mieloma trabalho
16 pág.

mieloma trabalho


DisciplinaEnfermagem28.096 materiais229.296 seguidores
Pré-visualização3 páginas
FACULDADE ESTÁCIO MACAPÁ 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
ENSINO CLÍNICO EM SAÚDE DO ADULTO IDOSO TEÓRICO 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
MACAPÁ 
2018 
 
 
Erika Ferreira do Livramento 
Itala de Cássia Lopes Nascimento 
Jacilene da unha Correa 
Jefferson Silva 
Renam Moraes 
Rinalva de Jesus de Souza Moraes 
Jhon Lucas 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 MIELOMA MULTIPLOS 
 
 
Pesquisa apresentada à disciplina Ensino 
Clínico e Saúde do Adulto Idoso Teórico, como 
requisito avaliativo no Curso de Bacharelado 
em Enfermagem pela Faculdade Estácio 
Macapá - SEAMA sob a orientação da 
Professora Especialista Marilene 
 
 
 
 
 
 
MACAPÁ 
2018 
 
 
SUMÁRIO 
1. FISIOPATOLOGIA.............................................................................................4 
2. ANATOMIA........................................................................................................6 
3. SINAIS E SINTOMAS........................................................................................7 
4. EPIDEMIOGIA...................................................................................................9 
5. DIAGNOSTICO................................................................................................10 
6. TRATAMENTO................................................................................................11 
7. DIAGNOSTICO DE ENFERMAGEM ..............................................................13 
8. CUIDADOS DE ENFERMAGEM.....................................................................13 
9. IMPLEMENTAÇÕES DE ENFERMAGEM..................................................... ..14 
10. CONSIDERAÇÕES FINAIS.............................................................................15 
REFERÊNCIAS .........................................................................................................16 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
4 
 
1. FISOPATOLOGIA 
O Mieloma Múltiplo (MM) é considerado uma neoplasia maligna de 
plasmócitos na medula óssea, afetando o desenvolvimento das células sanguíneas e 
formando imunoglobulinas monoclonais anômalas (Proteína M). Tem incidência a 
partir dos 50 anos de idade acometendo mais o sexo masculino. 
A proteína monoclonal (proteína-M) são imunoglobulinas normais presente na 
urina ou no soro apresentada por duas cadeias pesadas e duas cadeias leves. 
Cadeias pesadas (IgG, IgA, IgM, IgD e IgE) e cadeias leves (kappa e lambda). A 
avaliação do componente M é de grande importância no diagnóstico para o paciente 
com mieloma múltiplo. 
Linfócitos B ou células B são células do sistema imune, onde sua principal 
função é a produção de anticorpos, em repouso iniciam a síntese de DNA estimuladas 
pela interleucina 4 (IL-4), proliferam com IL-5 e diferençam-se em plasmócitos com IL-
6. A IL-6 é um importante fator de crescimento para as células do mieloma. Foram 
detectados níveis elevados de IL-6 em contraste com os que apresentam GMII. 
\u2022 Cadeias Pesadas: 
1. IgM : É o primeiro anticorpo a surgir em resposta a exposição inicial a um 
antígeno. A sua presença índica uma infecção a decorrer. Como tem vários 
locais de ligação aos antígenos, e muito eficiente na sua aglutinação. 
2. IgG: É o mais abundante dos anticorpos em circulação no sangue e na linfa. 
Atravessa a placenta e confere imunidade passiva ao feto. Protege contra 
bactérias, vírus e toxinas. 
3. IgA: É produzido pelas células das membranas mucosas e existe na saliva, 
suor, lágrimas e leite (protegem os recém-nascidos de infecções). Previne a 
entrada de agentes patogênicos no organismo. 
4. IgD: Encontram-se na superfície dos linfócitos B onde funciona como receptor 
de antígenos e contribui para iniciar a diferenciação dos linfócitos B em 
plasmócitos e células de memória. 
5. IgE: Existe no sangue em pequena quantidade. Liga-se aos basófilos e 
mastócitos e estimula a libertação de histamina que pode desencadear reações 
alérgicas. 
 
 
 
5 
 
 
 
 
 
No mieloma múltiplo estas células plasmocitárias sofrem alterações ficando 
anormais (neoplásticas) e aumentam em quantidade, passando a comprometer o 
funcionamento da medula óssea na produção normal dos glóbulos brancos, glóbulos 
vermelhos e plaquetas. O plasmócito anormal do mieloma ainda irá produzir um 
anticorpo único e anormal, denominado proteína M, que pode ser detectada por meio 
de testes laboratoriais (eletroforese de proteínas e imunofixação de proteínas) no 
sangue e/ou urina. 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
Lâmina de paciente com diagnostico em Mieloma Múltiplo tendo como 
característica principal a presença de plasmócitos 
 
6 
 
2. ANATOMIA 
 
A função dos plasmócitos é produzir e liberar proteínas designadas 
imunoglobulinas (IgG, IgA, IgM, IgD, IgE), que combatem e ajudam a eliminar os 
agentes causadores de infecção, como as bactérias ou os vírus. O mieloma múltiplo 
acontece quando um grupo de plasmócitos se multiplica de forma desgovernada, 
passando a comprometer o funcionamento da medula óssea na produção normal dos 
glóbulos brancos, glóbulos vermelhos e plaquetas. Os problemas de saúde causados 
podem afetar os ossos, sistema imunológico, rins e contagem de células vermelhas 
do sangue. 
 
 
 
 
 
7 
 
3. SINAIS E SINTOMAS 
 
Logo no início, o Mieloma Múltiplo pode não apresentar sintomas. Conforme 
ele for progredindo, as células de plasma vão se acumulando nos ossos, provocando 
alguns sintomas citados abaixo: 
\u2022 Hipercalcemia: presença de 15-30% dos casos incluindo a insuficiência renal. 
Ocasionando a destruição óssea acarretada pelo mieloma múltiplo. Pacientes 
com mieloma apresenta uma disfunção renal e uma reabsorção tubular de 
cálcio elevado, com isso os rins mostram uma dificuldade para eliminar o 
aumento de cálcio, elevando os seus níveis séricos. A hipercalcemia está mais 
presente nas doenças avançadas, e com volume tumoral alto, com presença 
de valores acima de 12 mg/dl estimulando uma aglomeração da urina com 
perda de água e depleção de volume dando início aos sintomas de poliúria e 
sede 
\u2022 Insuficiência renal: ocorre devido ao acúmulo de proteínas monoclonais nos 
néfron. Com a presença de cadeias leves passa a ocasionar lesão dos túbulos 
coletores e membrana glomerular levando uma inflamação com fibrose 
intersticial e formação de cilindros eosinófilos. Alguns fatores como: 
medicamentos nefrotóxicos, desidratação e hipercalcemia a IR passa a se 
agravar mais. Com a eliminação das cadeias leves (kappa e lambda), 
conhecida como proteinúria de Bence-Jones, leva a uma insuficiência renal, 
devido a sua grande produção, com isso o organismo usa os rins para eliminá-
las através da urina. 
\u2022 Lesões ósseas: considerada a principal manifestação clínica do MM. Com a 
evolução da terapia antitumoral e de tratamentos bem mais agressivos, a 
ocorrência de doença óssea é muito alta, levando a fraturas patológicas, 
pressão da medula espinhal, hipercalcemia e dor, sendo considerada uma das 
principais causas de morbidade e mortalidade. Em caso de fraturas em ossos 
longos, médicos ortopedistas serão convocados para uma avaliação e 
juntamente com outros médicos (hematologista, ortopedista e neurocirurgião) 
será decidida uma melhor forma de tratamento para o MM e com segurança. 
\u2022 Plasmocitoma: causa pressão ou deslocamento dos nervos, da medula 
espinhal e até mesmo do tecido cerebral, afetando os ossos e tecidos moles. 
8 
 
O efeito depressão representa