A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
290 pág.
Questão Social e Serviço Social

Pré-visualização | Página 41 de 50

para os Estados, o Distrito 
Federal e os Municípios, e comando único das ações em cada esfera de 
governo;
II - participação da população, por meio de organizações representativas, 
na formulação das políticas e no controle das ações em todos os níveis;
III - primazia da responsabilidade do Estado na condução da política de 
assistência social em cada esfera de governo.
Muitas alterações foram realizadas na LOAS, pela Lei nº 12.435/2011, que 
tem mostrado vários avanços e conquistas no sentido de incorporar normativos 
necessários à organização da Assistência Social no Brasil, efetivados em um 
sistema descentralizado e participativo caracterizado como SUAS – Sistema Único 
de Assistência Social.
FIGURA 21 – SISTEMA ÚNICO DE ASSISTÊNCIA SOCIAL
FONTE: Disponível em: <https://www.google.com.br/search?q=SUAS&biw>. Acesso em: 6 
jan. 2015.
UNI
Leia na íntegra a Lei nº 8.742, de 7 de dezembro de 1993, que dispõe sobre a 
organização da Assistência Social e dá outras providências. Disponível em: <http://www.mds.
gov.br/assistenciasocial>.
138
UNIDADE 2 | O NEODESENVOLVIMENTO NO CAPITALISMO E O ACIRRAMENTO DAS
 EXPRESSÕES DA QUESTÃO SOCIAL
A Norma Operacional Básica do Sistema Único de Assistência Social 
– NOB SUAS é que organiza o modelo da proteção social, normatizando e 
operacionalizando os princípios e diretrizes de descentralização da gestão e 
execução dos serviços, programas, projetos e benefícios referentes à assistência 
social na realidade brasileira.
Nesse sentido, sobre os avanços da Lei nº 12.435/2011 sobre a LOAS, no 
que diz respeito à Norma Operacional Básica do SUAS, Colin (2012) enfatiza que 
melhorou e qualificou a organização da assistência social, e descreve algumas 
conquistas:
QUADRO 13 – AVANÇOS DA LOAS A PARTIR DE 2011
Inclui entre os objetivos da Assistência Social a Proteção Social, a Vigilância 
Socioassistencial e Defesa de Direitos.
Estabelece os níveis de proteção social básica e especial.
Dispõe sobre os CRAS e CREAS como unidades de referência da Assistência 
Social.
Autoriza o pagamento de profissionais com recursos do cofinanciamento federal.
Institui o IGDSUAS e a obrigatoriedade de seu uso no fortalecimento dos 
Conselhos.
Estabelece que os Conselhos de Assistência Social são vinculados ao órgão gestor 
da política de assistência social.
Para efeitos do BPC, conceitua “família” e “pessoa com deficiência”. 
Institui o Paif, Paefi e Peti.
Estabelece que cabe ao órgão gestor da Assistência Social gerir o Fundo de 
Assistência Social, nas esferas de governo.
Estabelece que o cofinanciamento da política no SUAS, nas esferas de governo, 
se efetua por meio de transferências automáticas entre os Fundos de Assistência 
Social.
Efetiva alguns decretos, sendo um deles o Decreto n.º 5.209/2004, que cria o 
Programa Bolsa Família, dentre outros e outras ações normativas.
FONTE: Adaptado de: COLIN, Denise. NOB SUAS 2012. Secretaria Nacional de Assistência Social. 
Out., 2012. Disponível em: <file:///C:/Users/ACER/Downloads/SNAS_NOB%20SUAS%20-%20
Denise%20Colin_06.11.2012%20(2).pdf>. Acesso em: 15 jan. 2015.
TÓPICO 3 | A CRIAÇÃO E AMPLIAÇÃO DAS POLÍTICAS SOCIAIS BRASILEIRAS
139
O Conselho Nacional de Assistência Social – CNAS (2014) descreve que 
a LOAS, criada em 1993, foi alterada pela Lei nº 12.435, de 2011, que instituiu o 
Sistema Único da Assistência Social – SUAS. Assim especifica o artigo sexto da 
LOAS: “Art. 6º A gestão das ações na área de assistência social fica organizada sob 
a forma de sistema descentralizado e participativo, denominado Sistema Único 
de Assistência Social (SUAS), [...] (Redação dada pela Lei nº 12.435, de 2011)”. 
(BRASIL, 2015).
O Sistema Único de Assistência Social (SUAS) é um sistema público que 
organiza, de forma descentralizada, os serviços socioassistenciais no 
Brasil. Com um modelo de gestão participativa, ele articula os esforços e 
recursos dos três níveis de governo para a execução e o financiamento da 
Política Nacional de Assistência Social (PNAS), envolvendo diretamente 
as estruturas e marcos regulatórios nacionais, estaduais, municipais e 
do Distrito Federal (MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO SOCIAL 
E COMBATE À FOME, 2015).
Coordenado pelo Ministério do Desenvolvimento Social e Combate à 
Fome (MDS), o sistema SUAS é composto pelo poder público e sociedade civil, 
que participam diretamente do processo de gestão compartilhada. É um sistema 
público, não contributivo, descentralizado e participativo, destinado à gestão 
da assistência social, através da integração das ações dos entes públicos (União, 
Estados, Municípios e o Distrito Federal) responsáveis pela política socioassistencial 
e das entidades privadas de assistência social.
FIGURA 22 – ASSISTÊNCIA SOCIAL POLÍTICA SOCIAL PÚBLICA
FONTE: SÁ, Clara Carolina de. Sistema único de assistência social – SUAS. 
Departamento de Gestão do SUAS. Secretaria Nacional de Assistência Social. Ministério do 
Desenvolvimento Social e Combate à Fome. 2013. Disponível em: <http://pt.slideshare.
net/marciasilva65/apresentacao-vinculo-suas-loas>. Acesso em: 25 jan. 2015.
140
UNIDADE 2 | O NEODESENVOLVIMENTO NO CAPITALISMO E O ACIRRAMENTO DAS
 EXPRESSÕES DA QUESTÃO SOCIAL
O Sistema Único de Assistência Social – SUAS especifica em seu primeiro 
artigo a sua abrangência da função da política de assistência social:
Art. 1º A política de assistência social, que tem por funções a proteção 
social, a vigilância socioassistencial e a defesa de direitos, organiza-se 
sob a forma de sistema público não contributivo, descentralizado e 
participativo, denominado Sistema Único de Assistência Social – SUAS.
Parágrafo único. A assistência social ocupa-se de prover proteção à vida, 
reduzir danos, prevenir a incidência de riscos sociais, independente de 
contribuição prévia, e deve ser financiada com recursos previstos no 
orçamento da Seguridade Social (BRASIL, 2012).
Assim, constatamos que a política de assistência social se rege de forma 
decentralizada via SUAS e participativa a partir da criação e efetivação dos diversos 
conselhos, se efetivando por um sistema público, não tendo caráter contributivo, 
assim as pessoas que necessitarem da assistência não pagarão nada por ela, ou 
seja, a assistência social independe de contribuição anterior. 
Para concluir este assunto, indicamos como sugestão a leitura e estudo 
das Cartilhas efetivadas pelo CFESS, sobre os PARÂMETROS PARA ATUAÇÃO 
DO ASSISTENTE SOCIAL NA POLÍTICA DE ASSISTÊNCIA SOCIAL E NA 
POLÍTICA DE SAÚDE. 
FONTE: CONSELHO FEDERAL DE SERVIÇO SOCIAL. Gestão Tempo de 
Luta e Resistência (2011-2014). Parâmetros para Atuação de Assistentes 
Sociais na Política de Assistência Social. Série Trabalho e Projeto 
Profissional nas Políticas Sociais. CFESS: Brasília (DF), 2011. Disponível em: 
<http://www.cfess .org.br/arquivos/Cartilha_CFESS_Final_Grafica.pdf>. 
Acesso em: 15 jan. 2015.
TÓPICO 3 | A CRIAÇÃO E AMPLIAÇÃO DAS POLÍTICAS SOCIAIS BRASILEIRAS
141
FONTE: CONSELHO FEDERAL DE SERVIÇO SOCIAL – CFESS. LEI nº 8.662/1993 – 
Regulamentação da Profissão de Assistente Social. Parâmetros para a Atuação de 
Assistentes Sociais na Saúde. Brasília, 2010. Disponível em: <http://www.cfess.org.
br/arquivos/Parametros_para_a_Atuacao_de_Assistentes_Sociais_na_Saude.pdf>. 
Acesso em 15 jan. 2015.
142
RESUMO DO TÓPICO 3
Neste tópico estudamos a nova institucionalidade brasileira frente às 
novas expressões sociais, o significado e a abrangência das políticas sociais e as 
políticas públicas do Estado brasileiro, a evolução histórica da política social e a 
relação entre o Estado e a sociedade frente à questão social no que diz respeito 
aos padrões de proteção social, em que foram abordados os seguintes temas:
• Analisamos a origem, significado e abrangência das políticas sociais e das 
políticas públicas, assim podemos perceber que a