03 - AGRAVO DE INSTRUMENTO - INDEFERIMENTO DA JUSTIÇA GRATUITA
13 pág.

03 - AGRAVO DE INSTRUMENTO - INDEFERIMENTO DA JUSTIÇA GRATUITA


DisciplinaDireito Constitucional I57.722 materiais1.412.498 seguidores
Pré-visualização3 páginas
EXCELENTÍSSIMO SENHOR DOUTOR DESEMBARGADOR PRESIDENTE DO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DE XXXXXXXX
--
FULANO DE TAL, nacionalidade, estado civil, profissão, portador da cédula de identidade civil RG n° 111111111111, SSP/XX, e inscrito no CPF/MF sob o n° 123.123.123-12, residente e domiciliado na Rua São João, 123, Bairro João de Deus, no município de São João, Estado de João Pessoa, CEP. 12345-678, por seu advogado abaixo subscrito, conforme instrumento de procuração anexo (doc. 01), vem, respeitosamente, à presença de Vossa Excelência, nos termos do artigo 1015, IV e seguintes do CPC/2015, interpor o presente
AGRAVO DE INSTRUMENTO COM PEDIDO DE EFEITO ATIVO
contra a r. decisão interlocutória proferida pelo r. Juízo da XXª Vara Cível do Foro Central da Comarca de XXXXX - XX, que indeferiu o pedido de Assistência Judiciária Gratuita a(o) ora Agravante, nos autos da LIQUIDAÇÃO DE SENTENÇA, Processo nº XXXXXXX-XX.XXXX.X.XX.XXXX, em que são Requeridos YMPACTUS COMERCIAL LTDA. ME., (TELEXFREE), pessoa jurídica de direito privado, inscrita no CNPJ/MF nº 11.669.325/0001-88, representada por seus sócios CARLOS NATANIEL WANZELER, brasileiro, casado, empresário, portador da cédula de identidade RG nº 906.999- SSP/ES, inscrito no CPF/MF nº 003.287.887-75; CARLOS ROBERTO COSTA, brasileiro, solteiro, empresário, portador da cédula de identidade RG nº M3051121/MG, inscrito no CPF/MF nº 997.944.207-78; e JAMES MATTHEW MERRILL, americano, casado, empresário, portador do passaporte nº 447424047, inscrito no CPF/MF nº 703.167.791-21, todos com endereço sede na Avenida Nossa Senhora dos Navegantes, nº 451, Edifício Petro Tower, 20 andar, sala 2002-2003, Enseada do Suá, CEP. 29050-916, Vitoria/ES, pelas razões que acompanham a presente peça de interposição.
Com fulcro no artigo 1017, I e II do CPC/2015, esclarece que junta as peças obrigatórias para instruir o presente recurso, quais sejam: Petição Inicial, r. Despacho, RG, CPF, Procuração, Declaração de Pobreza, IRRF de 2013, 2014 e 2015, holerites (juntar comprovantes de renda), r. Despacho Agravado, Certidão de Publicação da Decisão.
Em cumprimento ao artigo 1018 do CPC/2015, informa que juntará, oportunamente, cópia do presente recurso ao processo de origem. Esclarece, por fim, que deixa de realizar o devido preparo, pois o motivo do presente recurso é discutir o direito da Assistência Judiciária Gratuita.
Atesta a tempestividade do presente recurso, tendo a r. decisão agravada sido publicada, pelo Diário Oficial, em XX/XX/XXXX, com início do prazo em XX/XX/XXXX e término em XX/XX/XXXX.
Informa, por fim, que os Agravados não foram citados para a demanda principal, motivo pelo qual requer, após apreciação do pedido liminar para concessão do efeito ativo, citem-se os Agravados para apresentar contrarrazões ao presente recurso.
Nestes termos,
Pede deferimento.
Local e data.
NOME ADVOGADO
OAB/XX Nº XXXXX
RAZÕES RECURSAIS
AGRAVANTE: 	FULANO DE TAL
AGRAVADOS: 	YMPACTUS COMERCIAL LTDA. ME., (TELEXFREE), CARLOS NATANIEL WANZELER, CARLOS ROBERTO COSTA e JAMES MATTHEWMERRILL.
ADVOGADO(S): 	Os Agravados não foram citados nos autos, razão pela qual não possuem advogados constituídos.
AUTOS Nº: 		XXXXXXX-XX.XXXX.X.XX.XXXX
ORIGEM: 		Xª Vara Cível do Foro Central Comarca de XXXXX - XX
Egrégio Tribunal,
Colenda Câmara,
Nobres julgadores!
DAS RAZÕES DO INCONFORMISMO
O(a) Agravante propôs AÇÃO DE LIQUIDAÇÃO DE SENTENÇA em desfavor dos Agravados, requerendo, dentre outros pedidos, a concessão do benefício de Justiça Gratuita, tendo em vista não ter condições financeiras de arcar com as despesas processuais.
Declarou expressamente que \u201cnão pode suportar as despesas processuais decorrentes da demanda sem prejuízo do próprio sustento e de minha família, sendo, pois, para fins do benefício da gratuidade de Justiça, nos termos da Lei 1.060/50, pobre no sentido legal da acepção\u201d nos termos da declaração de hipossuficiência que foi devidamente assinada e juntada aos autos.
Os autos foram distribuídos e conclusos ao Juízo daquela Vara, que assim despachou:
COLACIONAR AQUI TRECHO DO INDEFERIMENTO DA JUSTIÇA GRATUITA
\u201cNon non non non non non non non non non non non non non non non non non non non non non non non non non non non non non non non non non non non non non non non non non non non non non\u201d
Ora, Renomados Julgadores, em razão da referida decisão, não fora dado a(o) Agravante sequer a oportunidade da juntada de documentos que ratifiquem sua insuficiência de recursos.
Em que pese o costumeiro brilhantismo do D. Magistrado, a decisão merece ser reformada, haja vista que para a concessão do benefício da Assistência Judiciária Gratuita é prescindível a comprovação liminar da hipossuficiência jurídica do requerente, pois, a simples afirmação da parte no sentido de que não está em condições de pagar as custas do processo e os honorários de advogado, sem prejuízo próprio ou da família, é suficiente para o deferimento (art. 4º da Lei nº 1.060/50).
Como bem pontua Cândido Rangel Dinamarco, \u201ca oferta constitucional de assistência jurídica integral e gratuita (art. 5º, inciso LXXIV) há de ser cumprida, seja quanto ao juízo cível como ao criminal, de modo que ninguém fique privado de ser convenientemente ouvido pelo juiz, por falta de recursos\u201d (CINTRA, Antonio Carlos de Araújo; GRINOVER, Ada Pellegrini; DINAMARCO, Cândido Rangel. Teoria Geral do Processo. 22º Ed. Editora Malheiros. p. 40).
Ainda inicialmente, cabe aqui frisar que o artigo 4º, da Lei 1060/50 dispõe que \u201ca parte gozará dos benefícios da assistência judiciária mediante simples afirmação, na própria petição inicial, no sentido de que não está em condições de pagar as custas do processo e os honorários do advogado, sem prejuízo próprio e de sua família\u201d, prevendo ainda a mesma lei punição para aqueles que efetuem o requerimento indevidamente.
Desse modo, conforme se verifica às fls. destes, o(a) Agravante acostou aos autos declaração de pobreza, devidamente firmada nos termos da lei supra mencionada, daí porque, desde já, verifica-se que todos os requisitos para que ao mesmo pudesse ser deferido os benefícios a assistência gratuita encontram-se nos autos.
Diante disso, um dos fundamentos inseridos no r. despacho ora agravado, qual seja: \u201cCOLAR AQUI TRECHO DO DESPACHO QUE MOTIVA O INDEFERIMENTO\u201d, e que portanto possui remuneração que ultrapassa de XX (xxxxx) salários mínimos (ou XX valor \u2013 depende dos requisitos do TJ do seu Estado) e não necessita dos benefícios da justiça gratuita, não merece prevalecer.
E mais, Nobres Julgadores, o respeitável juízo daquela vara, equivoca-se profundamente quando, em parte de seu despacho, menciona condições genéricas do Agravante, ou seja, o valor apurado mensalmente pelo Agravante e, não traz revelações do que é utilizado para manter gastos cotidianos de sua família, tais como alimentação, saúde, vestuário, moradia e ainda, despesas com água, luz e etc.
Como é notória a compreensão, o salário acima apurado (de um profissional de xxxxxx), mal dá para suprir suas necessidades, sendo assim, inconcebível negar ao agravante os benefícios da justiça gratuita.
EXCELÊNCIAS!
O PEDIDO DE JUSTIÇA GRATUITA É LEGAL, LEGÍTIMO, ATUAL, RAZOÁVEL, CONSISTENTE, PERTINENTE E TRANSPARENTE E MORAL.
Desse modo, conforme se verifica às fls. destes, o Agravante acostou aos autos declaração de pobreza, devidamente firmada nos termos da lei supramencionada, daí porque, desde já, verifica-se que todos os requisitos para que ao mesmo pudesse ser deferido os benefícios da Justiça Gratuita encontram-se nos autos.
Questiona o MM. Magistrado, em seu respeitável despacho, o salário do(a) Agravante, o que merece relevante justificativa.
O(a) Agravante demonstra claramente, em seus demonstrativos de pagamento o quanto percebe, porém, não demonstra o quanto tem de despesas, ou seja, possivelmente o Nobre Juiz a quo, imagina que o valor demonstrado é única e exclusivamente para custeio de processos judiciais os quais o agravante não deu causa, e que o autor