Logo Passei Direto

A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
205 pág.
sociedade educação e cultura

Pré-visualização | Página 12 de 50

histórico, filosófico e sociológico das escolas 
luteranas no Paraná (1853-1992); expectativas socioeducacionais dos alunos, 
em Expectativas socioeducacionais de um grupo de alfabetizandos, jovens e adultos no 
distrito federal; autoridade dos professores, em A autoridade do professor: um estudo 
das representações de autoridade em professores de 1º e 2º graus; representações das 
crianças e dos adolescentes, em Um estudo de caso: as representações das crianças e 
dos adolescentes pobres de rua atendidos pela linha emergencial da associação beneficente 
São Martinho da rua, da família, da escola e do trabalho; e educação e modernidade, em 
Educação e Emancipação: Da Revolução à Resistência. [...]
Limites e potencialidades dos trabalhos acadêmicos em foco
Fátima (1997), Nunes (1999), Porto (1986) e Santos (1990) apresentam 
uma abordagem da teoria sociológica weberiana de maneira superficial, não 
as vinculando às discussões originadas do referencial teórico de Weber com as 
conclusões da dissertação. Em contrapartida, Farias (2001) retoma conceitos de 
Weber nas conclusões, mas não incorpora as reflexões do autor para pensar a 
educação. Outro exemplo de uma leitura apressada das formulações do autor foi 
encontrado no estudo de Farenzena (1990), quando a autora responsabiliza Weber 
pelo crescimento da burocracia nos sistemas educacionais. 
A referida autora, conforme foi ressaltado anteriormente, utilizou 
conceitos de Weber e Marx sem dar maiores esclarecimentos ao leitor sobre as 
suas escolhas teóricas tão contraditórias. Lemke (1992) faz referências à teoria 
weberiana utilizando-se dos comentadores de sua obra – recurso frequente 
nos trabalhos analisados. No entanto, observa-se um certo exagero nessa 
apropriação: o autor da dissertação afirma que Weber ficou sem amigos por 
conta da neutralidade axiológica. Afirma, ainda, que "Weber passava por ateu, 
mas a sociologia religiosa é fundamental para a análise da sociedade" (Lemke, 
1992, p. 5). Declara, sem citar a fonte, que "Weber tinha consciência das falhas 
de sua teoria. Muitos o condenaram. Ele respondeu: 'enquanto não tivermos 
algo melhor” (Lemke, 1992, p. 5). Nunes (1999), apesar de citar dois livros do 
sociólogo nas referências, se ampara em comentadores da obra de Weber para 
as suas conclusões a respeito de interpretações controvertidas da obra do autor. 
As avaliações imprecisas e superficiais da obra de Weber servem para 
reforçar o argumento de Costa; Silva (2002) sobre a dificuldade de relacionamento 
entre a sociologia e a educação, em função de muitos trabalhos basearem-se em 
leituras rápidas e acríticas das teorias sociológicas citadas. 
36
UNIDADE 1 | UM CONVITE À SOCIOLOGIA: CONCEITOS E APLICAÇÕES
Acrescento a esta constatação a seguinte advertência de Alves-Mazzotti 
(2002, p. 33): “Em qualquer circunstância, porém, a literatura revista deve formar 
com os dados um todo integrado: o referencial teórico servindo à interpretação e as 
pesquisas anteriores orientando a construção do objeto e fornecendo parâmetros 
para a comparação com os resultados e conclusões do estudo em questão”. 
Enfim, o problema detectado não é uma particularidade dos estudos 
focalizados no presente trabalho e, sim, uma deficiência a ser enfrentada nos 
programas de pós- graduação em educação. Convém ressaltar um outro aspecto 
problemático na análise dos trabalhos citados anteriormente, que consiste na falta 
de referências entre si de trabalhos que, muitas vezes, tratam do mesmo tema. 
Um exemplo: Gonzalez (2000), ao abordar o tema Max Weber e a educação, não 
menciona a dissertação de Carvalho (1997). Este aspecto também é observado nas 
dissertações que tratam do tema da burocracia.
Observei o resgate da teoria sociológica de Weber tanto a partir de suas 
formulações sobre a sociologia compreensiva como em abordagens em temas 
focais, como nas dissertações que tratam da burocracia. Contudo, constatei, 
também, que as formulações teóricas do sociólogo, nas duas perspectivas, são 
timidamente articuladas à compreensão dos fenômenos educacionais. Em função 
deste aspecto, considero valiosas as contribuições dos estudos que tratam do tema 
Max Weber e a educação. 
FONTE: <www.anped.org.br/reunioes/26/.../waniareginacoutinhogonzalez.rtf>. Acesso em: 2 jan. 2012.
37
RESUMO DO TÓPICO 2
Neste tópico, você aprendeu que:
• Diferente de outros pensadores da Sociologia em épocas passadas, Karl Marx 
não foi apenas um pensador, mas também um revolucionário.
• O fetichismo representa uma contradição fundamental da produção de 
mercadorias: confusão de relações entre pessoas com relações entre coisas.
• O marxismo prevê que o proletariado se libertará dos vínculos com as forças 
opressoras e, com isso, dará origem a uma nova sociedade.
• Em “O Capital”, Marx realiza uma investigação profunda sobre o modo de 
produção capitalista e as condições de superá-lo, rumo a uma sociedade sem 
classes e na qual a propriedade privada seja extinta.
• Para Marx, o homem é parte da natureza. Ele afirma que Darwin redescobre, em 
meio a animais e plantas, o funcionamento da sociedade.
• A educação, para Marx, participa do processo de transformação das condições 
sociais, mas, ao mesmo tempo, é condicionada pelo processo.
• Max Weber afirmou que a Sociologia deve sempre buscar compreender os 
fenômenos “no nível do significado” dos atores, o que os atores veem e sentem 
durante suas ações na sociedade. Também é necessário examinar o contexto 
cultural criado quando os atores sociais interagem.
• Weber considera que resta ao homem moderno enfrentar o destino com coragem 
frente às exigências do cotidiano e não ficar à espera de novos profetas e novos 
salvadores.
• Weber inspira ainda uma autorreflexão contínua na academia sobre as tradições 
e a modernidade, não podendo de forma alguma ser desprezado por quem 
deseja compreender a nossa sociedade. 
• Para Weber, o objetivo fundamental do educador é proporcionar aos alunos um 
conteúdo que incentive a reflexão própria, porém para que isso aconteça não 
basta somente estar atento ao conteúdo, mas também à maneira como este é 
transmitido.
• O tema da educação ou da pedagogia em Weber fica mais claro em sua análise 
da política, tanto como disciplina científica quanto ação dos indivíduos.
• As ideias de Weber ainda têm reflexo, principalmente no âmbito da educação.
38
1 Sintetize as principais ideias de Karl Marx no campo da Sociologia da Educação.
2 Sintetize as principais ideias de Max Weber sobre a educação.
3 Escreva exemplos do cotidiano em que podemos observar as ideias de Karl 
Marx e Max Weber. Apresente as ideias que você acredita serem válidas, ou 
não, ainda hoje. Argumente em defesa da sua posição.
4 Weber afirmava que a análise sociológica deveria ser isenta de juízos de valor, 
ou objetiva e neutra em questões morais. Além disso, aponta que...
Assinale a alternativa CORRETA:
a) ( ) O objetivo da sociologia é criticar as desigualdades sociais. 
b) ( ) A sociologia nada pode contribuir para sanar as desigualdades sociais. 
c) ( ) O objetivo da existência da sociedade é para que alguns homens vivam 
para dominar os que não têm condições de guiar-se na sociedade. 
d) ( ) O objetivo da Sociologia é identificar e entender como e por que nascem 
as regras na sociedade e como elas funcionam.
5 Assinale a alternativa CORRETA:
Entre as ideias de Marx estão:
a) ( ) A natureza da sociedade era contraditória, por isso os proletários 
deveriam unir-se na construção de uma sociedade mais justa. 
b) ( ) Cada homem é dono de uma propriedade (o corpo) e cada um ganha 
conforme o valor agregado a sua propriedade. Sendo assim, nada mais 
justo, aos que agregam mais valor a sua propriedade, ganharem mais. 
c) ( ) O capitalismo é um sistema justo e beneficia os que trabalham com 
dedicação. 
d) ( ) Os proletários
Página1...8910111213141516...50