A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
14 pág.
EDUCAÇÃO ESPECIAL E INCLUSIVA

Pré-visualização | Página 1 de 5

EDUCAÇÃO ESPECIAL E INCLUSIVA
1—AS ADAPTAÇÕES CURRICULARES CONSTITUEM, POIS, POSSIBILIDADES ... FUNDAMENTOS DA EDUC. ESPECIAL AS ADAPTAÇÕES CURRICULARES SÃO RESPOSTAS EDUCATIVA QUE DEVEM FAVORECER A TODOS OS ALUNOS OPÇÕES ATRAVÉS DO SISTEMA EDUCACIONAL:
B—I- III- IV-
I—O ACESSO AO CURRICULO
III—A CONSIDERAÇÃO E O ATENDIMENTO DE SUAS ESPECIFICIDADES ... 
IV—A CONSIDERAÇÃO E O ATENDIMENTODE SUAS ESPECIFICIDADES NO PROCESSO ...
2—A CONSTITUIÇÃO TRAÇOU AS LINHAS MESTRAS VISANDO A DEMOCRATIZAÇÃO ... FUND. DA ED. ESP. ... PROCESSO DE INCLUSÃO NO ... APONTA A ESCOLAR RECULAR COMO LOCUS PREFERENCIAL ... AS EXPLICAÇÕES QUE RELACIONAMA CADA UM DOS SEGUINTES DOCUMENTOS LEGAIS:
1—ESTATUTO DA CRIANÇA E DO ADOLESCENTE – CAP. IV – LEI 8,69/1990
2—LEI DE DIRETRIZES E BASE DA ED. NACIONAL –LEI 9394/1996
3—POLÍTICA NACIONAL DE EDUCAÇÃO ESPECIAL NA PERSPECTIVA DA ED. INCL. – RES. CNE 4/2009
E—2- 1- 3
2—ATENDIMENTO EDUCACIONAL ESPECIALIZADO PARA PORTADORES DE DEFICIÊNCIA;
1—EDUCAÇÃO ESPECIAL PARA EDUCANDOS PORTADORES DE NECESSIDADES ESPECIAIS ...
3—ATENDIMENTO EDUC. ESPECIALIZADO PARA ALUNOS CO DEFICIÊNCIA, TRANSTORNOS GLOBAIS ...
3—CONHECER O CONTINUUM DE SERVIÇOS QUE ... FUN. DA ED. ESP. ... SABEMOS QUE EXISTE A POSSIBILIDADE DE TRANSFORMAREM PRÁTICA OS DISCURSOS QUE PROPÕEM EDUCAÇÃO PARA TODOS :
C—V- V- F- V
V—É NECESSÁRIO UM CURRICULO QUE REFLITA ... 
V—NA ESCOLA INCLUSIVA, PRESSUPÕE-SE ...
F—CONTRIBUIR PARA A CONSOLIDAÇÃO DE UMA SOCIEDADE ...
V—A ESCOLA DEVE OFERECER CONHECIMENTOS QUE FAVOREÇAM ... 
4—COMO MODALIDADE DE EDUCAÇÃO ESCOLAR, CABE À EDUCAÇÃO ESPECIAL ...FUND. DA ED. ESP. ... SOBRE OS MATERIAIS QUE COMPÕEM AS SALAS DE RECURSOS MULTIFUNCIONAIS TIPO I E II :
B—V- V- V- F
V—FONES DE OUVIDOS E MICROFONES; ESCNNER, IMPRESSORAS A LASER
V—TECLADO CO COLMEIA; ACIONADOR DE PRESSÃO; DOMINÓ
V—ESQUEMA CORPORAL; MEMÓRIA DE NUMERAIS; MESA REDONDA
F—SOROBAN; REGLETE DE MESA; SOFWAER DE PROGRAMAS MUSICAIS
5—Principalmente a partir da década de 1990,o movimento de inclusão escolar ... VYGOTSKY ASSUMIA QUE A DEFICIENCIA NÃO DEVIA SER EXPLICADA COM BASE EM COPONENTE BIOLOGICOS, QUAL É A TEORIA DA EDUCAÇÃO QUE VYGOTSKY ACREDITAVA PODER CONTRIBUIR PARA A SUPERAÇAÕ DAS DIFICULDADES INICIAIS?
B—EDUCAÇÃO BASEADA NA COMPENSAÇÃO SOCIAL E DOS PROBLEMAS ORGÂNICOS
6—NO QUE DIZ RESPEITO MAIS ESPECIFICAMENTE AOS BENEFICIOS PARA OS PAIS ... FUND. DA ED, ESPECIAL VIMOS QUE A DIRETRIZES OPERACIONAIS P O ATENDIMENTO ... NA ED. BÁSICA, MODALIDADE ED. ESPECIAL (RES. Nº 4/2009) APONTA P A REORGANIZAÇÃO DA ESTRUTURA ESCOLAR ... AS EXPLICAÇÕES QUE SE RELACIONAM A CADA UM DOS GRUPOS ...
1—ALUNOS COM DEFICI~ENCIA – SURDO
2—ALUNOS COM DEFICIÊNCIA VISUAL
3-- ‘’ ‘’ ‘’ ‘’ ‘’’ ‘’ ‘’ INTELECTUAL
4—ALUNOS COM TRANSTORNOS GLOBAIS DE DESENVOLVIMENTO
5-- ‘’ ‘’ ‘’ ‘’ ALTAS HABILIDADES/SUPERDOTAÇÃO
D—1- 4- 2- 3- 5
1—EDUCAÇÃO BILINGUI
4—ADQUAÇÃO DE OBJETIVOS, CONTEÚDOS E METODOLÓGIAS
2—ATIVIDADE DE VIDA AUTÔNOMA
3—DESENVOLVIMENTO DOS PROCESSOS MENTAIS SUPERIORES
5—ATIVIDADES DE ENREQUECIMENTO CURRICULAR DESENVOVILDAS NO ÂMBITO DE ESCOLAS PÚBLICAS DE ENSINO REGULAR
7—A FORMAÇÃO DEVE ASSENTAR NUM PROCESSO CONTÍNUO, QUE GARANTA ... ED. ESPECIAL ... SOBRE AS POLÍTICAS DE FORMAÇÃO DE PROFESSORES NO CONTEAXTO INCLUSIVO :
E—V- V- F- F
V—ORGANIZAR O TIPO E O NÚMERO DE ATENDIMENTO AOS ALUNOS NA SALA DE RECURSO ...
V—ORIENTAR PROFESSORES E FAMÍLIAS SOBRE OS RECURSOS PEDAGÓGICOS E DE ACESSIBILIDADE ...
F—ENSINAR E USAR TECNOLOGIA MANIPULANDO AS HABILIDADES FUNCIONAIS DOS ALUNOS.
F—ACOMPANHAR A FUNCIONALIDADE DOS RECURSOS PEDAGÓGICOS NOS ...
8—ESCOLAS ESPECIAIS CONSTITUEM-SE COMO AMBIENTES EDUCACIONAIS QUE OFERECEM ... FUN. DA EDUC. ESPECIAL ... A PROPOSTA DE ATENDIMENTO ESPECIALIZADO PASSOU A ENFATIZAR PRÁTICAS TERAPÊUTICAS VOLTADAS AO TRABALHO COM QUAIS ÁREAS DO DESENVOLVIMENTO?
E—ACADÊMICA, PSICOMOTORA, LINGUÍSTICA, SOCIAL, AFETIVA.
9—O PERÍODO DA HISTÓRIA DA EDUCAÇÃO ESPECIAL NO BRASIL CONHECIDO COMO PERÍODO DE INSTITUCIONALIZAÇÃO FOI CARCTERIZADO ... FUND. DA EDUC. ESPECIAL, A TERMOLÓGIA EDUCACIONAIS ESPECIAIS RECEBE MUITAS CRÍTICAS :
B—I- III- IV
I—TERMO MUITO ABRANGENTE, QUE SE REFERE A ALUNOS COM E SEM DEFICIÊNCIA ...
III—CONTÉM EUFEMISMOS QUE ESCONDEM A SITUAÇÃO REAL DE DEFICIENCIA, OU ...
IV—AMPLIAÇÃO DESMEDIDA DO UNIVERSO DE ALUNOS A SER ATENDIDOS ... 
10—NO BRASIL, O ATENDIMENTO ÀS PESSOAS COM DEFICIÊNCIA FÍSICA FOI PRIMEIRAMNETE REALIZADO SANTA CASA DE MISERICORDIA DE SÃO PAULO ... FUNDAM. DA EDUCAÇÃO ESPECIAL NA EDUCAÇÃO ... DIRETRIZES NACIONAIS P A EDUCAÇÃO ESPECIAL NA ED. BÁSICA, PROMULGADA PELA RES. Nº 2/2001, QUAL É A DEFINIÇÃO DADA P EDUCAÇÃO ESPECIAL?
A—POR EDUC. ESPECIAL, MODALIDADE DA EDUC. ESCOLAR,ENTENDENM-SE UM PROCESSO EDUCACIONALDEFINIDO POR UMA PROPOSTA PEDAGÓGICA, QUE ASSEGURE RECURSOS E SERVIÇOS ESPECIAIS.
11—PRINCIPALMENTE A PARTI DA DÉCADA DE 1990, O MOVIMENTO DE INCLUSÃO ESCOLAR ... VYGOTSKY ASSUMIA QUE A ... QUAL É A TEORIA DA EDUCAÇÃO QUE VYGOTSKY ACREDITAVA PODER CONTRIBUIR PARA A SUPERAÇÃO DAS DIFICULDADES:
B—EDUCAÇÃO BASEADA NA COMPENSAÇÃO SOCIAL DOS PROBLEMAS ORGÂNICOS.
12--O PERÍODO DA HISTÓRIA DA EDUCAÇÃO ESPECIAL NO BRASIL CONHECIDO COMO PERÍODODE INSTITUCIONALIZAÇÃO ... A TERMOLOGIA NECESSIDADES EDUCACIONAIS ESPECIAIS RECEBE CRÍTICAS ... QUAIS CONTEMPLAM AS CRÍTICAS MAIS CONTUNDENTES:
B—I- II- IV
I—TERMO MUITO ABRANGENTE, QUE SE REFERE A ALUNOS COM ... 
II—EXPRESSÃO MUITO VAGA, QUE NECESSITAM SER EXPLICADA PARA ...
IV—AMPLIAÇÃO DESMEDIDA DO UNIVERSODE ALUNOS A SER ATENDIDOS ... 
13—A EQUIDADE ASSEGURA QUE NENHUMA MANIFESTAÇÃO DE DIFICULDADES SEJA ... O FOCO DO PROCESSO DE INCLUSÃO ... E OUTROS GRUPOS MARGINALIZADOS SINTAM-SE TOTALMENTE INTEGRADOS RESIDE EM:
E—AÇÕES RECEPTIVAS E ACOLHEDORAS A SEREM DESENVOLVIDAS PELA SOCIEDADE.
14—AQUELES QUE APRESENTAM DIFERENTES MANIFESTAÇÕES DE COMPORTAMENTO ... NO ARTIGO 89 DA LDBEN AFIRMA-SE O ...ATENDIMENTO À EDUCAÇÃO DESSA PARCELA ... DOIS FOCOS DE LUTAS POLÍTICAS DA SOCIEDADE CIVIL:
D—O DIREITO À EDUCAÇÃO DE PESSOAS COM DEFICÊNCIAS EM CLASSE COMUNS, MESMO QUE ...
15—NO BRASIL DIANTE DESSE CENÁRIO MUNDIAL, SÃO CRIADAS ... SOBRE A INSTITUCIONALIZAÇÃO E O MODELO CLÍNICO TERAPÊUTICO:
C—V- V- V- V
V—AS EXPERIÊNCIAS DE ITARD CULMIRAM ...
V—PINEL DESCREVEU E DISGUINGUIU OS DIFERENTES TIPOS ...
V—O MODELO CLÍNICO TERAPÊUTICO CARACTERIZA-SE PELA ...
V—AS INSTITUIÇÕES ESPECIALIZADAS INICIAM O PROCESSO ...
16—NO QUE CONCERNE AOS QUE RECEBERAM CORPO MAL ORGANIZADO, DEIXA-OS ... O CRITÉRIO DETERMINANTE PARA JULGAR SE O SUJEITO É NORMAL OU DEFICIENTE NO INTERIOR DAS RELAÇÕES DAQUELE GRUPO SERÁ:
E—A POTENCIALIDADE HUMANA PARA O TRABALHO FÍSICO E INTELECTUAL.
17—A ESCOLA COMO INSTRUMENTOPRIVILIGIADO NA MEDIAÇÃO DA INTEGRAÇÃO SOCIAL ... PRA QUE OCORRAM MUDANÇAS ... PRECISAM HAVER TRANSFORMAÇÕES NA SOCIEDADE EM TODAS AS SUAS RELAÇÕES,POIS ...
E—AS MUDANÇAS POSSÍVEIS LIMITAM-SE A CORRIGIR DETALHES DEFEITUOSOS DA ORDEM SOCIAL DOMINANTE, MANTENDO INTACTAS AS DETERMINAÇÕES ESTRUTURAIS FUNDAMENTAIS ...
18—O FUNDAMENTAL É ENTENDER AS DIFERENTES NÃO EM SUA NATUREZA ESSENCIALIZADA ... RETOMANDO AS IDEIAS DE REVOLUÇÃO FRANCESA ... EM 1948 E PASSOU A INSPIRAR AS POLÍTICAS PÚBLICAS E OS INSTRUMENTOS JURÍDICOS DA GRANDE MAIORIA DOS PAÍSES. QUAL É ESSE DOCUMENTO:
E—DECLARAÇÃO DOS DIREITOS HUMANOS.
19—O INGRESSO DE ALUNOS COM NECESSIDADES EDUCACIONAIS ESPECIAIS EM UMA TURMA ... 
E—V- V- V- V
V-A EDUCAÇÃO INCLUSIVA TEM SIDOCARACTERIZADA COMO ...
V—A ED. INCLUSIVA É BENÉFICA À ESCOLARIZAÇÃO DE TODAS ... 
V—A ED. INCLUSIVA TEM SIDO CARCTERIZADA PELO RESPEITO AOS DIFERENTES ... 
V—A ED. ESPECIAL EXIGE REUPTURA COM O INSTITUÍDO NA SOCIEDADE E CONSEQUENTEMENTE ...
20—PARA QUE OS ALUNOS DESFRUTEM DE OPORTUNIDADES IGUAIS PARA APROPRIAR O SABER ... INCORPORAÇÃO DE DIRETRIZES NO CAMPODA LEGISLAÇÃO EDUCACIONAL, NAS DÉCADAS DE 1990 E 2000. AS EXPLICAÇÕES QUE SE RELACIONAMA