07Projeto_Estrut_Edif_Alvenaria_Marcio_Correa
16 pág.

07Projeto_Estrut_Edif_Alvenaria_Marcio_Correa

Pré-visualização2 páginas
1
11/32/32
ESCOLA DE ENGENHARIA DE SÃO CARLOS \u2013 EESC/USP
DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA DE ESTRUTURAS - SET
Projeto estrutural de edifProjeto estrutural de edifíícios cios 
de alvenaria: decisões, de alvenaria: decisões, 
desafios e impactos da nova desafios e impactos da nova 
norma de projetonorma de projeto
Prof. Associado Márcio Roberto Silva Corrêa
Escola de Engenharia de São Carlos
Universidade de São Paulo
22/32/32
ESCOLA DE ENGENHARIA DE SÃO CARLOS \u2013 EESC/USP
DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA DE ESTRUTURAS - SET
ResumoResumo
\u2022 Decisões e desafios
\u2022 Impactos da nova norma
\u2022 Introdução
2
33/32/32
ESCOLA DE ENGENHARIA DE SÃO CARLOS \u2013 EESC/USP
DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA DE ESTRUTURAS - SET
Decisões e desafiosDecisões e desafios
1ª grande decisão: é viável utilizar a 
alvenaria estrutural como partido 
estrutural para a minha edificação? 
\uf0b7 Resposta padrão: depende
\uf0b7 Regularidade e repetição
\uf0b7 Número de pavimentos
\uf0b7 Bloco de concreto 14 cm: 
1,0 MPa por andar \u2013 até 20 pav.
\uf0b7 Bloco de concreto de 19 cm: 
0,75 MPa por andar \u2013 teoricamente até 30 pav.
44/32/32
ESCOLA DE ENGENHARIA DE SÃO CARLOS \u2013 EESC/USP
DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA DE ESTRUTURAS - SET
Decisões e desafiosDecisões e desafios
2ª decisão: alvenaria armada ou não-armada
\uf0b7 o que é alvenaria não-armada?
\uf0b7 para que serve a armadura?
\uf0b7 basicamente para absorver trações 
\uf0b7 no aumento da resistência à compressão é quase 
desprezível
\uf0b7 armação de cintas e elementos que contornam 
aberturas
3
55/32/32
ESCOLA DE ENGENHARIA DE SÃO CARLOS \u2013 EESC/USP
DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA DE ESTRUTURAS - SET
Decisões e desafiosDecisões e desafios
3º nível de decisão: modulação da alvenaria
\uf0b7 que dimensões de bloco devo usar?
\uf0b7 posso ter um pé-direito maior em meu embasamento?
\uf0b7 como viabilizar? 
\uf0b7 é uma boa solução misturar blocos de diferentes 
espessuras? 
66/32/32
ESCOLA DE ENGENHARIA DE SÃO CARLOS \u2013 EESC/USP
DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA DE ESTRUTURAS - SET
Decisões e desafiosDecisões e desafios
3º nível de decisão: modulação da alvenaria
\uf0b7 devo amarrar diretamente as paredes? 
\uf0b7 é razoável utilizar rapaduras (bolachas)
como peças de ajuste dimensional? 
Fonte: Manual ABCI
 
4
77/32/32
ESCOLA DE ENGENHARIA DE SÃO CARLOS \u2013 EESC/USP
DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA DE ESTRUTURAS - SET
Decisões e desafiosDecisões e desafios
4º nível de decisão: técnicas construtivas
\uf0b7 devo embutir as instalações nas paredes de alvenaria? 
\uf0b7 quais eu não posso embutir? fluidos/manutenção
\uf0b7 se não embutir, que soluções adotar? 
88/32/32
ESCOLA DE ENGENHARIA DE SÃO CARLOS \u2013 EESC/USP
DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA DE ESTRUTURAS - SET
Decisões e desafiosDecisões e desafios
4º nível de decisão: técnicas construtivas
\uf0b7 como deve ser o lançamento dos 
cordões de argamassa? 
\uf0b7 pode ser apenas lateral ou 
deve ser total? 
\uf0b7 posso deixar as juntas 
verticais sem preencher? 
\uf0b7 quais as implicações? 
5
99/32/32
ESCOLA DE ENGENHARIA DE SÃO CARLOS \u2013 EESC/USP
DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA DE ESTRUTURAS - SET
Decisões e desafiosDecisões e desafios
4º nível de decisão: técnicas construtivas
\uf0b7 devo utilizar vergas e contravergas? 
\uf0b7 devo lançar armaduras verticais adjacentes às aberturas?
\uf0b7 as vergas e contravergas
devem ser pré-moldadas 
ou moldadas \u201cin loco\u201d ? 
1010/32/32
ESCOLA DE ENGENHARIA DE SÃO CARLOS \u2013 EESC/USP
DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA DE ESTRUTURAS - SET
Decisões e desafiosDecisões e desafios
4º nível de decisão: técnicas construtivas
\uf0b7 devo utilizar cinta a meia altura nas paredes? 
\uf0b7 é possível uma solução racional? 
6
1111/32/32
ESCOLA DE ENGENHARIA DE SÃO CARLOS \u2013 EESC/USP
DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA DE ESTRUTURAS - SET
Decisões e desafiosDecisões e desafios
5º nível de decisão: lajes e escadas
\uf0b7 laje maciça ou laje pré-fabricada? 
\uf0b7 posso usar painéis independentes?
\uf0b7 pode ser vantagem construtiva
\uf0b7 cuidados com prédios mais altos 
\uf0b7 escada moldada \u201cin loco\u201d ou
pré-moldada? 
\uf0b7 vantagens da utilização de 
elementos pré-moldados
1212/32/32
ESCOLA DE ENGENHARIA DE SÃO CARLOS \u2013 EESC/USP
DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA DE ESTRUTURAS - SET
Decisões e desafiosDecisões e desafios
6º nível de decisão: carregamento vertical 
\uf0b7 devo considerar o modelo de paredes isoladas ou de grupo 
de paredes?
\uf0b7 como isto está conectado ao tipo de amarração de 
paredes? 
7
1313/32/32
ESCOLA DE ENGENHARIA DE SÃO CARLOS \u2013 EESC/USP
DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA DE ESTRUTURAS - SET
Decisões e desafiosDecisões e desafios
6º nível de decisão: carrega-
mento vertical nas transições 
\uf0b7 devo considerar o efeito arco?
\uf0b7 resolve tudo? 
\uf0b7 quais as implicações? 
\uf0b7 cuidados
Tensão 5 x maior
que a média
1414/32/32
ESCOLA DE ENGENHARIA DE SÃO CARLOS \u2013 EESC/USP
DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA DE ESTRUTURAS - SET
Decisões e desafiosDecisões e desafios
7º nível de decisão: carregamento horizontal 
\uf0b7 que ações considerar?
\uf0b7 devo considerar o desaprumo?
\uf0b7 como distribuir essas ações? 
\uf0b7 como considerar os painéis de contraventamento?
8
1515/32/32
ESCOLA DE ENGENHARIA DE SÃO CARLOS \u2013 EESC/USP
DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA DE ESTRUTURAS - SET
Situação atual no Brasil
Há normas desatualizadas para alvenaria de blocos de 
concreto: 
\u2022 NBR 10837:1989 - Cálculo de alvenaria estrutural de blocos 
vazados de concreto
\u2022 NBR 8798:1985 - Execução e controle de obras em alvenaria 
estrutural de blocos vazados de concreto
Normas para alvenaria de blocos de concreto estão sendo 
atualizadas desde 2005 \u2013 trabalhos estão interrompidos
Normas para alvenaria de blocos cerâmicos: produzidas no 
período de fev/2007 a ago/2008 em 2 partes:
\u2022 1ª cálculo 
\u2022 2a execução e controle
Impactos da nova norma de alvenariaImpactos da nova norma de alvenaria
1616/32/32
ESCOLA DE ENGENHARIA DE SÃO CARLOS \u2013 EESC/USP
DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA DE ESTRUTURAS - SET
Mudança conceitual importante
Introdução da segurança
Tensões admissíveis
Estados limites \u2013 consideração separada de:
Coeficientes de majoração de força
Coeficientes de minoração de resistência
Importante: manutenção do prisma como 
corpo de prova da alvenaria 
Estados limites
Impactos da nova norma de alvenariaImpactos da nova norma de alvenaria
9
1717/32/32
ESCOLA DE ENGENHARIA DE SÃO CARLOS \u2013 EESC/USP
DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA DE ESTRUTURAS - SET
Cálculo de alvenaria estrutural com blocos cerâmicos
Sumário
1 Escopo
2 Referências normativas
3 Termos e definições
4 Símbolos e termos abreviados
5 Requisitos gerais
6 Propriedades da alvenaria e de seus componentes 
7 Segurança e estados limites
8 Ações
9 Análise Estrutural
10 Limites para dimensões, deslocamentos e fissuras
11 Dimensionamento
12 Disposições construtivas e detalhamento
Anexo A Dano acidental e colapso progressivo
Anexo B Alvenaria protendida Informativos
Impactos da nova norma de alvenariaImpactos da nova norma de alvenaria
1818/32/32
ESCOLA DE ENGENHARIA DE SÃO CARLOS \u2013 EESC/USP
DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA DE ESTRUTURAS - SET
Componentes 
6.1.3 Graute
A influência na resistência deve ser verificada em laboratório, 
nas condições de sua utilização.
Fonte: ABCP
Impactos da nova norma de alvenariaImpactos da nova norma de alvenaria
10
1919/32/32
ESCOLA DE ENGENHARIA DE SÃO CARLOS \u2013 EESC/USP
DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA DE ESTRUTURAS - SET
Coeficientes de ponderação de resistências 
Tabela 6.2 \u2013 Valores de \uf067m
6.3.3 Compressão simples
A resistência característica fk: 
\u2022ensaio de paredes ou
\u2022estimada como 70% do prisma fpk
ou 85% da pequena parede fppk
1,01,01,51,51,51,5ExcepcionaisExcepcionais
1,151,151,51,51,51,5Especiais ou de construEspeciais ou de construççãoão
1,151,152,02,02,02,0NormaisNormais
AAççooGrauteGrauteAlvenariaAlvenariaCombinaCombinaççõesões