Material de apoio II Penal I
90 pág.

Material de apoio II Penal I


DisciplinaDireito Penal I75.939 materiais1.270.577 seguidores
Pré-visualização5 páginas
Professora: Paula Regina P. de A. Martins
\uf096
Para Damásio de Jesus (2010, p. 56) a norma penal
pode ser entendida em sentido amplo e estrito.
\u201cEm lato sensu, norma penal é tanto a que define um
fato punível, impondo, abstratamente, a sanção,
como a que amplia o sistema penal através de
princípios gerais e disposições sobre os limites e
ampliação de normas incriminadoras.
Em sentido estrito, norma penal é a que descreve
uma conduta ilícita, impondo uma sanção.\u201d
Norma Penal
\uf096
Assim, há diversas formas de normas como
veremos a seguir:
a) Normas penais incriminadoras: tem por escopo
definir as infrações penais, proibindo ou impondo
condutas, desse modo, o seu não cumprimento se
sujeita a penalidade.
Podem ser primárias ou secundárias:
Primárias ou \u201cpreceptum iuris\u201d: são aquelas que
descrevem perfeita e detalhadamente a conduta
proibindo ou impondo;
Norma Penal
\uf096
Secundárias ou \u201csanctio iuris\u201d: tem por
objetivo a individualização da pena em
abstrato.
EX: Artigo 121. Matar alguém (norma
primária)
Pena \u2013 reclusão, de 6 (seis) a 20 (vinte)
anos (norma secundária)
Norma Penal
\uf096
b) Normas penais não incriminadoras: Possuem tais
finalidades, como:
1) Tornar licitas determinadas condutas;
2) Afastar a culpabilidade do agente, como no caso de
isenção de penas;
3) Esclarecer determinados conceitos;
4) Fornecer princípios penais para a aplicação da lei penal.
Norma Penal
\uf096
Há outro critério classificativo das normas penais
não incriminadoras, como:
a) permissivas; b) explicativas e c) complementares
a) Permissivas:
Podem ser:
Justificantes: afasta a ilicitude da conduta do
agente, por exemplo: arts. 23, 24 e 25 do CP.
Norma Penal
\uf096
Exclusão de ilicitude
Art. 23 - Não há crime quando o agente pratica o fato:
I - em estado de necessidade;
II - em legítima defesa;
III - em estrito cumprimento de dever legal ou no
exercício regular de direito.
Excesso punível
Parágrafo único - O agente, em qualquer das hipóteses
deste artigo, responderá pelo excesso doloso ou culposo.
Norma Penal
\uf096
Estado de necessidade
Art. 24 - Considera-se em estado de necessidade quem
pratica o fato para salvar de perigo atual, que não provocou
por sua vontade, nem podia de outro modo evitar, direito
próprio ou alheio, cujo sacrifício, nas circunstâncias, não era
razoável exigir-se.
§ 1º - Não pode alegar estado de necessidade quem tinha
o dever legal de enfrentar o perigo.
§ 2º - Embora seja razoável exigir-se o sacrifício do
direito ameaçado, a pena poderá ser reduzida de um a dois
terços.
Norma Penal
\uf096
Legítima defesa
Art. 25 - Entende-se em legítima defesa
quem, usando moderadamente dos meios
necessários, repele injusta agressão, atual ou
iminente, a direito seu ou de outrem.
Norma Penal
\uf096
Exculpantes: elimina a culpabilidade, isentando o
agente de pena, por exemplo: art. 26 \u201ccaput\u201d
e 28 do CP.
Art. 26 - É isento de pena o agente que, por doença
mental ou desenvolvimento mental incompleto ou
retardado, era, ao tempo da ação ou da omissão,
inteiramente incapaz de entender o caráter ilícito do
fato ou de determinar-se de acordo com esse
entendimento.
Norma Penal
\uf096
Art. 28 - Não excluem a imputabilidade penal:
I - a emoção ou a paixão;
Embriaguez
II - a embriaguez, voluntária ou culposa, pelo álcool ou
substância de efeitos análogos.
É isento de pena o agente que, por embriaguez completa,
proveniente de caso fortuito ou força maior, era, ao tempo da
ação ou da omissão, inteiramente incapaz de entender o
caráter ilícito do fato ou de determinar-se de acordo com esse
entendimento.
Norma Penal
\uf096
§ 2º - A pena pode ser reduzida de um a dois
terços, se o agente, por embriaguez,
proveniente de caso fortuito ou força maior,
não possuía, ao tempo da ação ou da omissão,
a plena capacidade de entender o caráter
ilícito do fato ou de determinar-se de acordo
com esse entendimento.
Norma Penal
\uf096
b) Explicativas: visam esclarecer ou explicitar
conceitos.
P. ex. os arts. 327 e 150, § 4º, do Código Penal,
quando tratam sobre o conceito de \u201cfuncionário
público\u201d e de \u201ccasa\u201d.
Art. 327 - Considera-se funcionário público, para os
efeitos penais, quem, embora transitoriamente ou
sem remuneração, exerce cargo, emprego ou função
pública.
Norma Penal
\uf096
Art. 150 - Entrar ou permanecer, clandestina ou
astuciosamente, ou contra a vontade expressa ou
tácita de quem de direito, em casa alheia ou em suas
dependências:
§ 4º - A expressão "casa" compreende:
I - qualquer compartimento habitado;
II - aposento ocupado de habitação coletiva;
III - compartimento não aberto ao público, onde
alguém exerce profissão ou atividade.
Norma Penal
\uf096
c) Complementares: fornecem princípios gerais para
a aplicação da lei penal. P. ex. o art. 59, do CP,
quando trata sobre a aplicação de pena.
Art. 59 - O juiz, atendendo à culpabilidade, aos
antecedentes, à conduta social, à personalidade
do agente, aos motivos, às circunstâncias e
consequências do crime, bem como ao
comportamento da vítima, estabelecerá,
conforme seja necessário e suficiente para
reprovação e prevenção do crime:
Norma Penal
\uf096
I - as penas aplicáveis dentre as cominadas;
II - a quantidade de pena aplicável, dentro dos
limites previstos;
III - o regime inicial de cumprimento da pena
privativa de liberdade;
IV - a substituição da pena privativa da
liberdade aplicada, por outra espécie de pena,
se cabível.
Norma Penal
\uf096
Normas penais em branco
São aquelas nas quais, embora haja uma
descrição da conduta proibida, se faz
necessário um complemento por outro
dispositivo vigente, como as leis, os decretos,
portarias, regulamentos, entretanto, desde que
sejam proibitórios ou impostos pela norma
penal.
Norma Penal
\uf096
A exemplo temos a Lei n. 11.343/2006,
conhecida como a Lei de Drogas.
As normas penais em branco podem ser
classificadas como:
a) Homogêneas: em que seu complemento
provém da mesma fonte legislativa. P. ex. o
artigo 237, do CP, conjuntamente com o
art. 1.521, do Código Civil. Ambas as normas
foram produzidas pelo mesmo veiculo normativo
e pela mesma origem, ainda que dispositivos
distintos.
Norma Penal
\uf096
Art. 237 - Contrair casamento, conhecendo a
existência de impedimento que lhe cause a
nulidade absoluta:
Do Casamento
Art. 1.521. Não podem casar:
I - os ascendentes com os descendentes, seja o
parentesco natural ou civil;
II - os afins em linha reta;
Norma Penal
\uf096
III - o adotante com quem foi cônjuge do adotado e
o adotado com quem o foi do adotante;
IV - os irmãos, unilaterais ou bilaterais, e demais
colaterais, até o terceiro grau inclusive;
V - o adotado com o filho do adotante;
VI - as pessoas casadas;
VII - o cônjuge sobrevivente com o condenado por
homicídio ou tentativa de homicídio contra o seu
consorte.
Norma Penal
\uf096
b) Heterogêneas: seu complemento é
proveniente de norma diversa daquela que a
editou. P. ex. a Lei de Drogas, em seu artigo 28,
complementado pela autarquia federal vinculada
ao Poder Executivo, a ANVISA, do Ministério
da Saúde.
É importante assinalar que, a fonte de produção é
necessária para distinguir as normas penais em
branco heterogêneas das homogêneas.
Norma Penal
\uf096
Normas penais incompletas ou imperfeitas:
São aquelas que necessitam de outro texto
normativo para saber qual a sanção a ser
imposta. Por exemplo: A Lei n. 2.889/56, que
define e pune o crime de genocídio, mas
remete ao art. 121, § 2º, do CP, tratando do
quanto a pena a ser cominada.
Norma Penal
\uf096
Art. 121. Matar alguem:
§ 2° Se o homicídio é cometido:
I - mediante paga ou promessa de