AGITAÇÃO PSICOMOTORA
23 pág.

AGITAÇÃO PSICOMOTORA

Pré-visualização6 páginas
AGITAÇÃO PSICOMOTORA E AGRESSIVIDADE: Daniela Rodrigues da Fonseca 
É importante saber que agitação é diferente de agressividade, e frequentemente se associam. 
AGITAÇÃO PSICOMOTORA É o estado de excitação mental e de atividade motora aumentada, presente em inúmeros quadros psiquiátricos de hiperatividade de doenças desorganizadas que podem evoluir para o comportamento violento, ou seja, a agitação psicomotora é um estado de atividade psicomotora excessiva acompanhada de aumento de tensão e irritabilidade.
AGRESSIVIDADE Comportamento que causa dano físico ou emocional a outros, ou os ameaça de tal. Pode variar de abuso verbal à destruição da propriedade pessoal da vítima.
Ou seja, a agitação psicomotora resulta da elevação da atividade motora e psíquica, que cursa com comportamentos exacerbados e improdutivos. Aumento da atividade psíquica, irritabilidade, aumento da atividade motora, que pode cursar com agressividade ou violência.
Qualquer situação de natureza psiquiátrica em que existe um risco significativo (de morte ou injúria grave) para o paciente ou para outros, necessitando de uma intervenção terapêutica.
Em um hospital psiquiátrico que tem emergência psiquiátrica é fundamental ter: Equipe bem treinada, ambiente adequado e um psiquiatra bem treinado para as emergências psiquiátricas. É fundamental o médico psiquiatra que vai atuar em uma emergência saber bastante clínica médica, porque é fundamental sempre diferenciar se existem quadros orgânicos associados. 
QUAL É A IMPORTÂNCIA DE NÓS PROFISSIONAIS DA ÁREA DE SAÚDE MENTAL SABER LIDAR COM AGITAÇÃO PSICOMOTORA E AGRESSIVIDADE? 
Porque o risco de violência está aumentando em profissionais dessa área, e a maioria das agressões ocorrem por inépcia do profissional, e tanto é que estudos indicam que a maioria das agressões em psiquiatras ocorrem no período da residência, porque é aquele período que não sabemos muito como lidar com esses pacientes agressivos, e por isso a técnica é algo absurdamente importante, e o serviço ter protocolos. 
\u2022 Fator de impedimento na condução terapêutica
\u2022 5-48% dos psiquiatras sofrem alguma agressão física por parte de pacientes
\u2022 40-50% dos residentes em Psiquiatria sofrem algum tipo de agressão física durante a Residência
\u2022 2/3 dos residentes sentem-se despreparados no manejo de situações envolvendo pacientes agressivos
 
O PRINCIPAL OBJETIVO É A REDUÇÃO DO \u201cPOTENCIAL\u201d AGRESSIVO DO PACIENTE Nos casos de violência física, vejo basicamente 3 tipos de erros médicos: 
Ficar perto do paciente mesmo percebendo o perigo, ignorá-lo ou dele fazer pouco caso
Ficar passivo diante de uma situação de tensão crescente, sem fazer nada para interrompê-la
Não ter medo do paciente nunca
Ou seja, quando você perceber que vai dar \u201cmerda\u201d = SAIA, não fique ali esperando apanhar não, nesse momento você deve lançar mão das medidas disponíveis que a gente tem para tentar coibir uma escalada que chegue a um ato de violência. 
PRINCIPAIS PATOLOGIAS ENVOLVIDAS NOS QUADROS DE AGITAÇÃO E AGRESSIVIDADE 
Quadros orgânicos específicos
Psicoses em geral
Tentativas de suicídio
Abusos de múltiplas substâncias psicoativas
Transtornos ansiosos
Condições médicas gerais: Tireoidopatias, encefalites, meningites e hipoglicemia
EPIDEMIOLOGIA DA AGITAÇÃO PSICOMOTORA: 
A população com transtorno psiquiátrico tem maior chance de apresentar quadros de agitação psicomotora, especialmente Esquizofrenia, TAB e TP Borderline. 
20% dos pacientes com esquizofrenia terão quadro de agitação psicomotora.
36% dos idosos institucionalizados e que possuem um quadro demencial podem apresentar agitação. 
70% dos pacientes em UTI que tiveram um TCE podem apresentar agitação.
SERÁ QUE O PACIENTE QUE ESTÁ AGITADO PODE FICAR AGRESSIVO OU VIOLENTO?
Sempre que temos um paciente novo na emergência ou na enfermaria a pergunta que você sempre deve se fazer = Será que esse paciente é agressivo? Ou será que ele tem um risco alto de agressividade? 
As atitudes e o tipo de patologia que está causando a agitação sempre nos ajudam a \u201cprever\u201d esse tipo de comportamento, então sempre devemos avaliar: 
Expressão facial tensa ou irritada e intensificação da inquietação
Tensão corporal, paciente que fica andando de um lado para outro
Hiperatividade autonômica (FC e FR, midríase)
Tom de voz, contato visual prolongado e ameaças verbais ou gestuais
Descontentamento
Paciente que fica muito isolamento
Paciente com medo, irritação e paciente querelante 
Delírios ou alucinações com conteúdo violento
Ausência de rotas de fuga para o psiquiatra 
Existe um escore que avalia se o paciente tem risco ou não de evoluir para agressividade ESCORE HCR \u2013 20 é uma ferramenta de avaliação de risco, e temos uma lista de 20 itens a serem avaliados em \u201cpresente\u201d, \u201causente\u201d ou \u201cdesconhecido\u201d O foco desse escore é o acompanhamento do tratamento psiquiátrico e manejo de risco de violência. 
O ESCORE HCR-20 está divido em 10 itens históricos (estáticos, não mudam com o tempo), 5 itens clínicos (dinâmicos, mudam com o tempo e intervenção) e 5 itens de manejo de risco futuro (dinâmicos, mudam de acordo com o cenário de projeção) = total de 20 pontos. 
 
Mas quando a gente fala de agitação psicomotora existe um \u201cESPECTRO DA AGITAÇÃO PSICOMOTORA\u201d e esse espectro não está em livros, mas academicamente a gente pode dividir a agitação em alguns tipos: 
INQUIETAÇÃO Quando a gente fala de inquietação estamos nos referindo aquele paciente que tem muita dificuldade de permanecer sentado = é aquele paciente que está andando de um lado para o outro, porém, não necessariamente esse paciente está hostil. 
AGITAÇÃO Mas quando esse paciente que estava com inquietação começa a ficar agitado a ponto de atrapalhar as outras pessoas a gente vai dizer que esse paciente está em agitação psicomotora, e o paciente que está com agitação psicomotora ele muitas vezes não está hostil com outras pessoas, mas só que ele está falando muito alto, gritando na sala de espera, é um paciente que não deixa ninguém se aproximar, ou seja, é um paciente que está mais do que inquieto (que chamamos popularmente de paciente que está \u201ccausando\u201d). 
AGRESSIVIDADE Mas quando esse paciente começa a abordar as outras pessoas, porém, de uma forma hostil e com uma intenção negativa (agredir verbalmente ou fisicamente) a gente vai dizer que esse paciente está agressivo, e com isso é um outro grau de agitação psicomotora. 
VIOLÊNCIA Quando o paciente realiza alguma violência física ou verbal a gente vai dizer que esse paciente está violento. 
Então quando a gente fala do espectro da agitação e isso vai desde do paciente que está inquieto andando de um lado para o outro, mas que não está a princípio perturbando ninguém, a não ser por incomodo de ver o paciente daquela forma, paciente agressivo (que aborda uma outra pessoa de forma hostil) e paciente que está violento. 
QUAL É O MANEJO BÁSICO DA AGITAÇÃO PSICOMOTORA? 
AVALIAÇÃO DO RISCO 
\u2022 História direcionada: HMA e Antecedentes Psiquiátricos 
\u2022 Exame Psíquico direcionado 
TÉCNICAS DE PREVENÇÃO (MEDIDAS NÃO FARMACOLÓGICAS) 
\u2022 Manejo ambiental 
\u2022 Manejo comportamental (técnicas de atenuação ou desescalonamento) 
TÉCNICAS DE CONTENÇÃO (MEDIDAS FARMACOLÓGICAS) 
\u2022 Contenção Física 
\u2022 Contenção Química 
REAVALIAÇÃO / PÓS-INTERVENÇÃO 
\u2022 Diagnóstico 
\u2022 Encaminhamento
AVALIAÇÃO DO RISCO A. HISTÓRIA DIRECIONADA 
A anamnese deve ser a mais direcionada possível para não aumentar a irritabilidade do paciente, ou seja, aumentar os sintomas e aumentar a agitação desse paciente = evitar que esse paciente fique agressivo ou violento. 
\u2022 IDENTIFICAÇÃO: \u201cQual seu nome?\u201d, \u201cQual sua idade?\u201d 
\u2022 HMA: \u201cO que o trouxe ao pronto socorro ou o que estava acontecendo?\u201d 
\u2022 TRATAMENTOS ATUAIS: \u201cVocê faz tratamento com