A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
Julie Ivy Ambrosio Alvaro - Esquemas De Direito Civil - Parte Geral

Pré-visualização | Página 47 de 48

do devedor, pagamento parcial, pedido de alongamento de prazo. – Única causa recognoscitiva.
 
 
 
 
 
 5. Prazos prescricionais:
 
 
 
 
 Os prazos dividem-se em prazo ordinário e prazos especiais.
 
 
 
 
 
 
 
 • Prazo ordinário: “A prescrição ocorre em dez anos, quando a lei não lhe haja fixado prazo menor” (art. 205 do CC).
 
 
 
 
 
 
 
 • Prazos especiais:
 
 
 
 
 
 • Prescreve em 1 ano:
 
 
 
 
 
 
 
 • A pretensão dos hospedeiros ou fornecedores de víveres destinados a consumo no próprio estabelecimento, para o pagamento da hospedagem ou dos alimentos (art. 206, §1º, I do CC).
 
 
 
 
 
 
 
 • A pretensão do segurado contra o segurador, ou a deste contra aquele, contado o prazo:
 
 
 
 
 
 • Para o segurado, no caso de seguro de responsabilidade civil, da data em que é citado para responder à ação de indenização proposta pelo terceiro prejudicado, ou da data que a este indeniza, com a anuência do segurador (art. 206, §1º, II, “a” do CC).
 
 
 
 
 
 
 
 • Quanto aos demais seguros, da ciência do segurador (art. 206, §1º, II, “b” do CC).
 
 
 
 
 
 • A pretensão dos tabeliães, auxiliares da justiça, serventuários judiciais, árbitros e peritos, pela percepção de emolumentos, custas e honorários (art. 206, §1º, III do CC).
 
 
 
 
 
 
 
 • A pretensão contra os peritos, pela avaliação dos bens que entraram para a formação do capital da sociedade anônima, contado da publicação da ata da assembléia que a aprovar o laudo (art. 206, §1º, IV do CC).
 
 
 
 
 
 
 
 • A pretensão dos credores não pagos contra os sócios ou acionistas e os liquidantes, contado o prazo da publicação da ata de encerramento da liquidação da sociedade (art. 206, §1º, V do CC).
 
 
 
 
 
 
 
 • Prescreve em 2 anos a pretensão para haver prestações alimentares, a partir da data em que se vencerem (art. 206, §2º do CC).
 
 
 
 
 
 
 
 • Prescreve em 3 anos:
 
 
 
 
 
 • A pretensão relativa a aluguéis de prédios urbanos ou rústicos (art. 206, §3º, I do CC).
 
 
 
 
 
 
 
 • A pretensão para receber prestações vencidas de rendas temporárias ou vitalícias (art. 206, §3º, II do CC).
 
 
 
 
 
 • A pretensão para haver juros, dividendos ou quaisquer prestações acessórias, pagáveis, em períodos não maiores de 1 ano, com capitalização ou sem ela (art. 206, §3º, III do CC).
 
 
 
 
 
 • A pretensão de ressarcimento de enriquecimento sem causa (art. 206, §3º, IV do CC).
 
 
 
 
 
 • A pretensão de reparação civil (art. 206, §3º, V do CC).
 
 
 
 
 
 • A pretensão de restituição dos lucros e dividendos recebidos de má-fé, correndo o prazo da data em que foi deliberada (art. 206, §3º, VI do CC).
 
 
 
 
 
 • A pretensão contra as pessoas em seguida indicadas por violação da lei ou do estatuto, conta o prazo:
 
 
 
 
 
 • Para os fundadores, da publicação dos atos constitutivos da sociedade anônima (art. 206, §3º, VII, “a” do CC).
 
 
 
 
 
 
 
 • Para os administradores, ou fiscais, da apresentação, aos sócios, do balanço referente ao exercício em que a violação tenha sido praticada, ou da reunião ou assembléia geral que dela deva tomar conhecimento (art. 206, §3º, VII, “b” do CC).
 
 
 
 
 
 • Para os liquidantes, da primeira assembléia semestral posterior à violação (art. 206, §3º, VII, “c” do CC).
 
 
 
 
 
 • A pretensão para haver o pagamento de título de crédito, a contar do vencimento, ressalvadas as disposições de lei especial (art. 206, §3º, VIII do CC).
 
 
 
 
 
 
 
 • A pretensão do beneficiário contra o segurador, e a do terceiro prejudicado, no caso de seguro de responsabilidade civil obrigatório (art. 206, §3º, IX do CC).
 
 
 
 
 
 
 
 • Prescreve em 4 anos, a pretensão relativa à tutela, a contar da data da aprovação das contas (art. 206, §4º do CC).
 
 
 
 
 
 
 
 • Prescreve em 5 anos:
 
 
 
 
 
 • A pretensão de cobrança de dívidas líquidas constantes de instrumento público ou particular (art. 206, §5º, I do CC).
 
 
 
 
 
 
 
 • A pretensão dos profissionais liberais em geral, procuradores judiciais, curadores e professores pelos seus honorários, contado o prazo da conclusão dos serviços, da cessação dos respectivos contratos ou mandato (art. 206, §5º, II do CC).
 
 
 
 
 
 • A pretensão do vencedor para haver do vencido o que despendeu em juízo (art. 206, §5º, III do CC).
 
 
 
 
 
 6. Novos prazos e pretensões estabelecidas antes da vigência do Código Civil de 2002:
 
 
 
 
 “Serão os da lei anterior os prazos, quando reduzidos por este Código, e se, na data de sua entrada em vigor, já houver transcorrido mais da metade do tempo estabelecido na lei revogada” (art. 2028 do CC).
 
 
 
 
 
 
 
 • Se já tinha corrido mais da metade do prazo, quando da entrada em vigor do Código Civil de 2002: Vale o prazo antigo.
 
 
 
 
 
 
 
 • Se não tinha corrido mais da metade do prazo, quando da entrada em vigor do Código Civil de 2002: Vale o novo prazo, a ser contado da entrada em vigor do Código Civil. Mas, se a soma do novo prazo com o já ocorrido for superior ao antigo, vale o antigo.
 
 
 
 
 
 7. Pretensões imprescritíveis:
 
 
 Há determinadas pretensões que não se submetem a prescrição e decadência.
 
 
 
 • Pretensões que protegem direitos da personalidade: Direito à vida, à honra, à liberdade, ao nome, ao corpo, à imagem etc.
 
 
 
 
 
 Tendo em vista que a prescrição é uma renúncia tácita e que os direitos da personalidade são irrenunciáveis, podemos concluir que também são imprescritíveis. Os direitos da personalidade não desaparecem se não forem utilizados e nem são adquiridos pelo decurso do tempo
 
 
 
 
 
 Só haverá prescrição quanto a possibilidade de pleitear reparação em razão de ofensa aos direitos da personalidade, pois esta reparação tem caráter patrimonial. Sempre que houver ofensa a direito da personalidade cabe ação de reparação de dano. - “Pode-se exigir que cesse ameaça ou lesão, a direito da personalidade, e reclamar perdas e danos, sem prejuízo de outras sanções previstas em lei” (art. 12 do CC).
 
 
 
 
 
 
 
 • Pretensões que digam respeito ao estado da pessoa: Exemplos: Ação de separação judicial, ação de investigação de paternidade, ação negatória de paternidade e ação de interdição.
 
 
 
 
 
 
 
 • Pretensões de exercício facultativo: Aquelas em que não há um direito violado. Exemplos: Ação de divisão (destinadas