Logo Passei Direto

A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
232 pág.
protocolo saúde da mulher 2016

Pré-visualização | Página 7 de 50

10 O SOAP é um modelo 
de registro em saúde adequado para o cuidado na Atenção Básica e para as diferentes práticas 
profissionais, cuja estrutura reflete a complexidade dos cuidados básicos de saúde (favorecendo a 
continuidade, a integralidade e a coordenação do cuidado), com destaque para suas categorias de 
problemas e avaliação (não restritas às categorias de “doença” e “diagnóstico”, respectivamente), 
bem como de plano de cuidados (em suas dimensões de propedêutica, terapêutica, educativa e de 
seguimento/acompanhamento).10, 11 
Também foram utilizados como referência, na concepção do formato dos protocolos, os 
quadros-síntese da linha de cuidado da gestante e da puérpera do estado de São Paulo (SUS-
SP), especialmente no que se refere ao detalhamento das ações realizadas no próprio quadro, 
bem como no destaque aos profissionais que realizam tais ações, indo ao encontro de um modelo 
consonante aos objetivos ético-políticos dos Protocolos da Atenção Básica.12
Nos quadros-síntese dos Protocolos da AB, são utilizados três termos ao denotar “quem faz” 
(última coluna dos quadros), isto é, as categorias profissionais responsáveis pela realização das 
ações do ponto de vista técnico e legal: equipe multiprofissional, enfermeiro(a)/médico(a) e médico(a). 
A equipe multiprofissional contempla todos os profissionais das equipes de Atenção Básica (como a 
equipe mínima: agentes comunitários de saúde, técnicos em enfermagem, enfermeiros e médicos) 
e dos Núcleos de Apoio à Saúde da Família (NASF), a depender da realidade de cada região e 
serviço de saúde, dos profissionais presentes nas equipes (e seus saberes-práticas) e da forma de 
organização do processo de trabalho que contemple as especificidades e singularidades de cada 
território.3, 13, 14 
Por fim, os quadros e textos de leitura complementar foram incluídos para apoiar a 
compreensão do tema abordado no capítulo, de forma um pouco mais detalhada, ainda que breve. E 
a seção “Saiba mais” traz alguns hiperlinks, que podem ser acessados para agregar conhecimentos 
ao tema abordado no capítulo, além de informações relevantes que tangenciam ou atravessam o 
lócus da AB encontradas em documentos do Ministério da Saúde. 
É importante reiterar que a abordagem proposta, embora apoiada em referências qualificadas 
17
PROTOCOLOS DA ATENÇÃO BÁSICA | Saúde das Mulheres
do Ministério da Saúde e de publicações científicas de reconhecimento nacional e internacional, 
não contempla todas as possibilidades de cuidado e nem resolve – como iniciativa isolada – as 
questões inerentes ao cuidado em saúde. Tais questões dependem de qualificada formação técnica, 
ético-política e humanitária em saúde, de um processo de educação permanente em saúde e do 
julgamento clínico judicioso com respeito à autonomia dos usuários. 
Este material deve ser entendido como oferta do Departamento de Atenção Básica do 
Ministério da Saúde para os profissionais e gestores da AB e é importante que esteja atrelado 
a outras iniciativas para potencializar e qualificar o cuidado na Atenção Básica pelos três entes 
federativos (governo federal, unidades da federação e municípios). 
18
MINISTÉRIO DA SAÚDE / INSTITUTO SÍRIO-LIBANÊS DE 
ENSINO E PESQUISA
REFERÊNCIAS
1 – BRASIL. Ministério da Saúde. Acolhimento nas práticas de produção de saúde. 2. ed. 
Brasília, 2010. Disponível em: <http://goo.gl/8QVTr1>. Acesso em: 3 dez. 2014. 2 – BRASIL. Ministério da Saúde. Equipes de Atenção Básica (EAB). Brasília, 2012. Disponível 
em: <http://goo.gl/T7Y6I9>. Acesso em: 12 dez. 2014. 3 – BRASIL. Ministério da Saúde. HumanizaSUS: política nacional de humanização. Brasília, 
2003. Disponível em: <http://goo.gl/QSmoim>. Acesso em: 3 dez. 2014.4 – BRASIL. Ministério da Saúde. Núcleo de Apoio à Saúde da Família (NASF). Brasília, 2012. 
Disponível em: <http://dab.saude.gov.br/portaldab/ape_nasf.php>. Acesso em: 12 dez. 2014.5 – BRASIL. Ministério da Saúde. Política Nacional de Atenção Básica. Brasília, 2012. 
Disponível em: <http://goo.gl/gjW1rS> Acesso em: 20 ago. 2014.6 – BRASIL. Ministério da Saúde. Política Nacional de Atenção Integral à Saúde da Mulher: 
plano de ação 2004-2007. Brasília, 2004.7 – BRASIL. Ministério da Saúde. Política Nacional de Atenção Integral à Saúde da Mulher: 
princípios e diretrizes. Brasília, 2011.8 – BRASIL. Ministério da Saúde. Sistema e-SUS Atenção Básica: manual de uso do Sistema 
com Prontuário Eletrônico do Cidadão PEC versão 1.3. Brasília, 2014. Disponível em: <http://
goo.gl/Cv8Mo5>. Acesso em 12 dez. 2014. 9 – SÃO PAULO (Estado). Conselho Regional de Enfermagem de São Paulo. Parecer COREN-
SP 056/2013 – CT. Utilização do método SOAP (Subjetivo, Objetivo, Avaliação e Plano) no 
Processo de Enfermagem. Disponível em: <http://goo.gl/q0DnDE> Acesso em: 12 dez. 2014.10 – DEMARZO, M. M. P. et al. Módulo Político Gestor: gestão da prática clínica dos 
profissionais na Atenção Primária à Saúde. São Paulo: UNA-SUS; UNIFESP, 2012. 
Disponível em: <http://goo.gl/cfFGDa>. Acesso em: 12 dez. 2014.11 – MENDES, E. V. As redes de atenção à saúde. Belo Horizonte: ESP-MG, 2009.12 – NORMAN, A. H.; TESSER, C. D. Prevenção quaternária na atenção primária à saúde: uma 
necessidade do Sistema Único de Saúde. Cad. Saúde Pública, Rio de Janeiro, v. 25, n. 9, p. 
2012-2020, set. 2009. Disponível em: <http://goo.gl/CthVMG>. Acesso em: 24 nov. 2014. 13 – SÃO PAULO (Estado). Secretaria da Saúde. Atenção à gestante e à puérpera no SUS/
SP: documento da linha de cuidado da gestante e da puérpera. São Paulo: SES/SP, 2010. 
Disponível em: <http://goo.gl/RXoXre>. Acesso em: 19 ago. 2014.14 – WORLD ORGANIZATION OF NATIONAL COLLEGES, ACADEMIES, AND ACADEMIC 
ASSOCIATIONS OF GENERAL PRACTITIONERS/FAMILY PHYSICIANS – WONCA. 
Classificação Internacional de Atenção Primária (CIAP 2). Florianópolis: SBMFC, 2009. 
Disponível em: <http://goo.gl/je59QV>. Acesso em: 1 dez. 2014. 
19
PROTOCOLOS DA ATENÇÃO BÁSICA | Saúde das Mulheres
15 – BRASIL. Conselho Federal de Enfermagem. Resolução COFEN nº 358/2009. Dispõe 
sobre a Sistematização da Assistência de Enfermagem e a implementação do Processo de 
Enfermagem em ambientes, públicos ou privados, em que ocorre o cuidado profissional de 
Enfermagem, e dá outras providências. Disponível em: <http://goo.gl/8p7xHp>. Acesso em: 
21 set. 15.16 – WERNECK, M. A. F.; FARIA H. P.; CAMPOS, K. F. P. Protocolo de cuidados à saúde e de 
organização do serviço. Belo Horizonte: Nescon/UFMG; Coopmed, 2009.
21
PROTOCOLOS DA ATENÇÃO BÁSICA | Saúde das Mulheres
PARTE 1 – ATENÇÃO AOS PROBLEMAS/QUEIXAS MAIS COMUNS 
EM SAÚDE DAS MULHERES
1 PROBLEMAS RELACIONADOS À MENSTRUAÇÃO 
1.1 Sangramento uterino anormal
Fluxograma 1 – Sangramento uterino anormal
 
Respondeu 
Encaminhar para 
serviço de emergência 
Não respondeu 
 Considerar abortamento 
 Atentar para violência sexual 
 Ver abordagem do teste de 
gravidez positivo no 
Fluxograma 2 – Atraso 
menstrual e amenorreias e no 
Capítulo 2, sobre Pré-Natal 
ACOLHIMENTO E ESCUTA QUALIFICADA 
Atentar para os SINAIS DE ALERTA 
 Equipe multiprofissional 
Teste de gravidez* 
Enfermeiro(a)/ 
médico(a) 
Sangramento agudo 
intenso? 
Enfermeiro(a)/médico(a) 
Avaliar padrão de 
sangramento 
Médico 
Avaliar se o sangramento 
realmente é uterino 
Enfermeiro(a)/médico(a) 
Tratamento clínico do 
sangramento agudo 
(Quadro 4) 
 Médico(a) 
* Para mais informações sobre o teste de gravidez, ver Fluxograma 2 – Atraso menstrual e amenorreias. 
** Sangramento uterino aumentado desde a menarca OU história familiar de coagulopatia OU múltiplas manifestações hemorrágicas. 
*** Patologias da vagina não foram incluídas no fluxograma, por não serem de origem uterina. Incluem trauma, vaginose, vaginite atrófica 
e carcinoma. 
Menarca recente 
ou climatério? 
Sim 
Orientar 
Não 
 Investigar e manejar
Página1...34567891011...50