Cronologia do Brasil na Segunda Guerra
6 pág.

Cronologia do Brasil na Segunda Guerra


DisciplinaCacd69 materiais126 seguidores
Pré-visualização3 páginas
Cronologia do Brasil durante a Segunda 
Guerra Mundial 
1939 
\u2022 2 de setembro: O Governo brasileiro declara sua neutralidade em relação 
ao conflito. 
1940 
\u2022 11 de junho: O Brasil, neutro, encarrega-se dos interesses italianos na Grã-
Bretanha e colônias. 
\u2022 11 de outubro: Os britânicos apreendem no porto de Gibraltar o navio mercante 
brasileiro Siqueira Campos, sob o pretexto de ter a bordo, não coberto por 
certificado de navegação, mercadorias de procedência alemã. 
\u2022 27 de novembro: Autoridades navais britânicas retiram de bordo do navio 
mercante brasileiro Buarque, alegando tratar-se de contrabando de guerra, 38 
caixas e 32 fardos. 
\u2022 1 de dezembro: Navio mercante britânico armado (cruzador auxiliar) detém o navio 
mercante brasileiro Itapé e retira de bordo 22 passageiros de nacionalidade alemã. 
\u2022 3 de dezembro: O Governo brasileiro protesta contra o episódio do Itapé. 
\u2022 7 de dezembro: O Governo brasileiro protesta junto ao Governo britânico contra a 
apreensão do Buarque. 
\u2022 30 de dezembro: O Governo britânico libera o Buarque, pondo fim 
satisfatoriamente ao incidente. 
1941 
\u2022 18 de janeiro: O navio mercante francês Mendoza é capturado em águas da zona 
de segurança, em frente ao litoral brasileiro, por um cruzador auxiliar britânico. 
\u2022 20 de janeiro: As aviações da Marinha e do Exército são reunidas em um comando 
único, a nascente Força Aérea Brasileira (FAB), sob a égide do recém-
criado Ministério da Aeronáutica. 
\u2022 22 de janeiro: Protesto do Governo brasileiro contra a apreensão do Mendoza. 
\u2022 11 de março: O Presidente Roosevelt, dos Estados Unidos, aprova o Lend-Lease 
Act (Lei de Empréstimos e Arrendamento), instrumento pelo qual os Estados 
Unidos poderão fornecer ajuda econômica e Material aos países em guerra com 
a Alemanha. 
\u2022 22 de março: O navio mercante brasileiro Taubaté é atacado por um avião 
da Luftwaffe no Mediterrâneo.[1] O Brasil tem seu primeiro morto na guerra, o 
conferente do navio José Francisco Fraga. Outros 13 tripulantes ficam feridos. 
\u2022 13 de junho: Um submarino alemão para, a tiros de canhão, o navio mercante 
brasileiro Siqueira Campos, e só o libera após vistoriá-lo e fotografar documentos 
de bordo. 
\u2022 15 de junho: A Força Tarefa 3 (comandada pelo Contra-Almirante Jonas H. 
Ingram) começa a patrulhar as operações dos portos de Recife e Salvador; a 
Força consiste de quatro cruzadores levesclasse Omaha e cinco destróieres. 
\u2022 18 de agosto: O Presidente Roosevelt anuncia que os EUA estão transportando 
aviões de combate para o norte da África via Brasil. 
\u2022 24 de novembro: O Governo norte-americano anuncia a ocupação da Guiana 
Holandesa, através de um acordo com os Países Baixos e com o Brasil. 
\u2022 10 de dezembro: Catalinas do Esquadrão VP-52), suportados pelos tênders 
USS Greene (AVD-13) e USS Thrush (AVP-3), começam as patrulhas anti-
submarino no Atlântico Sul, desde Natal (RN), inaugurando assim as operações 
em águas brasileiras. 
1942 
\u2022 14 de janeiro: Começa no Rio de Janeiro, a Terceira Reunião de Consulta dos 
Chanceleres das Repúblicas Americanas, convocada para assegurar uma 
resolução unânime e garantida de que as Repúblicas Americanas romperiam 
relações com as potências do Eixo. 
\u2022 28 de janeiro: O Governo Brasileiro atende a resolução nº 15 da Segunda Reunião 
de Consulta dos Chanceleres das Repúblicas Americanas e rompe relações 
diplomáticas com os países do Eixo (Alemanha, Itália e Japão).[2] 
\u2022 16 de fevereiro: O navio mercante brasileiro Buarque é torpedeado e afundado 
pelo submarino alemão U-432 nas proximidades de Norfolk, nos Estados Unidos, 
matando um passageiro.[1][3][4] 
\u2022 18 de fevereiro: O navio a vapor Olinda é afundado a tiros de canhão 
pelo submarino alemão U-432 ao largo da costa do Estado de Virgínia, 
nos Estados Unidos.[1][3] 
\u2022 25 de fevereiro: O vapor Cabedello desaparece no Atlântico, com 54 tripulantes a 
bordo, provavelmente torpedeado pelo submarino italiano Da Vinci.[1] 
\u2022 7 de março: O navio mercante brasileiro Arabutan é torpedeado e afundado pelo 
submarino alemão U-155 ao largo da costa da Carolina do Norte, nos Estados 
Unidos. O enfermeiro de bordo morre.[1][3] 
\u2022 8 de março: O navio cargueiro e de passageiros Cayrú é torpedeado e afundado 
pelo submarino alemão U-94 a costa dos Estados Unidos, causando a morte de 53 
pessoas.[1][3] 
\u2022 11 de março: O presidente Getúlio Vargas decreta o confisco de bens de 
imigrantes alemães e italianos no país. 
\u2022 7 de abril: A primeira divisão da VP-83 chega a Natal (RN). 
\u2022 11 de abril: A primeira divisão da VP-83 inicia suas atividades de busca e patrulha 
no Atlântico Sul. 
\u2022 15 de abril: Instalado um destacamento do exército em Fernando de Noronha. 
\u2022 20 de abril: São descobertas no Rio de Janeiro as centrais 
de rádio da espionagem nazista. Elas estavam equipadas com modernos 
equipamentos alemães, e tinham a função de reportar o que estava acontecendo, 
bem como as posições dos navios em rota de abastecimento para 
o Norte da África. 
\u2022 1 de maio: Torpedeado e afundado o navio mercante brasileiro Parnahyba pelo 
submarino alemão U-162 próximo à ilha de Trinidad e Tobago.[1][3][4] 
\u2022 18 de maio: Torpedeado e canhoneado o navio mercante brasileiro Comandante 
Lira pelo submarino italiano Barbarigo ao largo de Natal.[1][3] O navio incendeia-se, 
porém não afunda, e é rebocado até Fortaleza. Primeiro ataque a um navio 
brasileiro em águas brasileiras. 
\u2022 22 de maio: Um B-25 Mitchell da FEB operando na Base Aérea de Fortaleza 
estava em patrulha próximo à costa onde o navio Comandante Lira havia sido 
torpedeado dias antes pelo submarino Barbarigo. Às 14:00, a tripulação do B-25, 
comandado pelos Capitães Parreiras Horta e Oswaldo Pamplona encontrou um 
submarino na superfície, que imediatamente começou a atirar no avião com 
metralhadoras. Como o Brasil era neutro, até então, as regras de combate só 
poderiam ser usadas se o inimigo atacasse primeiro. A tripulação do B-25 lançou 
cargas de profundidade que caíram próximo ao U-Boot, mas não o danificaram. A 
Comissão Mista de Defesa é instituída pelo Brasil e pelos Estados Unidos. 
\u2022 24 de maio: Torpedeado e afundado o navio mercante brasileiro Gonçalves 
Dias pelo submarino alemão U-502, ao sul do Haiti, no Mar das Caraíbas, matando 
seis tripulantes.[1][3] 
\u2022 1 de junho: O navio brasileiro Alegrete é torpedeado pelo submarino alemão U-
156 e afunda entre as ilhas de Santa Lúcia e São Vicente.[1][3][4] 
\u2022 5 de junho: Torpedeado o navio brasileiro Paracury pelo submarino alemão U-
159.[4] 
\u2022 26 de junho: O navio mercante brasileiro Pedrinhas é torpedeado e afundado pelo 
submarino alemão U-203 na costa de Porto Rico.[1][4] 
\u2022 26 de junho: O navio mercante brasileiro Tamandaré é torpedeado e afundado 
pelo submarino alemão U-66, causando a morte de quatro tripulantes.[1] 
\u2022 28 de julho: Os navios brasileiros Barbacena e Piave são torpedeados, com uma 
diferença de horas, pelo submarino alemão U-155 e afundam próximo a Port of 
Spain(Trinidad e Tobago), provocando sete mortes (seis no primeiro, e uma no 
segundo).[3][4] 
\u2022 15 de agosto: Inicia-se uma ofensiva naval do Eixo na costa brasileira, levada a 
cabo pelo submarino alemão U-507. 
\u2022 16 de agosto: Torpedeados os navios brasileiros Baependy e Araraquara pelo 
submarino alemão U-507, a apenas 20 milhas da costa de Sergipe. Morrem 270 
pessoas no primeiro e 131, no segundo.[3][4] 
\u2022 16 de agosto: Torpedeado o navio brasileiro Annibal Benévolo pelo submarino 
alemão U-507 a 7 milhas da costa de Sergipe. O ataque