APOL - QUESTÃO INDÍGENA NO BRASIL: UMA PERSPECTIVA HISTÓRICA
9 pág.

APOL - QUESTÃO INDÍGENA NO BRASIL: UMA PERSPECTIVA HISTÓRICA


DisciplinaQuestão Indigena no Brasil206 materiais188 seguidores
Pré-visualização3 páginas
Questão 1/5 - Questão Indígena no Brasil: Uma Perspectiva Histórica
Leia a citação: 
\u201cA mestiçagem é a linguagem privilegiada pelos Karajá de Buridina para falar da mistura, justamente porque o corpo mestiço, contendo em si os dois sangues, sem nunca misturá-los, encarna ele próprio o modelo da relação entre as perspectivas: contendo ambos os pontos de vista em si, ele é a própria relação\u201d. 
Após esta avaliação, caso queira ler o texto integralmente, ele está disponível em: NUNES, Eduardo S. A cruz e o itxe(k)ò: mestiçagem, mistura e relação entre os Karajá de Buridina (Aruanã \u2013 GO). Associação Brasileira de Antropologia, Brasília, s.d. <http://www.abant.org.br/conteudo/000NOTICIAS/Premios/LeviStrauss/Eduardo_Nunes.pdf>. Acesso em 28 jan. 2019. 
Considerando a citação e os conteúdos do livro-base Questão indígena no Brasil: uma perspectiva histórica sobre a classificação dos mestiços elaborada pelos carajás, é correto afirmar que:
Nota: 20.0
	
	A
	O conceito de índio puro corresponde ao fruto do casamento de dois membros dos carajás.
Você acertou!
A resposta correta é a letra a). \u201cO primeiro conceito é o do índio puro, que corresponde ao fruto do casamento de dois membros dos carajás\u201d. (livro-base, p. 208). Esclarecendo as demais alternativas, podemos mencionar: \u201cPor fim, há o tori, que designa o filho de mestiços com não índio, normalmente descendente de casamento com brancos regionais. O termo tori também é utilizado para nomear os brancos (brasileiros). Os carajás tendem a concordar com o fato de que casamentos com brancos causariam uma quebra nas relações culturais, isto é, um afastamento da cultura indígena. [\u2026]  Os índios têm uma teoria sobre a mestiçagem que permite idas e voltas entre as respectivas categorias corporais. Nesse sentido, ao contrário do que se pensou por muito tempo em nossa sociedade, nem os próprios índios acreditam em classificações culturais fixas e impermeáveis\u201d. (livro-base, p. 208-211).
	
	B
	O tori, que designa o filho de mestiços com índio puro, é descendente de casamento com outros índios puros.
	
	C
	O termo tori também é utilizado para nomear os índios puros, ou seja, filhos de pai e mãe carajás.
	
	D
	Os carajás discordam que casamentos com brancos provocam uma quebra nas relações culturais indígenas.
	
	E
	Os índios têm uma teoria sobre a mestiçagem que permite acreditar em classificações culturais fixas e impermeáveis.
Questão 2/5 - Questão Indígena no Brasil: Uma Perspectiva Histórica
Atente para a citação: 
\u201cAssim, se foram os europeus que rotularam de \u2018idolatrias\u2019 as atitudes indígenas de apego às suas tradições \u2013 reiterando com isso o estigma judaico-cristão lançado contra os \u2018cultos gentios\u2019 \u2013 nem por isso se deve abandonar o uso daquela expressão que, de todo modo, encarnou a mais profunda resistência nativa à ação deletéria do colonialismo\u201d. 
Após esta avaliação, caso queira ler o texto integralmente, ele está disponível em: VAINFAS, Ronaldo. Idolatrias e milenarismo: a resistência indígena nas Américas. Estudos Históricos, Rio de Janeiro, vol. 5, n. 9, p. 29-43,1992. <http://bibliotecadigital.fgv.br/ojs/index.php/reh/article/viewFile/2329/1468>. Acesso em 10 jan. 2019. 
Considerando a citação e os conteúdos do livro-base Questão indígena no Brasil: uma perspectiva histórica relacione corretamente as seguintes idolatrias às suas respectivas características: 
Idolatrias ajustadas.
Idolatrias insurgentes. 
(  ) Eram marcadas pela característica de embate ao cristianismo e à colonização.
( ) Ocorriam no ambiente doméstico em que rituais de nominação, casamento e adivinhação seguiam sendo realizados nos moldes da época da pré-conquista.
( ) Atividades de trabalho, antigas rezas e formas de explicação de fenômenos naturais continuavam a coexistir com a doutrina católica.
( ) Tentavam retomar uma organização social ideal ou pregavam a volta de valores culturais do passado. 
Agora, selecione a alternativa que apresenta a sequência correta:
Nota: 20.0
	
	A
	1 \u2013 1 \u2013 2 \u2013 2
	
	B
	2 \u2013 2 \u2013 1 \u2013 1
	
	C
	2 \u2013 1 \u2013 2 \u2013 1
	
	D
	1 \u2013 2 \u2013 2 \u2013 1
	
	E
	2 \u2013 1 \u2013 1 \u2013 2
Você acertou!
A sequência correta é 2 \u2013 1 \u2013 1 \u2013 2. Como nos diz o livro-base: \u201cAs idolatrias ajustadas ocorriam no ambiente doméstico em que rituais de nominação, casamento e adivinhação seguiam sendo realizados nos moldes da época da pré-conquista, sem contraposição ao cristianismo. Também atividades de trabalho, antigas rezas e formas de explicação de fenômenos naturais continuavam a coexistir com a doutrina católica\u201d. (Livro-base, Questão indígena no Brasil: uma perspectiva histórica p. 63). \u201cJá as idolatrias insurgentes eram marcadas pela característica de embate ao cristianismo e à colonização [...]. Tentavam retomar uma organização social ideal ou pregavam a volta de valores culturais do passado\u201d. (Livro-base Questão indígena no Brasil: uma perspectiva histórica, p. 63-64).
Questão 3/5 - Questão Indígena no Brasil: Uma Perspectiva Histórica
Leia a citação: 
\u201cDessa forma o aldeamento ocupa função elementar na vida econômica da colônia, pois além de arregimentar e controlar a mão de obra disponível que efetivamente movia as estruturas da sociedade, eles serviam de escola de transformação e aprendizagem dos índios em súditos fiéis, que na prática eram vassalos úteis os interesses do El-rei e dos seus representantes\u201d. 
Após esta avaliação, caso queira ler o texto integralmente, ele está disponível em: ANTUNES, Ticiana de Oliveira. Aldeamento Enquanto Lócus de Recriação Identitária: Uma Análise do Aldeamento Montemor \u201cO Velho da América\u201d dos Índios Payacú do Ceará. In: Anais do XXVI Simpósio Nacional de História \u2013 ANPUH \u2022 São Paulo, julho 2011.<http://www.snh2011.anpuh.org/resources/anais/14/1300875710_ARQUIVO_PropostadetrabalhoparaANPUH2011.pdf>. Acesso em 19 jan. 2019. 
Considerando a citação e os conteúdos do livro-base Questão indígena no Brasil: uma perspectiva histórica sobre as aldeias do Serviço Real, é correto afirmar que:
Nota: 20.0
	
	A
	Os índios aldeados eram utilizados estritamente para o serviço do Estado.
Você acertou!
A resposta correta é a letra a). \u201cOs aldeamentos missionários obedeciam a uma certa tipologia, que pode ser assim descrita: aldeias do serviço das ordens religiosas, cuja renda revertia para as mesmas ordens como complementação da dotação que lhes fornecia o Estado; aldeias do Serviço Real, onde os índios aldeados eram utilizados estritamente para o serviço do Estado; aldeias de repartição, cuja mão de obra era destinada aos moradores; e finalmente as missões afastadas dos núcleos urbanos que, embora sofressem desfalque de população devido à demanda das expedições, eram unidades autônomas de produção\u201d. (Livro-base, p. 149-150).
	
	B
	A mão de obra dessas aldeias era destinada aos colonos.
	
	C
	A renda produzida na aldeia era revertida para as ordens religiosas, como a Companhia de Jesus.
	
	D
	Eram missões afastadas dos núcleos urbanos que, embora sofressem desfalque de população devido à demanda das expedições, eram unidades autônomas de produção.
	
	E
	Possuía a maioria dos indígenas aldeados, cerca de dois terços de toda a população que vivia em aldeamentos.
Questão 4/5 - Questão Indígena no Brasil: Uma Perspectiva Histórica
Leia a seguinte informação: 
\u201cAs \u2018santidades\u2019 indígenas apropriaram-se não apenas dos signos exteriores, como também da fala dos padres católicos, certos de poder exercer o ministério sacerdotal. [\u2026] Trata-se de um exemplo extraordinário da situação simbolicamente \u2018híbrida\u2019, na qual a fronteira entre \u2018eu\u2019 e \u2018outro\u2019 (e, do lado missionário, entre \u2018lícito\u2019 e \u2018ilícito\u2019) torna-se sutil e confusa\u201d. 
Após esta avaliação, caso queira ler o texto integralmente, ele está disponível em: POMPA, Cristina. Profetas e santidades selvagens. Missionários e caraíbas no Brasil colonial. Revista Brasileira de História, São Paulo, v. 21, n. 40, p. 177-195, 2001 <http://www.scielo.br/pdf/rbh/v21n40/a09v2140.pdf>. Acesso em 25 jan. 2019. 
Conforme os conteúdos