A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
3 pág.
REVOLUÇÃO AMERICANA (enem/vestib./ens.medio)

Pré-visualização | Página 1 de 1

REVOLUÇÃO AMERICANA 
Século 17: 1620 
 
Jaime 1 começa a perseguir os puritanos (burguesia 
calvinista inglesa). Essa burguesia começa a financiar 
sua fuga da Inglaterra montando companhias 
comerciais privadas para irem para o nordeste dos 
Estados Unidos (região de Plymouth). Obs: já havia 
parte dos EUA ocupado pelos ingleses, como por 
exemplo, na Virginia por Elizabeth 1, lá havia colônia de 
exploração com plantation, latifúndios, monocultores e 
mão de obra escrava - dependentes da metrópole - 
colônia de exploração. 
Já em Plymouth, os puritanos fundam uma colônia de 
povoamento, pois adotam o lugar como uma nova 
Inglaterra, onde teriam economia, política e sociedade 
autônoma em relação a Inglaterra - independente da 
colônia. 
 
 
Devido ao calvinismo e a predestinação (tudo que 
acontece na vida é predestinado por Deus), os puritanos 
tem uma justificativa religiosa da posse da américa. Os 
puritanos desconsideram a presença dos nativos, 
alegando que a América foi dada a eles por Deus, e devia 
pertencer aos WASP (brancos, anglo-saxões, 
protestantes) - justificativas religiosas e raciais para 
posse da terra (bases para a doutrina Monroe no sec. 19 
- américa para os wasp). 
 
A Inglaterra adota uma postura de "negligencia salutar" 
(deixam colonizar as 13 colônias). No entanto, no século 
17, as 13 colônias começam a ganhar grande força 
econômica e autonomia, até mesmo com industrias, 
incomodando a Inglaterra. Além disso, as 13 colônias 
faziam comercio com o Caribe e África (comercio 
triangular) até mesmo concorrendo em produtos 
manufaturados com a Inglaterra. Houve também a 
guerra dos 7 anos: guerra entre França e Inglaterra na 
Índia e no Canada - vencida pela Inglaterra. A Inglaterra 
da treinamento militar para alguns colonos lutarem 
contra a França. Como a Inglaterra gastou muito para a 
guerra precisou de dinheiro através de impostos. 
 
A fim de também podar a autonomia das 13 colônias a 
Inglaterra adota um "arrocho colonial" em que cobrará 
impostos da colônia (1764). Os colonos britânicos, 
inspirados pelas ideias de John Locke, não aceitavam 
pagar impostos sem representação no parlamento 
britânico. 
 
Parte desse arrocho foi a "lei do açúcar" em que era 
proibido o comercio triangular e a "lei do selo" censura 
de livros com ideias iluministas. Os colonos não aceitam 
e decidem boicotar economicamente a Inglaterra não 
fazendo mais comercio com esta. Assim, os colonos 
obtiveram a revogação da lei do selo. 
No entanto, houve mais uma avalanche de impostos 
ingleses. Os colonos, no entanto, não aceitaram esses 
impostos e se prepararam com armas no Massacre de 
Boston, nisso, a Inglaterra mandou um grande 
contingente de soldados havendo o massacre (vitória 
inglesa). 
 
Com medo de uma guerra civil, os ingleses suspendem 
os impostos (menos a lei do chá). Os colonos 
compravam chá da Holanda, e os ingleses queriam que 
os colonos comprassem deles (lei do chá), em Boston 
houve uma manifestação contra essa lei, um grupo de 
colonos joga o chá no mar - Boston Tea Party. 
 
Os ingleses não aceitam e responde com um conjunto 
de "leis intoleráveis" (leis coercitivas), leis que 
limitariam muito a autonomia da colônia. Os colonos 
não aceitaram e romperam o comercio com a Britânia. 
As 13 colônias se uniram e proclamaram no dia 
04/07/1776 a sua independência. A Inglaterra não 
aceita e houve a guerra de independência que só foi 
favorecida graças ao apoio da Espanha e da França aos 
colonos em troca se terra. Em 1781 a Inglaterra 
reconhece a derrota. 
 
1787: Constituição americana. 
 
Decisões sobre o destino das 13 colônias. Os Estados são 
livres para criar suas leis, desde que não rompam com a 
constituição (pautada em Locke, Rousseau e 
Montesquieu). Obs: Não aboliram a escravidão, pois na 
época precisavam do sul (latifundiário, monocultor) 
para lutar com eles contra a Inglaterra.