A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
15 pág.
SLIDES TCC SATISFAÇÃO NO TRABALHO

Pré-visualização | Página 1 de 1

ANÁLISE DA SATISFAÇÃO NO TRABALHO
GEVA F. UCHÔA NERY
RONALDO HELFENSTEIN
2017.
FACULDADE DE OURO PRETO DO OESTE – UNEOURO.
ADMINISTRAÇÃO
OBJETIVO:
ANALISAR O GRAU DE SATISFAÇÃO DE TRABALHADORES EM SEUS RESPECTIVOS EMPREGOS.
DISCUSSÃO TEÓRICA:
SATISFAÇÃO NO TRABALHO;
NÍVEIS DE SATISFAÇÃO NO TRABALHO;
CAUSAS DA SATISFAÇÃO NO TRABALHO;
CONSEQUÊNCIAS DA SATISFAÇÃO NO TRABALHO.
2.1 SATISFAÇÃO NO TRABALHO:
Satisfação no trabalho é um termo de difícil definição, pois trata-se de um estado subjetivo, variando entre indivíduos, circunstâncias e ao longo do tempo.
2.1 SATISFAÇÃO NO TRABALHO:
Locke (1976), definiu ST como “um estado emocional positivo ou de prazer, resultante de um trabalho ou de suas experiências”.
Segundo Spector(2003), a ST é uma variável de atitude que mostra como as pessoas se sentem em relação ao seu trabalho, seja no todo, seja em relação a alguns de seus aspectos.
2.2 NÍVEIS DE SATIFAÇÃO NO TRABALHO:
Para o estudo da satisfação no trabalho existem duas abordagens: 
1º abordagem global ou unidimensional e a
2º abordagem em facetas/aspectos ou multidimensional.
2.3 CAUSAS DA SATISFAÇÃO NO TRABALHO:
FATORES
INTRÍNSECOS
FATORES
EXTRÍNSECOS
Autonomia;
Recompensas
Financeiras (direta)
Variedade;
Benefícios (indireta)
Significância
Participação nos lucros
e incentivos
Feedback
Reconhecimento Profissional
Identidade
Estilo de Liderança
2.4 CONSEQUÊNCIAS DA SATISFAÇÃO NO TRABALHO:
Estar satisfeito em relação ao trabalho incorre em diversas consequências, sejam elas pessoal ou profissional.
METODOLOGIA:
Este trabalho é uma pesquisa quantitativa de caráter descritivo com corte transversal. Foi elaborado um questionário com base em Walton (1973) e Siqueira (1995). Este questionário foi respondido através da escala Likert de cinco pontos:
 Quadro 2: escala de Likert:
Muito Insatisfeito
Insatisfeito
Nem Insatisfeito, Nem Satisfeito
Satisfeito
Muito Satisfeito
1
2
3
4
5
METODOLOGIA:
Foram aplicados 47 questionários. Os dados foram colhidos em três faculdades e analisados de forma quantitativa. Os resultados foram apresentados em tabelas.
QUADRO INTERPRETATIVO DOS RESULTADOS:
Muito baixo:Até 1,5
Baixo:Maior que 1,5 até 2,5
Médio:Maior que 2,5 até 3,5
Alto:Maior que 3,5 até 4,5
Muito Alto:Maior que 4,5 até 5.
Quadro 3: interpretação dos resultados
RESULTADOS DA PESQUISA:
Foi identificado o grau de satisfação “médio” para as dimensões abaixo: 
 Tabela 1: análise dos resultados por dimensão
 
DIMENSÃO
MÉDIA
1- SALÁRIO JUSTO E ADEQUADO
3,035
2- CONDIÇÕES DE TRABALHO
3,383
4- OPORTUNIDADES NO TRABALHO
2,979
RESULTADOS DA PESQUISA:
O índice “alto” foi encontrado para as seguintes dimensões:
Tabela 1: análise dos resultados por dimensão
DIMENSÃO
MÉDIA
3- USO DAS CAPACIDADES NO TRABALHO
3,532
5- INTEGRAÇÃO SOCIAL NO TRABALHO
3,606
6- TRABALHO E VIDA
3,574
CONCLUSÃO:
O presente trabalho contribui para a área empresarial e de recursos humanos, pois demonstra resultados através de indicadores bastante relevantes a respeito da satisfação no trabalho.
Estudos futuros a respeito do tema, poderiam explorar uma única empresa, para que possam ser feitas sugestões de melhorias, agregando valor ao trabalho desenvolvido pelo acadêmico. 
PRINCIPAIS REFERÊNCIAS:
LOCKE, E.A. The Nature and Causes of Job Satisfaction. In: Dunnette, M.D., Ed., Handbook of Industrial and Organizational Psychology, 1976.
SIQUEIRA, M.M.M. Antecedentes de comportamentos de cidadania organizacional: Análise de um modelo pós-cognitivo. Tese de Doutorado. Instituto de Psicologia Universidade de Brasília, 1995.
SPECTOR, Paul E. Psicologia nas organizações. São Paulo: Saraiva, 2003.
WALTON, R.E. Quality of working life is it? Slow Management Review, 1973.