A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
14 pág.
DERMATOZOONOSES

Pré-visualização | Página 1 de 2

DERMATOZOONOSES. (14/05)
TBL
A letra D está incorreta porque nem sempre tem necessidade de um novo tratamento específico.
A letra C está incorreta porque o comprometimento da imunidade do paciente é o fator causal da sarna norueguesa e não a maior virulência do agente causal.
A: A transmissão se dá por contato direto com doentes ou por relação sexual.
B: O uso de sabonetes escabicidas não tem benefícios, pode causar outros sintomas e causar dermatite.
A permetrina é um ótimo tratamento, um dos melhores tratamentos tópicos, o único problema dela é de encontra-la no mercado.
O tratamento tópico em si da escabiose são substâncias componentes dos irritantes primários de contato, o sabonete escabicida irá piorar isso.
C: A primeira hipótese a ser levantada é uma reação de hipersensibilidade
D ( Correta) : O período de incubação é até três semanas e se for segunda infestação a resposta pode ser mais precoce.
A letra B está incorreta porque a lesão característica da tungíase é produzida pela fêmea.
A letra C está incorreta porque a cimidíase é causada pelo pervejo.
AULA
Na Escabiose a gente viu:
- É uma doença basicamente pruriginosa, então prurido é o que mais chama atenção, normalmente é noturna, mas não obrigatoriamente porque depende muito do hábito de sono do indivíduo.
- A gente tem várias variedades de Sarcoptes, cada sarna é específica pra uma espécie. 
-O contato é direto, pode acontecer eventualmente de ter o contato indireto porque ela pode ficar algumas horas no ambiente.
-Não tem predileção por sexo, idade ou raça.
-É endêmica, com surtos epidêmicos (promiscuidade sexual)
Quando uma pessoa tem muito hábito de higiene, toma vários banhos por dia ela se manifesta em uma escabiose que a gente chama de escabiose bulítica, com pouquíssimas lesões e isso acaba dificultado o diagnóstico.
-Exclusivo da pele do homem, morrendo algumas horas quando fora dela (24-46h)
Etiopatogenia:
 Espécie Sarcoptes scabiei, var. hominis
- Produzida pela fêmea fecundada 
- Penetra na epiderme, fazendo um túnel subcórneo, ( que teria a lesão elementar principal da Escabiose, mas é difícil a gente ver o túnel, a gente vê a PÁPULA ESCORIADA) com progressão noturna 2-3mm/dia.
-Elimina 40-50 ovos e morre em seguida.
- Cada ovo elimina em 3-5 dias, uma larva hexápode que se transforma em ninfa e chega a fase adulta (15 dias)
Clinicamente tem aquele período de incubação que varia de 3 a 4 semanas, mas que pode ser mais curto, isso varia também e pode ser muito menor de 1 a 2 dias se o paciente já tiver a hipersensibilidade ao Sarcoptes.
-Sulco com pequena saliência linear, 1 cm, e em uma das extremidades há uma vésico-pápula.
-Prurido: Alérgico: eosinofilia sanguínea elevada
Quando o parasita tá dentro da célula você precisa de uma imunidade celular efetiva, quando um organismo ele é grande, ele não fica dentro da célula, na circulação, nos tecidos aí geram a imunidade humoral, que é a imunidade de produção de anticorpos e as parasitoses são esse tipo de doença com uma imunidade predominantemente humoral. E dentro desse contexto existe uma importância muito grande dos eosinófilos, eles não produzem anticorpos, quem produzem os anticorpos são os linfócitos B, mas eles produzem outros fatores que ajudam no combate desses parasita e é por isso que todas as parasitoses de uma maneira geral causam eosinofilia, então se a gente faz um exame de sangue e os eosinófilos estão aumentados ou o indivíduo tem uma alergia ou uma parasitose.
 Mecânico: progressão do parasita a noite (calor do leito)
Clínica:
Mas muitas vezes, o que a gente vê na Escabiose são pápulas ou até mesmo placas eritematosas , algumas vezes até urticárias e placas escoriadas, porque coça muito.
-Áreas mais afetadas: dedos, pregas interdigitais, punhos, cotovelos, mamilos, axilas, genitália, nádegas, hipogástrio.
-Prurido noturno
-Papulocrostas, articariformes
-Escoriações, impetiginação secundária ( como o indivíduo vai coçar muito, ele coça, cria várias escoriações, várias portas de entrada, além disso sua própria mão já pode levar bactérias pra ali e causar uma infecção secundária, ai além de você ter Escabiose, você vai ter uma infecção bacteriana ali no local. Precisando tratar a bactéria com o antibiótico e o ácaro com o escabicida.
-Sacro escrotal e pênis: nódulos eritematosos típicos, muito pruriginosos, podendo persistir após o tratamento.
Sarna Crostosa: Norueguesa
-Hábitos higiênicos precários, neuropatas, deficientes mentais, imunodeprimidos.
-Grande quantidade de parasitas.
-Crostas estratificadas
-Unhas, face, cabeça e regiões palmoplantares.
-HTLV-1
DD: Psoríase, doença de Darier, farmacodermias, dermatite seborreica e eczemas.
 Diagnóstico:
Clínico: prurido noturno, localização
Visualização direta
DD: dermatite atópica, erupção medicamentosa, urticária papulosa, picadas de insetos e piodermites.
Tratamento:
-Tratar contactantes ( a pessoa pode estar com o ácaro mas ainda estar na fase de incubação)
-Tratar infecção secundária
-Lavar roupas até após o segundo dia de tratamento
Permetrina 5% loção 
Benzoato de benzila 10-25%, mais irritante ainda
Enxofre 5-10% em vaselina líquida ou pasta d’agua, tem uma grande vantagem que vai poder ser usado em bebezinhos, em gestantes também.
O tratamento, em geral, só o tópico resolve.
Adulto-pescoço para baixo
Criança até 10 anos: inclusive no couro cabeludo
Remover medicação na manhã seguinte 
Repetir 2-3 noites seguidas e repetidas 1 semana após.
Ivermectina 6mg/kg/peso- evitar crianças < 15 kg ou 6 anos, amamentação. Repetir após dez dias. Uma aplicação de doze horas.
O tratamento oral é recomendado se for um caso mais extenso, ou se for uma sarna crostosa aí é obrigatório.
- Prurido pode persistir ao ácaro, mesmo após o tratamento.
-Dermatite de contato por irritante primário. As medicações são potencialmente irritantes.
-Corticoide local 2-3x/dia, para ajudar a coceira.
-Nódulos pênis:CTC alta potência 3-4x/dia até desaparecimento. Pode ser usado intralesional. Pode precisar injetar pra que a lesão desinflame.
Pediculose (piolho):
-Dermatose pruriginosa 
-Produzida por piolhos 
Capitis, é o mais comum
Corporis
Pubis
Epidemiologia:
-Baixo nível socioeconômico
-Ectoparasitose mais comum
-Pode sobreviver 1-2 semanas fora do organismo humano
-Transmissão por contato direto, pessoa ou por objetos
-Capitis: Escolares e mulheres
-Corporis: adultos
-Pubis: adultos, mendigos, soldados em campanha, regiões frias.
Etiologia:
-Pubis,Corporis<Capitis
-Pubis é achatado-CHATO
-Perfuram a pele com prosbócides, pois são hematófagos, ao mesmo tempo inoculam substâncias irritantes e sensibilizantes.
-Manifestações clínicas: hipersensibilidade em torno de 10 dias
Clínica:
Capitis
- Prurido intenso
-Preferência occipital e retroauriculares
-Escoriações
-Infecções secundárias
Tudo o que coça né, pode causar infecções secundárias
-Adenopatia
-Parasito e lêndeas
Corporal
-Papulourticariformes e hemorrágicas: picada e inoculação salivar
-Tronco, abdome e nádegas, as vezes nos membros
-Escoriações lineares, liquenificação e pigmentação
Pubis
- Parasita fixa firmemente, injetando saliva que altera a hemoglobina, originando manchas puntiformes cerúleas
-Prurido intenso
-Escoriações, crostículas hemorrágicas
-Impetiginização, eczematização secundarias
-Regiões pubiana e perineal
-Abdome, tórax, coxas, região supraciliar (eventualmente pode subir)
Diagnóstico:
Clínico
Visualização do parasita (Dermatoscópio)
TRATAMENTO:
As medicações são semelhantes a da escabiose, em concentrações menores
-Remoção lêndeas
-1 noite repetir após 8-10 dias (por causa do ciclo do piolho, tratando o adulto e não o ovo)
 Benzoato de Benzila 25%
 Monossulfiram 25%
-Ivermectina (caso tenha a resistência ao medicamento tópico)
-Permetrina shampoo 1%
Dermatite vesicante por Paederus:
-Provocada por insetos coleópteros do gênero Paederus
-Potós
-Líquido tem ação caústica e vesicante
Epidemiologia: