A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
Julie Ivy Ambrosio Alvaro - Esquemas De Direito Civil - Parte Geral

Pré-visualização | Página 41 de 48

data da conclusão do ato. (art. 179 do CC).
 
 
 
 
 
 • Quanto aos efeitos:
 
 
 
 
 
 
 
 • Nulidade: O negócio nulo não produz os efeitos esperados do negócio, embora outros possam ser gerados (Exemplo: Direito aos frutos, no caso de boa-fé).
 
 
 
 
 
 
 
 No direito de família, o casamento nulo pode gerar efeitos desde que contraído de boa-fé (casamento putativo). E mesmo que não seja putativo ainda poderá gerar alguns efeitos (Exemplo: Afinidade em linha reta).
 
 
 
 
 
 
 
 • Anulabilidade: O negócio anulável produz todos os efeitos esperados do negócio até ser reconhecido.
 
 
 
 
 
 “A anulabilidade não tem efeito antes de julgada por sentença, nem se pronuncia de oficio; só os interessados a podem alegar, e aproveita exclusivamente aos que a alegarem, salvo o caso de solidariedade ou indivisibilidade” (art. 177 do CC).
 
 
 
 
 
 
 
 • Quanto à eficácia de sentença:
 
 
 
 
 
 
 
 • Nulidade: A sentença que reconhece a nulidade é declaratória e tem efeitos retroativos, ou seja, os efeitos retroagem a data em o negócio foi realizado (efeitos “ex tunc”).
 
 
 
 
 
 
 
 • Anulabilidade: A sentença que decreta a anulabilidade é desconstitutiva, assim os efeitos da sentença não retroagem a data em que o negócio for realizado (efeitos “ex nunc”).
 
 
 
 
 
 4. Nulidade:
 
 
 
 
 
 
 
 • Hipótese de nulidade: Será nulo o negócio jurídico quando:
 
 
 
 
 
 
 
 • Celebrado por pessoa absolutamente incapaz (art. 166, I do CC): Trata-se de um dos requisitos de validade do negócio jurídico.
 
 
 
 
 
 
 
 • For ilícito, impossível ou indeterminável o seu objeto (art. 166, II do CC): Também é um dos requisitos de validade do negócio jurídico.
 
 
 
 
 
 • O motivo determinante, comum a ambas as partes, for ilícito (art. 166, III do CC).
 
 
 
 
 
 • Não revestir a forma prescrita em lei (art. 166, IV do CC): Também é um dos requisitos de validade do negócio jurídico.
 
 
 
 
 
 • For preterida alguma solenidade que a lei considere essencial para a sua validade (art. 166, V do CC).
 
 
 
 
 
 • Tiver por objetivo fraudar lei imperativa (art. 166, VI do CC).
 
 
 
 
 
 • A lei taxativamente o declarar nulo, ou proibir-lhe a prática, sem cominar sanção (art. 166, VII do CC): Por este artigo podemos concluir que o rol do artigo 166 do Código Civil é exemplificativo, ou seja, que existem nulidades expressas (nulidades textuais) e nulidades implícitas no ordenamento jurídico (nulidades virtuais).
 
 
 
 
 
 No direito de família não existe nulidades virtuais, ou seja, os atos só são nulos ou anuláveis se existir previsão legal.
 
 
 
 
 
 Vale a pena destacar que o negócio jurídico simulado também é nulo.
 
 
 
 
 
 
 
 • Conversão do negócio jurídico: Se o negócio nulo puder ser aproveitado em outro negócio e as partes estavam de boa-fé, não haverá nulidade.
 
 
 
 
 
 
 
 “Se, porém, o negócio jurídico nulo contiver os requisitos de outro, subsistirá este quando o fim a que visavam as partes permitir supor o que teriam querido, se houvesse previsto a nulidade” (art. 170 do CC).
 
 
 
 
 
 
 
 Exemplos: O juiz pode converter a compra e venda de imóveis por instrumento particular em compromisso de compra e venda e salvar o negócio, pois se as partes soubessem da norma teriam feito por escritura pública; a duplicata que não obedece aos requisitos legais equivale à confissão de dívida.
 
 
 
 
 
 
 
 5. Anulabilidade:
 
 
 
 
 
 
 
 • Hipóteses de anulabilidade: Além dos casos expressamente declarados na lei, é anulável o negócio jurídico.
 
 
 
 
 
 
 
 • Por incapacidade relativa do agente (art. 171, I do CC).
 
 
 
 
 
 
 
 • Por vício resultante de erro, dolo, coação, estado de perigo, lesão ou fraude contra credores (art. 171, II do CC).
 
 
 
 
 
 • “Quando a anulabilidade do ato resultar da falta de autorização de terceiro, será validado se este a der posteriormente” (art. 176 do CC): Se um dos cônjuges alienar bens imóveis sem autorização do outro, em princípio o negócio será anulável. Entretanto, se ocorrer autorização posterior o negócio será validado.
 
 
 
 
 
 
 
 • “O menor entre dezesseis e dezoito anos, não pode, para eximir-se de uma obrigação, invocar a sua idade se dolosamente a ocultou quando inquirido pela parte, ou se, no ato de obrigar-se, declarou-se maior” (art. 180 do CC).
 
 
 
 
 
 • “Ninguém pode reclamar o que, por uma obrigação anulada, pagou a um incapaz, se não provar que reverteu em proveito dele a importância paga” (art. 181 do CC).
 
 
 
 
 
 • “Respeitada a intenção das partes, a invalidade parcial de um negócio jurídico não o prejudicará na parte válida, se esta for separável; a invalidade da obrigação principal implica a das obrigações acessórias, mas a destas não induz a da obrigação principal” (art. 184 do CC).
 
 
 
 
 
 6. Simulação:
 
 
 
 
 Com o Código Civil 2002 a simulação deixa de ser defeito do negócio jurídico (causa de anulabilidade) e passa a ser causa de nulidade.
 
 
 
 
 
 
 
 Simulação é a declaração enganosa da vontade visando aparentar negócio jurídico diverso da realidade com o fim de lesar terceiro ou fraudar a lei.
 
 
 
 
 
 
 
 “Ressalvam-se os direitos de terceiros de boa-fé em face dos contraentes do negócio jurídico simulado” (art. 167, §2º do CC).
 
 
 
 
 
 
 
 • Espécies:
 
 
 
 
 
 • Simulação absoluta: Aquela em que os simuladores não realizam nenhum negócio jurídico, apenas fingem a sua realização. – Tal negócio jurídico é nulo.
 
 
 
 
 
 
 
 Exemplo: O marido finge realizar negócios com um amigo perante a esposa para depois quando se separar subtrair tal bem da partilha. A esposa poderá ingressar com ação declaratória de nulidade para que os bens retornem e sejam divididos na separação.
 
 
 
 
 
 • Simulação relativa: Aquela em que os simuladores realizam dois negócios jurídicos, um simulado (aparente) e outro dissimulado (verdadeiro, mas oculto). - “É nulo o negócio jurídico simulado, mas subsistirá o que se dissimulou, se válido for na substância e na forma” (art. 167 do CC).
 
 
 
 
 
 
 
 Exemplo: O adúltero, sabendo que não pode doar um imóvel para sua concubina, vende o imóvel para um amigo e combina com este que doe a sua concubina. Para a esposa só aparece a compra e venda, mas na verdade era uma doação.
 
 
 
 
 
 
 
 Exemplo: Alguém vende