Logo Passei Direto

A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
6 pág.
IPI - DIREITO TRIBUTARIO

Pré-visualização | Página 1 de 2

IPI – Imposto de Produtos Industrializados 
Esse é o primeiro tributo que vamos ver que quem paga somos nós, porque ele é indireto. Então, todo mundo vai colocando no preço e quem paga é a gente, inserido no produto final. É o primeiro dos indiretos que vamos ver que vem para o nosso bolso. 
Indireto é sempre quando vem arcar com o consumidor final. 
Regulamentação do IPI – Decreto n° 7.212/2010. 
CRITÉRIO MATERIAL (Fato gerador): 
Industrializar: o Código tributário é taxativo quando traz 5 modalidades de industrialização. Para saber se um produto é industrializado ou não tem que saber se ele sofreu um desses processos. O produto pode ter sofrido integralmente ou só parcialmente. 
Beneficiar
O que é beneficiar alguma coisa? É melhorar. Quando pensarmos em beneficiar, o produto final tem que ser igual, mesmo formato, TODO igual só que tem que ter uma característica a mais, tem que ter “um plus a mais”. 
EXEMPLO: se pegar só o leite e inserir ferro, o que tenho no final? Leite com ferro. Tenho o mesmo leite, porém ele tem uma vantagem que é o ferro, estou beneficiando. 
Pergunta: Isso valeria para os produtos agrícolas? Quando você limpa, tira as impurezas? 
Resposta: Sim, porque ele vai passar por esse processo de industrialização que é a lavagem, tudo mais, é sim um beneficiamento. 
Pergunta inaudível. 
Resposta: Não, cabe para qualquer coisa. Então por exemplo, em uma fábrica de carros, alguém pede um carro de uma cor especifica vou e pinto novamente o carro, ele está beneficiando aquele carro, ele está dando uma característica a mais pra fazer com que o valor dele seja maior. Então para qualquer produto industrializado, se você pensar “a pessoa está me entregando o mesmo produto, porém com uma característica a mais, mais benéfica, que torne ele mais caro”. Beneficiei, melhorei, mas o produto final é o mesmo, não pode mudar o formato, não pode mudar o estado, não pode mudar nada, tem que ser o mesmo. 
Montar 
Pegar várias partes e unir. Tem muita indústria que trabalha só com montagem, que compra as peças de um determinado lugar, vai lá e só agrega. Pega as peças, é só unir e pronto. Percebam que aqui o produto final não é o mesmo que entrou; entrou uma perna de óculos, uma lente de óculos e saiu um óculos. Entrou uma roda de skate, um pedaço de madeira e saiu um skate. Sai um produto final diferente, entram as partes e sai um produto final diferente. 
Acondicionar/Reacondicionar 
O que é acondicionar alguma coisa? Colocar em um recipiente. Isso significa que só o fato de um empresário pegar o brinquedo, colocar na caixa e fechar, já é um processo de industrialização a mais do que a fabricação daquele brinquedo. Então, em um mesmo espaço industrial a gente tem vário processos de industrialização. Coloquei na caixa – acondicionei, já tenho que pagar IPI por essa operação.
Pergunta: A mesma empresa paga pela montagem e pelo acondicionamento? Na mesma planta? 
Resposta: Sim, ela vai pagar por tudo. Só que ela vai emitindo em cima do preço que vai ter de IPI ali, vai passando todo mundo pra frente e no final coloca no valor final e a gente (consumidores) paga.
Reacondicionar é a mesma coisa. É quando o cara faz o seguinte: “quero vender bolsa”, compro a bolsa da marca, já vem em uma caixa mas eu só quero colocar na caixa da minha loja/empresa, então eu tiro daquele lugar (da caixa da marca) e coloco em outra caixa com outro logo, reacondicionei – industrializei. Trocar de embalagem é industrializar de novo. 
Pergunta: E rotular?
Resposta: Vamos ver essa questão do rótulo. Se só vier e você colocou o rótulo, considera-se que é acondicionar, como se você tivesse colocado na caixa naquele momento que não tinha apresentação. Mas essa questão do rótulo é uma questão bem polêmica que ainda vamos ver. 
Renovar/Recondicionar 
O que é renovar algo? Entra algo velho e sai novo. Então, o que as pessoas tem o costume de reformar? Sofá, carro, pneu. Toda vez que eu recondiciono, que eu pego uma coisa usada/antiga e dou “uma cara nova”, seja porque eu pintei, porque recapei, seja porque troquei uma coisa, tenho que pagar IPI porque estou industrializando por essa renovação. 
OBS: reciclagem não paga, fica junto de artesanato. Como é manual não paga. É um processo de industrialização, mas para incentivar a reciclagem fica de fora e tem esse benefício de não pagar. 
Transformar 
O que é transformar alguma coisa? É uma mudança radical. Por exemplo: vou fabricar um pão, peguei o trigo, peguei o leite, ovo, fermento e virou um pão. Transformei tudo aquilo em um produto completamente diferente. Na transformação o produto final não tem nada a ver com aquilo que entrou. Você pegou um produto ou uma série de produtos e o que você vai vender é uma coisa completamente diferente. 
É diferente da montagem que é só unir, diferente do beneficiamento que quem está no final é o mesmo produto. Na transformação é um produto completamente diferente. 
OBS: pegar ouro e transformar em um colar, entra aqui em transformação, possuem a mesma base, mas se tornou um produto diferente. Vamos ver que a maioria das operações que são realizadas com ouro não tem IPI porque são imunes, tem imunidade constitucional. 
Então essas são as cinco modalidades de industrialização. Para saber se um cliente tem que pagar ou não em determinado caso, tem que saber: 
- ele está beneficiando?
- ele está montando? 
- está acondicionando? (...)
Porque se não tiver aqui, há uma não incidência, porque não vou encontrar dentro da matriz de incidência o fato gerador certo para ele. 
Arrematar (vou lá no leilão, é TV, carro, é qualquer produto que tenha origem industrial)
Desembraçar (é quando a gente passa na alfandega e declara o que está entrando pra poder emitir a guia – é o desembaraço aduaneiro) qualquer produto que a gente traga do exterior pra cá incide IPI, não precisa ser necessariamente industrializado. 
CRITÉRIO PESSOAL:
SUJEITO ATIVO: UNIÃO. 
SUJEITO PASSIVO: (há três fatos geradores, temos três pessoas).
Proprietário de estabelecimento industrial; 
Arrematante; 
Importador ou a quem a lei a ele equiparar; 
Quem pode ser equiparado ao importador? Pessoa física. Nós, consumidores, que quando viajamos e voltamos cheios de muambas. Quando cai no desembaraço é equiparado ao importador e paga como se estivesse importando um produto industrial, se tiver além da cota e não declarar você é considerado um industrial a partir daquele momento. Por isso aquele 60%, porque lá dentro tem ICMS, IPI, por isso tão alto aqueles 60% que a gente paga. Por isso que é sempre melhor dizer que está além da cota, para fazer o cálculo pela alíquota normal e não ter que pagar os 60% de multa. Então, sempre que uma pessoa física estiver importando além da cota, ela é equiparada a um importador e vai ser tributada como se pessoa jurídica fosse. 
QUANTITATIVO 
Valor da mercadoria e a alíquota do IPI vai de 0% a 365,3%. Vai ser um tributo seletivo, quanto maior a essencialidade menor é a alíquota. Quanto mais essencial ele for para a população menor é a alíquota do IPI. Por exemplo: um alimento vai pagar menos que um carro, porque é mais essencial. 
OBS: Vamos ver mais pra frente que o ICMS também é seletivo, só que na prática, coisas essenciais e não tão essenciais tem alíquotas muito parecidas. Por exemplo: ICMS de energia elétrica, na maioria dos Estados é 29%. 29% também é o ICMS que incide em alimentação servida em motel. Perfume também é 29%. A seletividade lá nos Estaduais não faz muito sentido. 
365,3% geralmente são as bebidas com alto teor alcoólico. 
CRITÉRIO ESPACIAL 
Onde ocorre o fato gerador do IPI? Vai ocorrer em três locais. 
Estabelecimento industrial;
Local do leilão; 
Zona aduaneira; 
CRITÉRIO TEMPORAL
Saída do estabelecimento
Pagamento da mercadoria
Passar no desembaraço aduaneiro
Pra cada um dos fatos geradores tem um critério temporal diferente, tem um momento de recolhimento diferente.
Quando for o fato gerador industrializar, o recolhimento se dá na saída do estabelecimento industrial
Página12