Análise de Circuitos
975 pág.

Análise de Circuitos


DisciplinaCircuitos Elétricos I9.107 materiais106.975 seguidores
Pré-visualização2 páginas
e James Clcrk Maxwell dcmm continuidade us fJC$quisas 
neaSsa árc- .a e dcscnvolvenun mui1os dos c.onccitos básicos 
do clclromagnetismo -efeito,; magnéticos induzidos 
por fluxo de carga ou por corrente, 
N
o espaço cm tomo de um lmil pennanemc, existe 
um campo magnético que pode ser representado por 11.nhas 
de campo rnagnéUco scmclh11n1cs us linhas de campo 
elétrico. Emrew.n10, as linhas de campo magnético não 1êm 
pontos de origem e tcnninoçào como as linhas de campo 
elétrico, mas fonnam turvas fechadas, como podemos 
ver nã Figura 1 1. 1. 
A
s linhas de cam
po m
agnético se dirigem
 do polo 
norte para o polo sul. rctornondo O.<> polo noneatravé-s da 
borra mctí11ica. Observe na Figura 11.1 que as linhas de 
campo estão iguolmcme espaçadas no interior dt1 barra 
e distribuídas simetricamente oo seu exterior. Essas são 
propriedades adicionais exibidos pelas linhas magnéticas 
de campo cm materiais homogêneos (ou seja. cm mate\u2022 
riais cuja composição é uuifont1c, ). Também é impbrlnntc:: 
entender que us linhas de campo mâgnético proturam 
ocupar a menor área possível, ls.&quot;MJ resulw cm linhas de 
cnmpo magnêtico com um mínimo de comprimento entre 
polos de aipos difc. rcntcs, como mostro n Figurt, 11.2. A
intensidade do cnmJ>O m
agnético cm
 um
a dada região é 
diretmncnte proporcional à dcnsidnde de línhlls de cnmpo 
ncsso região. Na Figura 11.1. por exemplo,\u2022 intensidade 
ém ,1 é duas vezes a intensidade cm b, pois o numero de 
linhos de campo que otrovessam umn área perpendicular 
a essas linhas cm &quot; é o dobro do numero de linhas que 
n1rovcwun uma área scmclhame cm b. Caso 1cnh11 ícito 
experiências com imàs-quando criança, você deve se 
Me:sm114\ufffd11 
?a:
J, 
-
-
-
-
-
\ufffd
U
nhasd
ie\ufffd
m
po
 
-- \ufffd- - --
--
&quot;&quot;
 
--·----
-\ufffd ... ,
l 
:
-
.:-
-
--.;
 '
 
\ 
\ufffd
-
-
g
-
-
-
-
-
-
-
-
a
-
\ufffd
'
,'
 
,,,..
... 
c
c
:
'::
:
.E
E.
:E
::
S
:
:N
 
::::-
/
 I
 ( 
:l.
-
-
-
-
-
-
-
-
-
\u2022
 
)
,',
 
1 \ufffd---
-\ufffd / J
....... --
___ ,. ___ __ \ufffd _;,., .,, 
-- -:======:-
\ufffd-- _.. A 
Fig
u
ra 1
1
.1
 
Llnhns de c-am
po
 m
agnético porJ um
 lm
:1 
pcm
um
cntc. ----
- ---·- ----
-- ­
,,....
-- --- --
--·-- -------
-
....
 , 
I 
/
 · -
-
-
-
-
-
· -
-
-
-
-
-
-
·-
-
-
-
..
 '-
. \
 
1 
Í
 .&quot;
 
i - -
, 1 
/ 
, .... ' ---·--= 
--
------
., .,..
1
 
\ufffd]N----\ufffd -f
----sf-
1
,
;
 --====-
=.
:. 
_':,':,':._&quot;:._ -....
... 
t , ..._ __ ,_ 
---
-=----
>', 1 
\ 
'-
. 
_
_
_
_
 . _
_
_
_
_
_
_
_
_
_
_
 ,,...
 /
 
I 
' ........
 - --- -----· ---
- - ---_ .,..\ufffd
- -- ----
-· - -
-- -- --
Fig
u
ra 1
1
 .2
 
Linhas de c\ufffdm
pO
 m
ognético paro 1Jnl sís1c1nn 
de dois im
i1s com
 flÓ
IO!i opos-tos tidjacc.nlcs. 
C
apítulo 11 
lnd
u1orel 
389 
lembmr de que a força dos ímãs pcnnancntcs C maior no 
proximid11de dos p0los. 
Se nproximan110, os 1 >010s opostos de dois lmiis 
pcnnanentes. eles se utrainio. e a distribuição de linhas ele
campo sen', como ilustra a Figum 11.2. Se aproximannos 
polos do mesmo tipo, eles se repelirão, e a distribuição de 
linhas de campo será como mostro\u2022 Figuro l l.3. 
Se colocannos um ma1crial não magn\ufffdtlco\ como 
vidro ou cobre. nas prox.imidades de um lmà permanente. 
a distribuição de linhas de campo sofrerá uma alteração 
qüãSé impêrtcplivcl (veja n Pigiirà 11. 4). Entrélfiíllo. se 
um mn1crial magnético. como o ferro doe- e. for c,olocado 
nas proximidades do imã. -ns línhas de cumpo passarão 
pelo ferro. cm vez de pelo ar, porque J>assam com nmis 
focilidode por materiais magnéticos do que pelo ar. Esse 
principio é usado na pnlt ic11 pnro const.ruir blindagens 
nrngnéticas J>\u2022ra proteger comp0ncntcs e lns1rumcntos elé· 
tricos scnsivcis da ação de campos magnéticos presemos 
no ambiente (veja a Figuro 11.5). 
E,,(istc um campo magnético (rcproscnrildo por liulms 
de campo circulares con
cêntricas, como mostm a Figuro
11.6) cm tomo de qualquer fio percorrido por umu cor­
rente. P:iru dctcnninar n direçilo e o scn1ido das linhas de 
cam
po. bastn colocar o JlOlcgar dn m
ão ,lim
ita ao longo 
do sentido co11v,w
cio11al da corrente e observar a 1 >osiçào 
dos outros dedos (esse método é nonnulmentc cbamodo 
___ .. _ 
/
\ufffd
 
-, 
.,..- --·--
/
 ------
' 
,/'
 
-
....
 
/ 
,
....
 
-
,
 \ 
I 
,.
.,,...-
-
-
,
 
t' 
\ufffd--
--
\ \ 1 / 
-----\ 
1\ufffd
'.,!I' 
---
\ufffd
)
'' 
.. 
. 
('__
 
--
: 
/ \\ufffd1-:.:.--:.-\ufffd
N 
r
,
 
' 
.,.. N--=-·s· ., 
\ \ufffd::
--_
__ ,,'f1(1\
 ---=:..:.·,,},'i 
'
 
,
...,
 
I
I
\ 
\
 
-
-
-
-
-
1 
._
 
_
_
_
_
 _,
,
/
 
\
 
,
...,
 
.,..
&quot;
 
I 
,
.._
 
_
_
_
 .-
I
 
__ ,. ___ ,,,
'-
...,
 
.,..., 
---·--&quot; 
Figura 11.3 Linhr1t de c\ufffdrnpo ,nng.né-til.::o p:iru um i;isttm
a
dtdois im
âs c.-<m
, Polo\ufffd ig1.u1is. 
..,
-
-
-
-
-
\ufffd
Li
t'lh.4&
d
\ufffdC:al1l
pó
 
\ufffd
\ufffd.:=--
--
--
,_,·· -- · -- -
..... ' 
-
'
 
\ufffd----\ufffd 
.... 
' 
\ 
1 \ufffd = :; ; 
r..,,, .. d o« 
' , ' ,
''1i 
' 
')t 
, __ -----
.
 .
 
.
 
(, -- _;&quot;E :=: ::: =
==== ::: ==t , /
' \u2022 . \u2022 = = = - -= =-
= ,:. -::. -- = s _ ; 
' ----
.... ;;--- ·-.... 
&quot;, ......... _ - -·- ·-· 
---. ' ' 
....
 _
_
 
-
-
-
-
-
-
\ufffd
- _ ..
 ,
 \ 
1 
-
-
-
-
-
-
-
-
-
-
-
-
/
 
J 
___ __ VJ.d... --
, ,;
,,
 
Fig
u
ra 11.4
 
Efeito de um
n amostro de m:11crinl 
fcrrom11gnê1jco sobre us linhas de cam
po de um
 fm
\ufffd
pcrmo.ncnlc.