A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
55 pág.
1 - Fisioterapia no AVC

Pré-visualização | Página 1 de 2

Fisioterapia no acidente vascular cerebral
Candidata:
Allen Suzane de França
Olá pessoal, bom dia. Hoje a nossa aula será sobre uma das doenças neurológicas mais prevalente, e uma das principais causas de incapacidade temporária e permanente, que é o acidente vascular cerebral, ou avc. Essa patologia 
1
ROTEIRO DA AULA
Definição
Epidemiologia
Etiologia
Fisiopatologia
Manifestações clínicas
Avaliação Fisioterapêutica
Objetivos
Tratamento Fisioterapêutico
Fisioterapia no AVC
2
Bom, hoje nós iremos conceituar o avc, conhecer sua epidemiologia, ou seja, como está sua distribuição no brasil e no mundo. Nós iremos conhecer suas principais causas, como ela acontece, ou seja, qual o mecanismo da lesão, quais os sinais e sintomas, como nós iremos avaliar esse paciente, quais os objetivos da fisioterapia para o paciente acometido por avc e qual o tratamento adequado para este paciente.
2
O que é o Acidente Vascular Encefálico - AVC?
CONCEITO
Fisioterapia no AVC
3
E para começar, eu gostaria de saber, o que vocês entendem por AVC?
3
Insuficiência neurológica aguda e focal que resulta da desordem na circulação cerebral;
Qualquer doença vascular que cause isquemia ou hemorragia no hemisfério ou tronco encefálico;
Sinais e sintomas dependem da área afetada.
DEFINIÇÃO
(CARR;SHEPHERD, 2008)
Fisioterapia no AVC
4
Primeira causa de morte e incapacidade no Brasil;
Segunda principal causa de morte no mundo;
Acomete mais os adultos de meia idade e idosos;
Mortalidade no Brasil: 51,8 : 100.000;
Maiores de 80 anos correspondem a 35% das mortes.
Os homens são os mais acometidos.
EPIDEMIOLOGIA
Fisioterapia no AVC
5
Doenças cardíacas;
Infecção;
Trauma;
Neoplasia;
Malformação vascular;
Desordens imunológicas.
ETIOLOGIA
Fisioterapia no AVC
6
TROMBOSE
EMBOLIA
ATAQUE ISQUÊMICO TRANSITÓRIO - AIT
CLASSIFICAÇÃO
SUBARACNOIDE
INTRACEREBRAL
ISQUÊMICO
 HEMORRÁGICO
Fisioterapia no AVC
7
AVC ISQUÊMICO - TROMBOSE
Fisioterapia no AVC
8
AVC ISQUÊMICO - EMBOLIA
Trombo formado em outro local (êmbolo) – coração
Trombo se desprende e é bombeado junto com o sangue
O trombo é levado para o cérebro – oclusão da artéria cerebral de pequeno calibre – isquemia
Ausência de glicose e O2 – morte celular 
Fisioterapia no AVC
9
AVC ISQUÊMICO - AIT
Ataque Isquêmico Transitório - AIT
Oclusão temporária da artéria cerebral, sem causar dano
Os sintomas duram menos de 24 horas
Causado por microêmbolos ou hipotensão arterial sistêmica temporária
Fisioterapia no AVC
10
Episódio breve de disfunção neurológica ocasionado por um distúrbio focal de isquemia do cérebro ou da retina, com sintomas clínicos durando tipicamente menos de 1 h e sem evidências de um infarto
10
AVC HEMORRÁGICO 
Sangramento no tecido cerebral causado por ruptura de aneurisma, HAS crônica ou malformação arteriovenosa.
Elevação da PIC insuficiência do suprimento sanguíneo privação de glicose e O2 morte celular
Mortalidade elevada – maiores danos
Fisioterapia no AVC
11
AVC HEMORRÁGICO 
Hemorragia subaracnóide – 5% dos casos
Hemorragia intracerebral – 15% dos casos
Fisioterapia no AVC
12
20%
80%
Fisioterapia no AVC
‹nº›
14
Fisioterapia no AVC
FATORES DE RISCO
A prevenção reduz os custos especialmente em reabilitação e hospitalização. Essa prevenção deve ocorrer em todos os níveis de atenção, sendo a maior ênfase na atenção básica, alcançando principalmente aqueles que já tiveram um primeiro AVC e minimizando, dessa forma, riscos de recorrência e maiores comorbidades em longo prazo. A prevenção em saúde pois possibilita o seguimento da população identificada de forma diferenciada e facilita o desenvolvimento de uma parceria entre os serviços de Saúde e seus usuários em torno do mesmo objetivo, ou seja, da eliminação ou da redução desses fatores de risco.
14
15
Fisioterapia no AVC
MANIFESTAÇÕES CLÍNICAS
FASE AGUDA
Perda da consciência
Alteração da visão - hemianopsia
Paralisia – Paralisia Facial 
Hipotonia
Anestesia
Arreflexia
Edemas periféricos
MANIFESTAÇÕES CLÍNICAS
Fisioterapia no AVC
‹nº›
FASE SUBAGUDA
Recuperação do nível de consciência
Hemiplegia/Hemiparesia do lado contralateral a lesão
Hemianestesia
Reflexos anormais
Flacidez ou espasticidade
MANIFESTAÇÕES CLÍNICAS
Fisioterapia no AVC
‹nº›
FASE CRÔNICA
Hemiplegia espástica
Alterações da fala e linguagem
Alterações cognitivas
Déficit postural e de equilíbrio
Alteração da marcha
MANIFESTAÇÕES CLÍNICAS
Fisioterapia no AVC
‹nº›
Pesquisar sobre os tipos de hemiplegia espastica
18
MANIFESTAÇÕES CLÍNICAS
Artéria cerebral anterior
Artéria cerebral média
Artéria cerebral posterior
Área afetada
Fisioterapia no AVC
19
MANIFESTAÇÕES CLÍNICAS
Artéria cerebral anterior
Área afetada
Fisioterapia no AVC
20
MANIFESTAÇÕES CLÍNICAS
Artéria cerebral média
Área afetada
Fisioterapia no AVC
21
MANIFESTAÇÕES CLÍNICAS
Artéria cerebral posterior
Área afetada
Fisioterapia no AVC
22
COMPLICAÇÕES
Incontinência
Úlceras de decúbito
Pneumonia
Trombose venosa profunda – TVP
Problemas psicológicos: ansiedade, depressão, isolamento, irritabilidade
Fisioterapia no AVC
23
COMPLICAÇÕES
Subluxação do ombro - Paralisia de MS – 70%
Síndrome ombro-mão – distrofia simpática reflexa:
Dor no ombro, edema, sensibilização da mão e dedos, limitação dos movimentos da mão, rigidez das articulações metacarpofalangeanas (extensão) e interfalangeanas (flexão). 
Fisioterapia no AVC
24
HDA: Como surgiu? Quando? Quais os sintomas?
História Pregressa: AVC anterior? AIT? 
História familiar: AVC? Cardiopatia? AIT?
Comorbidades: diabetes, HAS.
Hábitos de vida: fatores de risco.
AVALIAÇÃO
FISIOTERAPÊUTICA
ANAMNESE
Fisioterapia no AVC
25
Inspeção global
EXAME FÍSICO
Padrão
Postural
Forma de Locomoção
Fisioterapia no AVC
26
AVALIAÇÃO
FISIOTERAPÊUTICA
Estado 
Mental
(MEEM – 1994)
Inspeção local
EXAME FÍSICO
Coloração da pele
Edema
Úlcera de decúbito
Trofismo
Deformidades
Fisioterapia no AVC
27
AVALIAÇÃO
FISIOTERAPÊUTICA
Palpação
EXAME FÍSICO
Tônus muscular – Escala de Ashworth
Hipertonia
Distonia
Hipotonia
Fisioterapia no AVC
28
AVALIAÇÃO
FISIOTERAPÊUTICA
Palpação
EXAME FÍSICO
Força muscular
ADM 
Manobras deficitárias
Dor - EVA
Sensibilidade: superficial, profunda e cortical combinada
Fisioterapia no AVC
29
AVALIAÇÃO
FISIOTERAPÊUTICA
EXAME FÍSICO
Atividade reflexa – Reflexos superficiais e profundos
Coordenação e equilíbrio – Escala de Berg
Funcionalidade - Escala da Medida de Independência Funcional(MIF)
Marcha
Fala – Afasia de Broca/Wernicke
Fisioterapia no AVC
30
AVALIAÇÃO
FISIOTERAPÊUTICA
EXAME FÍSICO
Fisioterapia no AVC
31
AVALIAÇÃO
FISIOTERAPÊUTICA
Avaliação respiratória
Ausculta pulmonar
Padrão respiratório
Frequência respiratória
Expansibilidade torácica
Eficácia da tosse
Uso da musculatura acessória
Qualidade de vida
Fisioterapia no AVC
32
AVALIAÇÃO
FISIOTERAPÊUTICA
Formulário Abreviado de Avaliação de Saúde 36 (SF-36)
Instrumento de Avaliação de Qualidade de Vida da Organização Mundial de Saúde (WHOQOL)
Escala Específica de Qualidade de Vida no AVE (SS-QOL)
PROGNÓSTICO
Etiologia
Gravidade
Localização
Recorrência de AVC
Idade
Comorbidades
Início do tratamento
Motivação do paciente
Participação da família
Fisioterapia no AVC
33
TRATAMENTO
EQUIPE MULTIPROFISSIONAL
Fisioterapia no AVC
34
Médico
Enfermeiro
Fisioterapeuta
Nutricionista
Fonoaudiólogo
Psicólogo
Terapeuta Ocupacional
Assistente Social
TRATAMENTO FISIOTERAPÊUTICO
Prevenir contraturas, deformidades, úlceras de decúbito e complicações respiratórias
Inibir espasticidade
Fortalecer musculatura 
Estimular movimento voluntário normal
Estimular propriocepção e tato
Recuperar marcha funcional
Facilitar AVD’s
OBJETIVOS
Fisioterapia no AVC
35