A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
15 pág.
TCC DESENVOLVIMENTO

Pré-visualização | Página 4 de 4

pedagógicos.
 De acordo com Piaget (2003), o caráter educativo do brincar é visto como uma atividade formativa, que pressupõe o desenvolvimento integral do sujeito quer seja, na sua capacidade física, intelectual e moral, como também a constituição da individualidade, a formação do caráter e da personalidade de cada um. Enquanto que na fase dirigida há a presença das brincadeiras como atividades cujo objetivo específico é o de promover a aprendizagem de um determinado conceito, ou seja, além de serem marcados pela intencionalidade do educador.
 Com base nos estudos de Vygotsky (1991), observa-se que ele considera o ato da brincadeira extremamente importante para o desenvolvimento da criança. Dessa forma, as crianças se relacionam de várias maneiras com significados e valores, pois, nas brincadeiras elas resinificam o que vivem e sentem. Portanto, sabe-se que a brincadeira faz parte e sentido na vida das crianças. Dessa forma, as crianças reproduzem várias situações concretas de adultos. Diante disso, o educador deve utilizar as brincadeiras como ferramenta em suas aulas para facilitar o aprendizado. Diante desse quadro, é bom que o educador dê espaço para as brincadeiras lúdicas, pois elas auxiliarão no aprendizado das crianças. 
 Pode-se observar que as brincadeiras não são apenas recreações, é mais do que isso, é uma das formas de comunicação e interação da criança, consigo mesma, com as outras e com o mundo. Um dos papéis fundamentais dos adultos é o de estimular a criança com músicas, sons de objetos, animais e mostrando elementos com cores. O ato de se brincar com a criança favorece a descoberta e com o passar do tempo vai evoluindo conforme o interesse da criança e o valor que o objeto lhe interesse.
 	
2.6 OBSERVAÇÃO E PESQUISA
As observações e pesquisas foram anotadas em uma agenda para que na transcrição não perdesse nenhum detalhe importante, assim coletando maiores e melhores resultados. Foi realizada investigação com a professora de uma turma de Educação Infantil, que conta na sala de aula pesquisada com um número de 10 alunos, cujas crianças apresentavam idades entre 04 e 05 anos, sendo uma escola da rede privada da cidade de Timóteo. A coordenadora da instituição é formada em Pedagogia, atua com Educação Infantil há alguns anos corridos desde a graduação. Foi regente de sala e há três anos passou a coordenar a Educação Infantil da Escola. A escolha por entrevistar a professora e a coordenadora se justifica, pois, por seu o espaço da pesquisa uma escola da rede privada, este estudo teve de limitar o número de pessoas entrevistadas. Já a professora regente, tem formação em Pedagogia e atua na Educação Infantil.
 A partir das perspectivas proposta pude realizar grandes descobertas para enriquecer este trabalho. Ficando atenta às conversas das crianças nos diferentes momentos, enquanto brincavam, tomavam lanche, etc. Observei os saberes que adquiriram relacionados a um fazer (falar, ouvir, esperar a vez, perguntar entre outras). Nas pesquisas observei que os autores retratam a realidade que vivenciamos no dia a dia nas escolas. Nas pesquisas feitas entendi que cada um tem seu modo de ver as coisas, mas que todos os pesquisadores chegam a conclusão que brincar faz parte do maior aprendizado de uma criança.
3 METODOLOGIA
Este é um estudo sobre: Jogos e Brincadeiras na Educação Infantil. A pesquisa foi realizada por meio de leituras, a partir de livros, sites, artigos e fontes eletrônicas que tratam sobre o tema pesquisado.
 Analisar as ideias de alguns pensadores e filósofos sobre o tema Jogos e Brincadeiras na Educação Infantil e levando em conta a importância dos Jogos e Brincadeiras para o desenvolvimento das crianças, nessa fase da vida.
REFERÊNCIAS
AZEVEDO, Heloísa Helena; SILVA, Lucia Isabel da C. Concepção de Infância e o Significado da Educação infantil. Espaços da escola. Unijuí, n.34, ano 9. Out/Dez, 1999. p.33-40.
BOGDAN, R. C.; BIKLEN, S. K. Investigação qualitativa em Educação – Uma introdução à teoria e aos métodos. Porto: Porto Editora, 1999, p. 41–51.
BRASIL. Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional. Lei nº. 9394/96 de 20 de dezembro de 1996. Estabelece as diretrizes e bases da educação nacional. Diário Oficial da União, Brasília, DF.
BRASIL. Referencial Nacional para a Educação Infantil. Ministério da Educação e do Desporto, Secretaria de Educação Fundamental. Brasília: MEC/SEF, 1998, vol. 1-3.
BROUGÈRE, G. Jogo e Educação. Porto Alegre: Artes Médicas, 2002.
FORTUNA, T. R. Jogo em aula: recurso permite repensar as relações de ensino aprendizagem. Revista do Professor, Porto Alegre, v. 19, n. 75, p. 15-19, jul./set. 2003.
HUIZINGA, J. Homo Ludens: o jogo como elemento da cultura. 5ª ed. 2ª. Reimpressão. São Paulo: Perspectiva, 2001.
KISHIMOTO, TizukoMorchida (Org.) Jogo, brinquedo, brincadeira e a educação. 3ª Ed. São Paulo: Cortez 1998. 
______. Jogo, brinquedo, brincadeira e a educação. São Paulo: Cortês, 1999. 
______. (Org.). O brincar e suas teorias. São Paulo: Pioneira, 2002. 
______. (Org.). Jogo, brinquedo, brincadeira e a educação. 7ª Ed. São Paulo: Cortez, 2003.
KRAMER, Sonia. A política do pré-escolar no Brasil: a arte do disfarce. Rio de Janeiro: Achiamé, 1992.
PIAGET, Jean. A formação do símbolo na criança. 3ªed. Rio de Janeiro: ed. Zahar, 1973.
PIAGET, J. A formação do símbolo: imitação, jogo e sonho, imagem e representação. 3. ed. Rio de Janeiro: Zahar, 1998.
_____. A construção do real na criança. 3ª ed. 5ª reimpressão. São Paulo: Ática 
2003.
PIAGET, J. O juízo moral na criança. 3. ed. São Paulo: Summus, 1999. (ed. orig. 1932).
VELASCO, Calcida Gonsalves, Brincar: o despertar psicomotor, Rio de Janeiro: Sprit, 1996.
VYGOTSKY, L.S. A formação social da mente. São Paulo: Martins Fontes 1991.