Logo Passei Direto

A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
55 pág.
oficial_fisiologia

Pré-visualização | Página 1 de 2

Determinação de Sexo em Organismos Aquáticos
Emanuel magalhães
Karisson rodrigues
Luan silva
UNIVERSIDADE FEDERAL DO PIAUÍ – UFPI
CAMPUS MINISTRO REIS VELOSO – CMRV
DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS DO MAR
CURSO DE ENGENHARIA DE PESCA
FISIOLOGIA DE ANIMAIS AQUÁTICOS
Prof.ª Dr.ª EDNA CUNHA
PARNAÍBA (PI) - 2016
1
Cronograma Apresentação
Introdução (Luan Silva)
Determinação de sexo em Crustáceos (Luan Silva)
Determinação de sexo em Moluscos (Emanuel Magalhães)
Determinação de sexo em Peixes (Karisson Rodrigues)
Conclusão (Luan Silva, Karisson Rodrigues, Emanuel Magalhães)
2
Introdução
A determinação do sexo é um processo biológico fundamental;
Ela afeta não só a diferenciação sexual das gônadas, mas também o desenvolvimento da maioria dos órgãos, e leva a diferenças em função do sexo no comportamento, fisiologia e morfologia;
Organismos desenvolveram uma variedade de diferentes sistemas de determinação do sexo, que podem ser amplamente dividas em duas categorias: GENÉTICA e AMBIENTAL;
3
Introdução
Determinação sexual genética:
É atribuída à segregação genética de genes, muitas vezes, residente nos cromossomas sexuais que iniciam vias de desenvolvimento que determinam o sexo alternados;
Determinação sexual ambiental: 
É iniciado por estímulos ambientais que presumivelmente desencadeiam sinais genéticos alternativos, que regulam genes que determinam se o organismo torna-se macho ou fêmea;
4
Introdução
Embora a determinação sexual genética ser um sistema mais prevalente em animais;
A determinação sexual ambiental é, também filogeneticamente generalizada, ocorrendo em tal taxa diversas como rotíferos, nematóides, CUSTÁCEOS, insetos, PEIXES, répteis;
5
Introdução
Determinação sexual ambiental: Estímulos ambientais envolvidos
TEMPERATURA;
FOTOPERÍODO;
NUTRIÇÃO;
DENSIDADE POPULACIONAL;
 Tem surgido repetidamente durante a evolução, o que pode implicar o significado adaptativo deste sistema em ambientes;
6
7
Classificação Taxonômica
Filo: Arthropoda
Subfilo: Crustacea
 Classe: Branchiopoda Classe: Malacostraca
 Ordem: Diplostraca Ordem: Decapoda
 
 
8
Determinação de Sexo em Crustáceos
O Daphnia magna pulga de água é um crustáceo BRANCHIOPODA, que é um habitante comum em lagoas de água doce na Europa e Ásia. D. magna é conhecido por alternar entre partenogênese e reprodução sexual quando declínios de qualidade ambiental. Populações normais, saudáveis ​​são inteiramente fêmea;
9
Determinação de Sexo em Crustáceos
Daphnia magna
No entanto, fotoperíodo encurtado, a falta de alimentos e / ou aumento da densidade populacional, levam à produção clonal de machos são geneticamente idênticos às suas irmãs e mães;
10
11
12
13
ANTENAS PRESENTE NO MACHO E AUSENTE NAS FÊMEAS
14
NATURALMENTE
Dsx1 e Dsx2 INJETADOS
15
DISCUSSÃO
Classificação Taxonômica
Filo: Mollusca
Classe: Gastropoda Cephalopoda Bivalvia
 Caracóis, Lesmas; Lulas, Polvos; Ostras, Mexilhões, Vieiras
17
Determinação de sexo em moluscos
Determinação do sexo na ostra Pinctada margaritifera:
Bivalve bentônico que vive na região do Indo-Pacífico, particularmente abundante no Pacífico Sul;
São cultivadas ~10m abaixo da superfície;
Produção de pérolas negras;
Controle da reprodução;
P. margaritifera é protândrico;
Baixa disponibilidade de ovos;
18
Determinação de sexo em Moluscos
Determinação do sexo na ostra Pinctada margaritifera:
O mecanismo de determinação do gênero é um dos fatores que afetam a proporção entre os sexos;
Sexo é determinado por fatores genéticos ou ambientais ou a interação de ambos;
19
Determinação de sexo em Moluscos
Hermafroditismo:
Hermafroditismo funcional;
Sexualidade consecutiva;
Sexualidade ritimica consecutiva;
Sexualidade alternativa;
P.. Margaritifera é um hermafrodita consecutivo protândrico.
20
Determinação de sexo em Moluscos
Tamanho e idade:
Machos < 80 mm fêmeas > 90 mm;
Investem na gametogênese e desova; 
A formação dos gametas exige muita energia;
No inicio do desenvolvimento, a maioria da energia é utilizada para o crescimento;
Machos precisam de menos energia que as fêmeas para produzir gametas;
21
Determinação de sexo em Moluscos
Determinação genética do gênero:
Determinação do sexo pela heterogametia, XY ou ZW;
Dois genótipos para os homens;
Homens verdadeiros (MF), machos protândrico (FF), e um único genótipo para o sexo feminino (FF).
22
Determinação de sexo em Moluscos
Controle hormonal:
Em bivalves, os estrógenos são mais abundantes nas fêmeas e andrógenos nos machos;
Injeções de estradiol, testosterona, progesterona;
Acelera a diferenciação gonadal e morfologica.
23
Determinação de sexo em Moluscos
Efeitos ambientais sobre a determinação do gênero:
A determinação do gênero tem um forte componente ambiental, resultante de fatores bióticos e abióticos;
Temperatura, disponibilidade de alimentos e fotoperíodo; 
A temperatura desempenha um papel chave na regulação da mitose gônio;
C. gigas fêmeas mudam durante o verão para baixo ou nenhum fêmeas no inverno;
A diminuição da temperatura suaviza a gametogênese, por conta da energia ser alocada para o metabolismo em vez de reprodução.
24
Determinação de sexo em Moluscos
Efeitos ambientais sobre a determinação do gênero:
Disponibilidade de alimentos, afeta a gametogênese em P. margaritifera.
As mudanças protogínicas ocorrem com a baixa disponibilidade de alimentos;
As condições do ambiente determinam o gênero.
25
Determinação de sexo em Moluscos
A poluição:
Existem fatores que podem ter efeitos estressantes nos bivalves;
Um dos principais problemas que afectam as populações naturais e cultivadas de bivalves é a poluição;
A taxa de gametogênese é afetada por contaminantes ambientais;
Tributilestanho(TBT) e o trifenilestanho (TPT);
TBT provoca imposex, desenvolvimento de órgãos masculinos em bivalves femininos.
26
Classificação Taxonômica
Filo: Chordata
Subfilo: Vertebrata (Craniata)
Classe: Ciclostomata Classe:Chondrichthyes Classe: Osteichthyes
 
28
Nos peixes, é bastante variável, tornando-se instável;
Exemplos, em mamíferos e aves, as gônadas se diferenciam somente através de fatores endógenos e intrínsecos. Assim, é estável;
29
Determinação de Sexo em Peixes
Mecanismos de determinação sexual em peixes
Fatores endógenos e intrínsecos (genéticos)
Fatores exógenos e ambientais (hormônios, pH, temperatura)
Determinação de Sexo em Peixes
Qual gênero vai determinar o sexo das proles? 
Sistema de determinação de sexo;
Na maioria dos mamíferos, insetos e plantas:
Sistema XY
Organismo Feminino Organismo Masculino 
XX XY
(sexo homogamético) (sexo heterogamético)
 Quem determina o sexo da(s) proles é organismo de sexo masculino (esperma);
30
Determinação de Sexo em Peixes
Nos peixes, além do sistema XY (truta arco-íris), também vai haver o sistema ZW:
 Sistema ZW
Organismo Feminino Organismo Masculino 
ZW ZZ
(sexo heterogamético) (sexo homogamético)
 Nesse caso, quem determina o sexo da(s) prole(s) é o organismo feminino (óvulos);
31
Determinação de Sexo em Peixes
Classificação em relação ao desenvolvimento sexual:
Gonocórico ou bissexuado;
Hermafrodita:
Simultâneo;
Sequencial.
32
Determinação de Sexo em Peixes
Hermafroditismo
Nem sempre significa autofecundação;
Apresentam gônadas com tecidos das duas formas sexuais (bissexualidade)
Atuam tanto como ovário e/ou testículos;
33
Página12