A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
26 pág.
ebook

Pré-visualização | Página 1 de 7

Edison Andrade Martins Morais
Sistemas de Informações 
Gerenciais
Sumário
03
CAPÍTULO 1 – Sistemas de Informações Gerenciais ..........................................................05
1.1 Teoria Geral dos Sistemas .........................................................................................05
1.1.1 Conceitos Relacionados ...................................................................................07
1.1.2 Ambiente de um sistema...................................................................................07
1.1.3 Hierarquia do Sistema......................................................................................09
1.2 Sistemas de Informações Gerenciais (SIG) ...................................................................11
1.2.1 Informação .....................................................................................................11
1.2.2 Gerencial .......................................................................................................13
1.2.3 Metodologia de Desenvolvimento e Implementação do SIG .................................15
1.2.4 Características do Administrador do SIG ............................................................19
1.3 Classificação dos Sistemas de Informações Gerenciais .................................................19
1.3.1 Executive Information System (EIS) .....................................................................19
1.3.2 Enterprise Resource Planning (ERP) ....................................................................19
1.3.3 Supply Chain Management (SCM) .....................................................................21
1.3.4 Customer relationship management (CRM) .........................................................21
1.3.5 Sistema de Apoio a Decisões (SAD) ...................................................................23
1.3.6 Sistemas Especialistas (SE) ................................................................................23
Síntese ..........................................................................................................................24
Referências Bibliográficas ................................................................................................25
Capítulo 1 
05
Você sabe o que são Sistemas de Informações Gerenciais (SIG)? Neste capítulo, vamos conhecer 
e compreender o conceito de SIG no contexto dos sistemas. A partir disso, teremos condições de 
identificar a metodologia de desenvolvimento e de implementação, estrutura, forma de avaliação 
e as características de seu administrador.
Estudaremos a Teoria Geral dos Sistemas e identificaremos os seus componentes e classificações. 
A propósito, você já parou para pensar o que são sistemas? Estariam eles atrelados apenas a 
ferramentas corporativas/empresariais? Esta é uma das perguntas que vamos responder logo no 
começo desta unidade.
No decorrer deste capítulo, também vamos conhecer os principais tipos de SIG, identificando 
suas classificações, conceitos e exemplos: Executive Information System (EIS), Enterprise Resource 
Planning (ERP), Supply Chain Management (SCM), Customer relationship management (CRM), 
Sistema de Apoio a Decisões (SAD) e Sistemas Especialistas (SE).
1.1 Teoria Geral dos Sistemas
Você sabia que praticamente todos os elementos do universo podem ser considerados sistemas? 
Isso ocorre porque quase tudo que conhecemos é constituído por um conjunto de partes, que 
formam um todo, e que têm um objetivo comum. Ou seja, são sistemas.
A Teoria Geral do Sistemas (TGS) chegou à área de Administração na década de 60. 
Idalberto Chiavenato, um dos autores brasileiros mais respeitados nesta área, doutor 
e mestre em administração, autor de mais de 30 livros, escreve sobre a TGS em um 
de seus principais livros, Teoria Geral da Administração (CHIAVENATO 2014). Vale a 
pena ler este capítulo para aprofundar seus conhecimentos. Para conhecer mais sobre o 
autor você pode acessar o site <http://chiavenato.com/institucional/quem-e-idalberto-
-chiavenato.html>.
VOCÊ QUER LER?
Segundo Oliveira (2014), em seu conceito clássico, sistema é um conjunto de partes interagem 
entre si (interagente) e dependem umas das outras (interdependentes) que formam, em conjunto, 
um todo unitário com determinado objetivo comum, além de executarem alguma função. A figu-
ra 1, a seguir, ilustra a representação clássica de um sistema e seus componentes.
Sistemas de 
Informações Gerenciais 
06 Laureate- International Universities
Sistemas de Informações Gerenciais
Entradas Saídas
Controle e
Avaliação
Processo de
Transformação
Retroalimentação
Objetivos
Figura 1 – Representação clássica de um sistema. 
Fonte: Elaborada pelo autor, 2016, adaptado de OLIVEIRA, 2014, p. 8.
Os objetivos do sistema referem-se à sua própria razão de existir e consideram tanto as finalida-
des dos seus usuários quanto as do próprio sistema.
As entradas representam os insumos (material, energia, informação) necessários para operacio-
nalização (funcionamento) do sistema, que por sua vez, gera um conjunto de saídas, que devem 
estar coerentes com os objetivos do sistema.
O processo de transformação ocorre por meio do processamento, que representa a função que 
permite a transformação de uma entrada (insumo) em saída (produto, serviço ou resultado). É a 
maneira pela qual os componentes do sistema interagem. Esta interação ocorre para que sejam 
produzidas as saídas esperadas para o sistema.
O resultado do processo de transformação são as saídas, que são consideradas as finalidades 
do sistema. Além de quantificáveis (mensuráveis), de acordo com parâmetros pré-estabelecidos, 
as saídas devem sempre ser coerentes com os objetivos do sistema.
Para verificar se as saídas estão coerentes com os objetivos preestabelecidos, são utilizados con-
troles e avaliações. Para isso, é necessário um indicador de desempenho, ou seja, um padrão. É 
uma forma de medir o desempenho do sistema em relação a um valor padrão.
Finalmente, a retroalimentação (realimentação ou feedback), é a reintrodução de uma saída sob 
forma de insumo para novo processamento. É um instrumento de regulação retroativa ou con-
trole, em que as informações retroalimentadas são resultados das divergências verificadas entre 
as respostas de um sistema e os parâmetros previamente estabelecidos. A principal finalidade da 
retroalimentação é reduzir discrepâncias e tornar o sistema autorregulador.
No próximo tópico veremos alguns dos principais conceitos relacionados à Teoria Geral dos 
Sistemas.
07
1.1.1 Conceitos Relacionados
Há várias características relacionadas ao universo dos sistemas abertos. Algumas delas serão 
apresentadas a seguir: equifinidade; entropia negativa; estado firme e homeostase.
A primeira característica é a equifinidade: significa que não existe uma única maneira certa de 
um sistema atingir uma situação estável ou um objetivo. Em um sistema, uma mesma saída pode 
ser obtida a partir de entradas diferentes e por maneiras diferentes.
A entropia negativa mostra o empenho do sistema em se organizar para sobrevivência, por meio 
de maior ordenação de suas entradas (melhor processamento). Sistemas, em geral, podem gerar 
entropia negativa, ou seja, otimização do processamento de suas entradas.
Qual a origem do termo Entropia e seu significado? O termo entropia (ou entropia 
positiva) refere-se a uma lei da natureza segundo a qual todas as formas de organi-
zação se movem para desorganização e morte. Trata-se de um termo originário da 
termodinâmica, área da Física que representa a medida de desordem das partículas 
em um sistema físico. |Em outras palavras, é a medida da agitação das moléculas em 
um sistema. Em sua etimologia, a palavra entropia tem origem no francês entropie, 
derivado do grego entropeê – volta, retorno (CUNHA,