A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
10 pág.
Para além da natureza: análise e síntese orgânica

Pré-visualização | Página 2 de 2

auxiliar em diferentes processos seja na medicina ou na indústria 
alimentícia. Assim, a síntese orgânica está presente em diferentes processos (figura 
05). 
 05 
A síntese orgânica está presente em diferentes processos. 
 
Nessa perspectiva, percebemos que a partir da síntese orgânica não 
precisamos depender dos estoques naturais. Isso porque, os compostos podem ser 
produzidos no laboratório. No entanto, para a síntese de novos compostos é 
necessário planejar, prevendo as reações que precisam acontecer para a obtenção 
desses compostos. 
 
3.4.Planejando a síntese orgânica 
Para sintetizar um novo composto, existem diferentes motivos, seja para a 
obtenção de algo completamente novo ou para a criação de uma nova estratégia 
sintética. 
 
 
 
 
 
7 
 
SAIBA MAIS! 
 
 
Para tanto, o planejamento sintético prevê a escolha dos reagentes a serem 
utilizados e as reações conhecidas que possam vir a acontecer. Além de possibilitar 
maior rendimento econômico, pois poderá reduzir operações desnecessárias. 
Porém, para o planejamento sintético algumas considerações devem ser 
seguidas (figura 06). 
 
 06 
Fluxograma para um planejamento sintético 
Exercícios 
1) Descreva como é possível criar novos compostos a partir da síntese orgânica. 
2) Como podemos afirmar se os compostos isolados ou sintetizados são os 
compostos em estudo? 
3) Por que a descoberta do processo de síntese orgânica foi importante para o 
estudo da Química Orgânica? 
 
Estratégia sintética: caminho a ser escolhido para a 
síntese de um novo composto. 
 
. 
 
 
8 
 
Gabarito 
1) A partir de substâncias mais simples os cientistas podem criar novos 
compostos ao deixar essas moléculas mais complexas ao acrescentar ou 
retirar átomos. 
2) Por meio da identificação do composto a partir de métodos convencionais 
ou modernos como as técnicas de espectrometria. 
3) Com a síntese da ureia descobriu-se que os compostos orgânicos vão além 
dos compostos obtidos de organismos vivos e vegetais. Desse modo, os 
estoques naturais deixaram de ser a única fonte de obtenção. 
Resumo 
Nessa apostila verificamos a importância da análise orgânica, pois sem 
determinar a estrutura dos compostos seria quase impossível prever uma síntese 
para o composto. 
Além disso, vimos que essa tarefa já foi difícil exigindo quantidade relativa 
dos compostos. Contudo, os profissionais hoje contam com técnicas instrumentais 
que permitem determinar os compostos com pequenas quantidades de amostra. 
Vimos, também, que a síntese orgânica é um processo artístico da ciência, em 
que novos compostos são criados, que ela está presente em nosso dia a dia nos 
cosméticos, nos medicamentos, nos combustíveis e até mesmo nos alimentos. 
A partir da síntese orgânica é possível construir compostos que apresentam 
características idênticas a dos compostos naturais ou novos compostos não 
encontrados na natureza. 
Além disso, no processo de síntese é possível acrescentar ou retirar átomos, 
tornando as substâncias mais eficazes ou reduzir efeitos colaterais de 
medicamentos, por exemplo. 
 
 
9 
 
Referências bibliográficas 
SOLOMONS,T. W. G. Química Orgânica. Volume 1. 10ª edição. Rio de Janeiro: LTC, 2016. 
ROCHA, D. R. da; FERREIRA, V. F.; SANTOS, W. da C. Aspectos da síntese orgânica no desenvolvimento 
de métodos e de moléculas biologicamente ativas. Revista Processos Químicos 2008, 2, 9. Disponível 
em:<https://www.senaigo.com.br/repositoriosites/repositorio/senai/download/Publicacoes/Revista_
Cientifica_Processos_Quimicos_/2008/processosquimicos_032008.pdf>. Acesso em: 04/02/2019 às 
10h00min. 
USBERCO E SALVADOR. Química 3: Química orgânica. Volume 2. 6ª edição. São Paulo. Editora 
Saraiva, 2002. 
Referências imagéticas 
Figura 01. SOLOMONS, T. W. G. Química Orgânica. Volume 1. 10ª edição. Rio de Janeiro: LTC, 2016. 
Figura 02. SOLOMONS, T. W. G. Química Orgânica. Volume 1. 10ª edição. Rio de Janeiro: LTC, 2016. 
Figura 03. SOLOMONS, T. W. G. Química Orgânica. Volume 1. 10ª edição. Rio de Janeiro: LTC, 2016. 
Figura 04. Autora. 
Figura 05. Adaptada pela autora de ROCHA, D. R. da; FERREIRA, V. F.; SANTOS, W. da C. Aspectos da 
síntese orgânica no desenvolvimento de métodos e de moléculas biologicamente ativas. Revista 
Processos Químicos 2008, 2, 9. Disponível em: 
<https://www.senaigo.com.br/repositoriosites/repositorio/senai/download/Publicacoes/Revista_Cint
ifica_Processos_Quimicos_/2008/processosquimicos_032008.pdf>. Acesso em: 04/02/2019 às 
10h00min. 
Figura 06. Adaptada pela autora de ROCHA, D. R. da; FERREIRA, V. F.; SANTOS, W. da C. Aspectos da 
síntese orgânica no desenvolvimento de métodos e de moléculas biologicamente ativas. Revista 
Processos Químicos 2008, 2, 9. Disponível em: 
<https://www.senaigo.com.br/repositoriosites/repositorio/senai/download/Publicacoes/Revista_Cint
ifica_Processos_Quimicos_/2008/processosquimicos_032008.pdf>. Acesso em: 04/02/2019 às 
10h00min.