os custos de manutenção se tornam menores. A seguir, serão expostos conceitos e definições latentes acerca da terceirização.
 
2. CONCEITO DE TERCEIRIZAÇÃO LÍCITA: 
A terceirização lícita ocorre quando uma empresa intermediadora fornece mão-de-obra à outra empresa, sem que esta precise contratar diretamente os trabalhadores. 
A terceirização se limitava para não desvirtuar os contratos, impedido as fraudes porém com o art 4 da lei 13.467/17, nao a mais especificação em determinadas atividade sendo qualquer que seja a atividades, inclusive atividade principal. in verbis: 
 \u201cArt. 4o-A. Considera-se prestação de serviços a terceiros a transferência feita pela contratante da execução de quaisquer de suas atividades, inclusive sua atividade principal, à pessoa jurídica de direito privado prestadora de serviços que possua capacidade econômica compatível com a sua execução.\u201d
A consequência é que o empregado que for contratado por empresa terceirizada, e não se encaixar nas possibilidades de terceirização que existia não será mais reconhecido o vínculo empregatício diretamente com a empresa à qual trabalhou.
No art. 444 da CLT estão expostas as relações contratuais de trabalho como sendo livres desde que não contravenha às normas do direito do trabalho. Este artigo estabelece o princípio da autonomia da vontade, sendo que os indivíduos podem requerer mediante declaração de vontade, tanto unilateral quanto concurso de vontades. A aplicação deste princípio diferente da aplicação no Direito Civil, tem caráter subsidiário de complemento, uma vez que a autonomia da vontade existe para conceder benefícios além do que dispõe a lei, e jamais para retirá-los.
A Lei n° 8.036/90, sobre Fundo de Garantia do Tempo de Serviço, reconhece os fornecedores de mão-de-obra como responsáveis pelos depósitos das verbas relativas em conta vinculadas. Por sua vez, o Inciso 2° do mesmo artigo reconhece aos trabalhadores de prestadora de serviços o direito ao regime do sistema, concedendo o direito de haver as verbas do tomador.
Alguns pontos importantes da Súmula nº 331 do TST:
CONTRATO DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS. LEGALIDADE (nova redação do item IV e inseridos os itens V e VI à redação) - Res. 174/2011, DEJT divulgado em 27, 30 e 31.05.2011, 
III - Não forma vínculo de emprego com o tomador a contratação de serviços de vigilância (Lei nº 7.102, de 20.06.1983) e de conservação e limpeza, bem como a de serviços especializados ligados à atividade-meio do tomador, desde que inexistente a pessoalidade e a subordinação direta. 
 
IV - O inadimplemento das obrigações trabalhistas, por parte do empregador, implica a responsabilidade subsidiária do tomador dos serviços quanto àquelas obrigações, desde que haja participado da relação processual e conste também do título executivo judicial.
 
VI \u2013 A responsabilidade subsidiária do tomador de serviços abrange todas as verbas decorrentes da condenação referentes ao período da prestação laboral.
3. JURISPRUDÊNCIAS EM RELAÇÃO A TERCEIRIZAÇÃO LÍCITA:
 	O requisito para terceirização lícita que exige a ausência de pessoalidade e de subordinação, pois a empresa contratante (tomadora) contrata os serviços, e não a pessoa. 
 Caso fique demonstrada a subordinação ou pessoalidade existente entre terceirizado e empresa contratante (tomadora de serviços), a terceirização será ilegal e consequentemente declarado vínculo direto entre contratante e terceirizado.
Um dos aspectos críticos da terceirização de trabalho é o baixo salário pago pelas empresas que são terceirizadas, uma vez que com esse serviço, tendo como produto as pessoas, é na redução do salário de seus empregados que irão obter lucros.
1º JURISPRUDÊNCIA - TERCEIRIZAÇÃO LÍCITA:
AGRAVO DE INSTRUMENTO DA SEGUNDA RECLAMADA. TERCEIRIZAÇÃO LÍCITA. VÍNCULO DE EMPREGO. TOMADOR DOS SERVIÇOS. PROVIMENTO. Ante possível contrariedade à Súmula 331, I, o provimento do agravo de instrumento para o exame do recurso de revista é medida que se impõe. Agravo de instrumento a que se dá provimento. RECURSO DE REVISTA DA SEGUNDA RECLAMADA. TERCEIRIZAÇÃO LÍCITA. VÍNCULO DE EMPREGO. TOMADOR DOS SERVIÇOS. PROVIMENTO. A aferição da licitude da terceirização no âmbito desta Corte Superior demandava prévia análise do objeto da contratação. Isso porque sempre se entendeu pela impossibilidade da terceirização de serviços ligados à atividade precípua da tomadora de serviços, com o fim de evitar a arregimentação de empregados por meio da intermediação de mão de obra e, por consequência, a precarização de direitos trabalhistas (Súmula nº 331, itens I e III). A questão, contudo, foi submetida à apreciação do Supremo Tribunal Federal na ADPF 324 e no RE 958.252, em repercussão geral, os quais foram julgados conjuntamente em 30.8.2018, ocasião em que foi fixada a seguinte tese jurídica: "É lícita a terceirização ou qualquer outra forma de divisão do trabalho entre pessoas jurídicas distintas, independentemente do objeto social das empresas envolvidas, mantida a responsabilidade subsidiária da empresa contratante." Desse modo, a partir dessa data, em razão da natureza vinculante das decisões proferidas pelo excelso Supremo Tribunal Federal nos aludidos feitos, deve ser reconhecida a licitude das terceirizações em qualquer atividade empresarial, de modo que a empresa tomadora apenas poderá ser responsabilizada subsidiariamente. (Processo: RR 73-14.2017.5.06.0121. Órgão Julgador: 4ª Turma. Julgamento: 18 de Dezembro de 2018. Relator: Guilherme Augusto Caputo Bastos). Grifo Nosso
2º JURISPRUDÊNCIA - TERCEIRIZAÇÃO LÍCITA:	
AGRAVO INTERNO EM EMBARGOS EM RECURSO DE REVISTA - C&A MODAS LTDA. TERCEIRIZAÇÃO LÍCITA. OPERAÇÃO DE CARTÃO DE CRÉDITO. DIVERGÊNCIA JURISPRUDENCIAL. ARESTO INESPECÍFICO. Correta a invocação da Súmula 296, I, do TST porque não se revela específico o aresto paradigma que não emite qualquer tese jurídica de mérito, limitando-se a invocar o óbice da Súmula 126 do TST, porquanto "os trechos do acórdão recorrido, transcritos no recurso de revista, não delimitam quais as atividades exercidas pela reclamante nem qual tipo de contrato foi firmado entre os reclamados". No acórdão embargado, contudo, partiu-se da premissa fática diametralmente oposta, qual seja, a de que houve o expresso registro das atividades exercidas pela "empregada contratada por conhecida loja de departamento (C & A) que desempenhava atividades de venda de produtos do banco reclamado, realizando operações de crédito de financiamento de veículos, crédito pessoal, inclusive com utilização do sistema do próprio banco reclamado". Agravo interno a que se nega provimento.
	Observa-se contudo que não houve contrariedade à Súmula 126 do TST, que adviria da desconsideração pela Turma de que o Tribunal Regional