A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
115 pág.
slide de anatomia

Pré-visualização | Página 3 de 4

divisões celulares, novas 
células são acrescentadas 
para baixo, enquanto o 
tecido meristemático vai 
sendo deslocado para 
cima. 
 O crescimento em diâmetro deve-se ao 
meristema cambial, tecido constituído por uma 
camada de célula que se localiza entre o floema 
(casca interna) e o alburno. 
 
 Essas células amadurecem e se transformarem 
diretamente em xilema ou floema, ao se dividirem 
em novas células que se diferenciam nos vários 
constituintes da madeira. 
Crescimento do Caule em Diâmetro 
As células que constituem o 
câmbio são denominadas 
iniciais cambiais e são de dois 
tipos: as iniciais fusiformes e as 
iniciais radiais. 
 
As primeiras são alongadas e 
as segundas são ligeiramente 
arredondadas 
Crescimento do Caule em Diâmetro 
Iniciais fusiformes 
Iniciais radiais 
Fonte: ESAU 
As iniciais fusiformes 
são responsáveis pela 
formação de todo 
sistema axial do caule 
(fibras, traqueídeos, 
parênquima axial e 
elementos de vasos) 
 
Iniciais radiais originam 
o sistema radial (raios). 
Crescimento do Caule em Diâmetro 
 O crescimento em diâmetro do caule é realizado 
graças às iniciais fusiformes que se dividem 
tangencialmente em duas células: 
 
Uma delas permanece meristemática como a cambial 
inicial e a outra cresce, se divide uma ou mais vezes 
diferenciando-se em célula madura do floema ou xilema. 
Crescimento do Caule em Diâmetro 
Divisão das Células Cambiais 
c – Célula Mãe 
X – Célula Madura de Xilema 
X1 (a , a1 , b , b1) , X2 (a , b) – Célula Mãe de Xilema e seus derivados 
P e P1 – Células Mãe de Floema 
 
PANSHING & ZEEUW 
 A espessura do xilema é muito superior à do floema, 
devido as iniciais cambiais produzirem maior numero de 
células de xilema do que de floema. 
 
 Após um período de, aproximadamente, um ano, o 
floema perde sua atividade, deslocando-se para o 
exterior; constitui, assim a casca externa que se 
descama periodicamente. 
 
Crescimento do Caule em Diâmetro 
Crescimento da árvore 
 Os meristemas são altamente 
influenciados por condições climáticas, 
fato que origina a formação dos anéis 
de crescimento. 
Fonte: www.microscopy-uk.net 
Plano Transversal de Tronco de Pinus 
Desenvolvimento de Novas Células no Câmbio 
Inicial do 
câmbio 
Inicial câmbio 
Nova célula 
do xilema 
Crescimento 
Nova célula 
floema 
Inicial 
Célula xilema 
Célula floema 
Inicial 
Xilema jovem 
Xilema maduro 
Raio 
Z
o
n
a
 c
a
m
b
ia
l 
Vaso 
Xilema 
80 
Crescimento do Caule em Diâmetro 
Câmbio (divisão periclinal) 
a – a’ – Divisão periclinal de uma inicial fusiforme originando uma 
derivada xilemática 
b – b’ – Divisão periclinal de uma inicial fusiforme originando 
uma derivada floemática 
i= inicial 
 
Fonte: Glória & Guerreiro, 2003 
Câmbio (divisão anticlinal) 
a – a’ – Divisão anticlinal radial originando 
duas células de igual tamanho e dispostas 
lado a lado 
 
Fonte: Glória & Guerreiro, 2003 
Câmbio (divisão anticlinal) 
 Seções transversais do caule de cedro. A – Câmbio; parede anticlinal sendo 
formada (seta). B – Detalhe. 
 
 
 
Fonte: Glória & Guerreiro, 2003 
 
A B 
Câmbio (divisão anticlinal) 
 As células divisórias num plano radial (anticlinal) 
podem ser: 
- retas, originando uma estrutura organizada dos 
elementos celulares axiais e denominada estrutura 
estratificada; 
- Inclinadas, dando origem a uma estrutura sem 
organização especial desses elementos. 
Jacarandá da Bahia Ipê amarelo 
Estruturas estratificadas 
Estrutura não estratificada 
Fonte: Glória & Guerreiro, 2003 
Estrutura estratificada 
Millettia stuhlmannii Taub. (Panga panga) 
 
http://delta-intkey.com 
Anéis de Crescimento 
 Em regiões onde as estações do ano são bem 
definidas, as árvores apresentam, nas estações da 
primavera e verão, um rápido crescimento que pode 
diminuir ou cessar nas estações do outono e inverno. 
 
 Isso faz com que o câmbio tenha atividades 
periódicas, dando origem aos anéis de crescimento, que 
são bem distintos nas madeiras de gimnosperma ou 
conífera. 
Fonte: www.microscopy-uk.net 
 Esses anéis ou camadas apresentam um aspecto 
concêntrico quando observados no plano transversal 
Anéis de Crescimento 
E em forma de 
cones superpostos 
quando vistos no 
plano longitudinal – 
tangencial 
Anéis de Crescimento 
Anéis de Crescimento 
- Lenho de primavera, 
inicial ou precoce 
 
 
- Lenho de verão, tardio ou 
estival 
Fonte: www.microscopy-uk.net 
Anéis de Crescimento 
 Num anel, a madeira inicialmente formada recebe o nome de 
lenho inicial ou primaveril ou precoce. 
A madeira que se formou no fim do período de crescimento é 
denominada de lenho tardio, de verão ou estival. 
Fonte: www.microscopy-uk.net 
Anéis de crescimento de uma conífera 
Casca 
Anel anual 
Condições 
desfavoráveis 
para crescimento 
Condições 
favoráveis para 
crescimento 
Lenho 
tardio 
Lenho 
inicial 
Medula 
Anéis de Crescimento 
 O lenho inicial apresenta 
células com paredes delgadas, 
diâmetro maior e comprimento 
relativamente menor do que as 
do lenho tardio. 
Portanto o lenho inicial é 
menos denso do que o tardio 
Anéis de Crescimento 
 
 
Anéis de Crescimento 
Anéis de Crescimento - Folhosas 
 Em madeiras de angiospermas dicotiledôneas, 
comumente designadas de folhosas; os anéis de 
crescimento não são, algumas vezes, facilmente 
distintos, mas podem destacar-se por determinadas 
características anatômicas, tais como: 
 
Fonte: GLÓRIA & GUERREiRO, 2003 
Anéis de Crescimento - Folhosas 
- Parênquima marginal e 
alargamento dos raios no limite 
dos anéis de crescimento – 
Copaifera langsdorffii 
 
 Presença de uma faixa de células 
parenquimáticas nos limites dos 
anéis de crescimento (parênquima 
marginal) que aparece 
macroscopicamente como uma 
linha tênue de tecido mais claro. Ex: 
Mogno (Swietenia macrophylla) 
 Alargamento dos raios nos limites 
dos anéis de crescimento 
Anéis de Crescimento - Folhosas 
- Porosidade em anel – Quercus 
sp 
 
 Concentração maior de 
poros no início do período 
vegetativo (porosidade em 
anel). Ex: Cedro (Cedrella 
fissilis) 
 
Anéis de Crescimento - Folhosas 
Celtis occidentalis L., Celtis spp. Fonte: delta-intkey.com/wood/pt/www/ulmceocc.htm 
Anéis de Crescimento - Folhosas 
Fraxinus spp. Fonte: delta-intkey.com/wood/pt/www/ulmceocc.htm 
103 
Anéis de Crescimento 
Fonte: www.microscopy-uk.net 
 Nas regiões de clima 
tropical, onde não há estações 
bem definidas, os anéis que se 
formam no caule podem não 
corresponder aos períodos 
anuais de crescimento, como 
também pode ocorrer o 
aparecimento de mais de um 
anel de crescimento durante o 
ano. 
Anéis de Crescimento 
 É comum encontrar em troncos anéis de crescimento 
descontínuos (que não formam um circulo completo em torno 
da medula), ocorrem principalmente em árvores mas velhas 
que apresentam a copa assimétrica. 
 Falsos anéis de crescimento (quando se forma mais de um 
anel por período vegetativo): perda temporária da folhagem, 
estimulo de crescimento fora de época. 
 
 
106 
Anéis de Crescimento 
Anéis de crescimento descontínuos e Falsos anéis de 
crescimento: 
- Esses anéis podem ser muitas 
vezes detectados por não 
apresentarem um limite tão 
nítido como nos anéis 
verdadeiros. 
- Microscopicamente, a camada 
de células do lenho tardio 
decresce gradativamente

Crie agora seu perfil grátis para visualizar sem restrições.