Balança de Pagamentos: o indicador das relações econômicas de um país
6 pág.

Balança de Pagamentos: o indicador das relações econômicas de um país


DisciplinaEconomia Internacional A66 materiais499 seguidores
Pré-visualização2 páginas
Balança de Pagamentos: o indicador das relações econômicas de um país 
 
 
Todos os meses, o Banco Central divulga publicamente o saldo das transações que o Brasil 
realizada com o resto do mundo. Todas essas informações são compiladas em uma 
estrutura conhecida como Balança de Pagamentos. 
 
Por demostrar um fluxo financeiro,\u200b a Balança de Pagamentos \u200bfunciona como um 
interessante termômetro da economia nacional. Por isso, o seu resultado pode até mesma 
ajudar o governo a definir políticas econômicas \u2013 como a manutenção da taxa de juros, 
intervenções no mercado de câmbio, variação no valor da tributação, entre outras medidas. 
 
O que é a Balança de Pagamentos? 
 
Em economia, o Balanço ou Balança de Pagamentos é o registro de todas as transações 
que um país realizou com o restante do mundo. Ela demonstra o quanto de dinheiro entrou 
e saiu do país em um determinado período. 
 
Esse fluxo não precisa ser necessariamente financeiro \u2013 mas também sob a forma de 
compra e venda de bens, serviços e produtos, doações, empréstimos, investimentos, entre 
outras operações. 
 
No Brasil, a elaboração da Balança de Pagamentos é feita pelo \u200bBanco Central\u200b \u2013 o órgão 
responsável por administrar as reservas externas do país. \u200bSua apresentação é anual, mas 
tendo alguns dados atualizados mensalmente. 
 
Estrutura da Balança de Pagamentos 
 
Basicamente, uma Balança de Pagamentos é composta por duas contas principais: 
 
1\u200b. Conta Corrente: 
 
A conta corrente registra as entradas e saídas de capital originadas pelo comércio de bens 
e serviços. Ou seja, é nela que é registrada o resultado da\u200b balança comercial \u2013 que 
compreende a diferença entre exportações e importações. 
 
Além disso, a conta corrente também registra as \u200btransferências unilaterais\u200b e qualquer 
outro pagamento que seja dado sem uma contrapartida. 
 
2. \u200bConta Capital e Financeira 
 
Já a conta capital e financeira tem por objetivo agrupar os investimentos, poupanças e 
transações financeiras realizadas entre o país e o exterior. 
 
Dentre as operações registradas, estão os \u200binvestimentos diretos\u200b (seja de brasileiros no 
exterior ou de estrangeiros no Brasil), os investimentos em carteira (negociações no 
mercado financeiro e similares) e as demais operações financeiras. 
 
Também são reunidos na conta financeira as transferências de patrimônio e os saldos 
compensatórias \u2013 como \u200bdireitos junto ao FMI\u200b e órgãos internacionais e empréstimos ou 
débitos vencidos no exterior. 
 
Além disso, essa conta também contabiliza as \u200breservas internacionais\u200b que um país 
possui, \u200bdentro da conta haveres\u200b. 
 
3. \u200bErros e Omissões 
 
Além das duas contas principais, qualquer diferença na Balança de Pagamentos que não 
possa ser identificada é lançada no grupo erros e omissões. 
 
Variação das reservas internacionais e conta haveres 
 
A princípio, a soma das duas contas da Balança de Pagamentos será sempre zero. Porém, 
qualquer déficit na balança é registrado com o valor positivo na conta haveres \u2013 já que esta 
registra as reservas internacionais do país. Por outro lado, se a balança for positiva, é 
contabilizado um número negativo nesta conta. 
 
Para exemplificar, suponha que a conta de transações correntes apresente resultado 
negativo (saída de capitais). Logo, isso significa que o país está financiando esse déficit 
com recursos da conta financeira. Isso pode acontecer, por exemplo, com a venda de 
títulos públicos \u200bpara atrair capital estrangeiro. 
 
Ou seja, para compensar a saída de capital do país, ocorreu um aumento da dívida externa, 
naquele mesmo valor. Com isso, as reservas internacionais diminuíram. 
 
Como interpretar o resultado da Balança de Pagamentos? 
 
No final das contas,\u200b o saldo da Balança de Pagamentos \u200baponta quantitativamente se o 
país está exportando ou importando capital do exterior. 
 
O superávit na Balança de Pagamentos\u200b indica a entrada de capitais do exterior. Ou seja, 
o país está aumentando suas reservas internacionais e atraindo moeda estrangeira para 
sua economia. Com isso, a moeda local se valoriza e o câmbio fica mais barato. 
 
Já um resultado negativo \u2013 ou seja, um \u200bdéficit na Balança de Pagamentos, \u200bsignifica que 
os recursos estão deixando o país. O país está perdendo suas reservas internacionais, o 
que motiva a desvalorização da moeda local e o encarecimento do \u200bcâmbio\u200b. 
 
Já quando a Balança de Pagamentos não apresenta déficit nem superávit, afirma-se que 
ela está em equilíbrio. Logo, a quantidade de recursos que entra e sai do país se manteve 
no mesmo nível. 
 
Câmbio Fixo e Flutuante 
 
O que são, diferenças, vantagens e desvantagens, conceitos, tipos de câmbio, como é no 
Brasil, exemplos, banda cambial 
 
 
 
Câmbio fixo 
 
O câmbio fixo é aquele em que o valor da moeda estrangeira (geralmente o dólar) é fixado 
pelo governo. Desta forma, a moeda nacional passa a ter um valor fixo em relação a essa 
moeda-lastro. 
 
Vantagem: possibilita um melhor controle sobre a inflação. 
 
Desvantagem: pode ocasionar a valorização excessiva da moeda nacional, provocando a 
diminuição das exportações e aumento de importações (no caso da moeda estrangeira 
mantida desvalorizada). 
 
Câmbio flutuante 
 
O sistema de câmbio flutuante é aquele em que o mercado estabelece os valores das taxas 
de câmbio. Este processo ocorre através da lei de oferta e procura. Neste sistema podem 
ocorrer grande variações das taxas de câmbio em intervalos curtos de tempo. 
 
Vantagem: o próprio mercado regula as taxas de câmbio, não ocasionando distorções 
cambiais na economia. 
 
Desvantagem: a valorização excessiva de moedas estrangeiras pode ocasionar inflação, 
enquanto a desvalorização destas moedas pode ocasionar diminuição das exportações. 
 
Banda cambial 
 
Neste sistema cambial, a autoridade monetária do país (no Brasil é o Banco Central) 
permite a variação das taxas de câmbio dentro de um determinado limite (valor máximo e 
valor mínimo). Esse intervalo é chamado de banda cambial. Quando as taxas de câmbio 
saem deste intervalo, então ocorre a intervenção do Banco Central, que atua comprando ou 
vendendo moeda estrangeira. Com isso, ele consegue fazer com que a taxa passe a operar 
dentro daquele intervalo estabelecido. 
 
Vantagens: possibilita uma variação cambial, porém sem grandes valorizações ou 
desvalorizações, permitindo maior previsibilidade ao mercado financeiro. Outra vantagem é 
que a banda pode ser mudada de tempos em tempos, de acordo com a situação econômica 
interna ou externa, acompanhando assim as necessidades do mercado cambial. 
 
Desvantagem: em muitos casos este sistema pode gerar certo artificialismo cambial, 
prejudicando os agentes econômicos nacionais. 
 
O caso brasileiro 
 
Desde o ano de 1999, durante o segundo mandato do Presidente Fernando Henrique 
Cardoso, o Brasil utiliza o sistema de câmbio flutuante. Porém, ocorrem constantes 
intervenções do Banco Central do Brasil no mercado de câmbio. Estas intervenções são 
feitas através de operações de compra e venda de dólares (mercado a vista ou futuro) e 
tem por objetivo evitar a desvalorização ou valorização excessivas desta moeda 
estrangeira. Logo, podemos dizer que o Brasil adota um sistema de câmbio flutuante, porém 
com certo controle governamental. 
 
Bandas cambiais: entenda como funciona esse tipo de política cambial 
 
O Banco Central (BC) é responsável pela política monetária de um país, e muitas 
vezes pela política cambial, dependendo do seu regime de câmbio. Um regime de 
forte intervenção é o de bandas cambiais. 
 
O regime de \u200bbandas cambiais deslizantes\u200b foi utilizado pelo Brasil de 1995 a 1999 e é 
usado pela Argentina desde 2018. 
 
O que é o regime de \u200bbandas cambiais\u200b? 
 
No regime de bandas cambiais, o Banco Central delimita a\u200b cotação máxima e a 
cotação mínima \u200bpara o câmbio, criando uma faixa (ou banda) em que é permitido a