A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
41 pág.
AULA 1 - HIGIENE E SAÚDE OCUPACIONAL

Pré-visualização | Página 1 de 2

HIGIENE 
E 
SAÚDE 
OCUPACIONAL
Enfª Michelle Gomes 
BREVE HISTÓRICO DA HIGIENE 
OCUPACIONAL
Ao longo dos anos houve sempre quem se
preocupasse com a saúde dos trabalhadores, mas
sem o rigor técnico científico necessário.
Na época da Revolução Industrial, na
Inglaterra, não se utilizava medidas de controle, o
regime de trabalho, às vezes chegava a doze ou até
dezesseis horas diárias. Algumas iniciativas de
prevenção das doenças do trabalho foram tomadas,
como mostra a seguir.
BREVE HISTÓRICO DA HIGIENE OCUPACIONAL
 Hipócrates(460 a 375 aC)
Famoso mestre de
medicina no livro “Ares, Águas
e Lugares” descreve o quadro
clínico da intoxicação
saturnina (chumbo) em um
mineiro.
Apesar de descrever o
quadro, omite totalmente o
ambiente de trabalho e a
ocupação.
BREVE HISTÓRICO DA HIGIENE OCUPACIONAL
 Lucrécio(100 aC)
(A natureza das coisas)
Perguntava sobre os
carvoeiros de minas:
“Não viste ou ouviste como
morrem em tão pouco tempo,
quando ainda tinham tanta
vida pela frente?”
O QUE TIRAMOS DESTA INDAGAÇÃO?
• A morte prematura como a dramática
marca do trabalho sobre a vida dos
trabalhadores.
• O fundamento de uma técnica
epidemiológica recentemente desenvolvida e que
tem se mostrado útil para medir a importância
relativa a um problema de saúde pública:
Estimar os anos potenciais de vida perdidos.
BREVE HISTÓRICO DA HIGIENE OCUPACIONAL
Ovídio Poeta romano
23aC a 17 dC)
“...cansados de tantos
funerais/vendo inúteis os
esforços e as artes dos
médicos/os habitantes
imploram a ajuda celeste”
BREVE HISTÓRICO DA HIGIENE OCUPACIONAL
 Plínio, o velho (23 a 79 dC)
Descreve o aspecto dos
trabalhadores expostos ao
chumbo, ao mercúrio e à poeira.
Menciona a tentativa dos
escravos em usar panos ou
membranas (bexiga de carneiro)
para atenuar a exposição às
poeiras.
BREVE HISTÓRICO DA HIGIENE OCUPACIONAL
 Georg Bauer(Georgius Agrícola)
(1494-1555)
Livro: De Re Metallica
No último capítulo descreve sobre acidentes de
trabalho e doenças mais comuns entre os mineiros, onde
dá destaque à Asma dos Mineiros. A descrição da doença
sugere que se tratava da Silicose. “As mulheres chegavam
a casar sete vezes, roubadas que eram de seus maridos,
pela morte prematura encontrada na ocupação que
exerciam”
BREVE HISTÓRICO DA HIGIENE OCUPACIONAL
 Bernardino Ramazzini
(1633-1714)
“Pai da Medicina do 
Trabalho”
As Doenças dos
Trabalhadores. Descreve
doenças que ocorrem em
mais de 50 profissões.
BREVE HISTÓRICO DA HIGIENE OCUPACIONAL
• Séc XVIII: George Baker – “Cólica de
Devonshire” utilização de chumbo na indústria
de vinho de maçã.
Percival Pot – câncer escrotal nos limpadores de
chaminé da Inglaterra.
•Séc XIX: Charles Trackrah e Percival Pot
escreveram um tratado com 200 páginas sobre
medicina ocupacional.
BREVE HISTÓRIA
Período de 1760 a 1830 – Revolução industrial, movimentos 
sociais.
 1802 – parlamento britânico aprova “Lei de Saúde e Moral
dos Aprendizes.
 1833 - Lei das Fábricas:
• Idade mínima 13 anos
• Proibição trabalho noturno18 anos
• Jornada de trabalho 12 horas diárias e 69 semanais
• Contratação de médicos para o
controle da saúde dos Trabalhadores.
BREVE HISTÓRIA
 1906 - ocorre a realização do I Congresso Internacional de Doenças
do Trabalho, que foi realizado em memória dos 10 mil trabalhadores
mortos na construção do Túnel de São Gotardo.
 1919 - tem-se a criação da OIT (Organização Internacional do
Trabalho). Proibição do trabalho noturno para mulheres e uso do
fósforo branco.

 1925 – a OIT elabora sua primeira lista constando apenas 3
doenças: saturnismo (chumbo), hidragismo (mercúrio) e carbúnculo
(antraz).
 1934 lista ampliada para 10 doenças profissionais e em 1964 para
29.
CENÁRIO BRASILEIRO 
CENÁRIO BRASILEIRO
 Apesar de a 1ª Lei de Acidentes do Trabalho datar de
1919, no Brasil os primeiros passos dados
efetivamente no campo da Saúde Ocupacional datam
da década de trinta.
- É criado o Ministério do Trabalho, Indústria e
Comércio e bem definida a sua ação no campo da
higiene e segurança no trabalho.
- Começam os estudos sobre as doenças
ocupacionais, entre elas, a Silicose e Asbestose.
CENÁRIO BRASILEIRO
 1943 – CLT (Lei 5.452 de 01/05/1943) com um capítulo 
para a higiene ocupacional.
 1966 – criação do FUNDACENTRO (Fundação Centro 
Nacional de Segurança, Higiene e Medicina do Trabalho.
 1978 - Normas Regulamentadoras (NRs) , aprovadas pela 
Portaria nº 3.214.
 Anos 80 – CESTEH Osvaldo Cruz, INST da CUT
 1990 – Leis 8.080/90 e 8.142/90
TEM COMO PRINCIPAIS OBJETIVOS:
 Proporcionar ambientes de 
trabalho salubres;
 Proteger e promover a saúde 
dos trabalhadores;
 Proteger o meio ambiente;
 Contribuir para um 
desenvolvimento 
socioeconômico e sustentável.
HIGIENE X MEDICINA DO TRABALHO
 A higiene avalia e
corrige as condições
ambientais;
 E a medicina do
trabalho exerce o
controle e vigilância
direta sobre o estado
de saúde do
trabalhador.
A segurança do trabalho lida com a 
prevenção e controlo dos riscos de 
operação a higiene do trabalho lida 
com os riscos de ambiente (que 
podem originar doenças 
profissionais).
RAMOS DA HIGIENE OCUPACIONAL
Higiene Teórica
Dedicada ao estudo dos
contaminantes, através dos
estudos e experimentos com o
objetivo de analisar a relação
“Dose-Resposta” e estabelecer
limites de tolerância.
 Higiene de Campo
É encarregada de realizar os estudos da situação higiênica do
ambiente de trabalho, através de análise do posto de trabalho,
reconhecimento de contaminantes, tempo de exposição, amostras dos
contaminantes e limites de tolerância.
º Estudo da situação da higiene no local
de trabalho
º Análise do local de trabalho
º Detecção de contaminantes
º Necessidade de reconhecer os perigos e
conhecer metodologias de medição do risco
 Higiene Analítica
Realiza a investigação e
determinação qualitativa e quantitativa dos
contaminantes em estreita colaboração
com a higiene teórica.
o Podem ser de vários tipos
(químicos, biológicos e físicos);
o Necessidade de implementação de
métodos padronizados ;
o Os métodos devem dar resultados que
reflitam a exposição do trabalhador
 Higiene Operativa
Compreende a utilização, a
recomendação e a padronização de métodos
para reduzir os níveis de concentração até
valores não prejudiciais a saúde.
º Substituição de matérias primas e processos
º Isolamento do risco químico, biológico e físico
º Captação do contaminante (aspiração)
º Ventilação geral
º Confinamento do contaminante (ou do
trabalhador)
º Diminuição dos tempos de exposição
º Proteção individual
O Q ESTÁ ERRADO?
O Q ESTÁ ERRADO?
O Q ESTÁ ERRADO?
O Q ESTÁ ERRADO?
ATUAÇÃO DO TECNICO DE SEGURANÇA NA 
HIGIENE DO TRABALHO
 Determinar e combater no ambiente de trabalho
fatores físicos, químicos, biológicos e ergonômicos
de reconhecida nocividade.
 Conseguir que o esforço físico e mental de cada
trabalhador, no exercício da profissão, esteja
adaptado as suas atitudes, limitações fisiológicas
e psicológicas.
 Adotar medidas eficazes de proteção para reduzir
a vulnerabilidade e aumentar a resistência dos
trabalhadores.
 Descobrir situações que possam deteriorar a
saúde dos trabalhadores.
 Educar diretores, chefes e trabalhadores no
cumprimento de suas obrigações.
 Aplicar programas educacionais que abranjam
toda a comunidade e os aspectos de saúde.
RISCOS OCUPACIONAIS
Químicos - NR 09, NR 15 e NR 32
Poeiras / fumos / neblinas / aerossóis / gases /
vapores
„
 Físicos - NR 09 e NR 15
Ruído /vibrações / ambiente térmico / radiações /
pressão
Biológicos

Crie agora seu perfil grátis para visualizar sem restrições.