<em>layout</em> por Produto
1 pág.

<em>layout</em> por Produto


DisciplinaAdministração112.645 materiais801.169 seguidores
Pré-visualização1 página


Layout por produto


O que é Layout?

Layout (arranjo físico) é uma técnica de operações onde o foco é a criação da interface homem-máquina para assim aumentar a eficiência do sistema de produção. Estudando o fluxo do produto na cadeia produtiva, é possível proporcionar um rápido atravessamento desse produto, ou seja, menos tempo é perdido em cada etapa e a transformação de matéria-prima em produto final é otimizado (reduz lead time).

A distribuição de equipamentos, máquinas e pessoas, influencia diretamente na produtividade, pois, o fluxo pode ser otimizado ou prejudicado dependendo o arranjo físico utilizado.

Um estudo de layout tem como objetivo auxiliar no projeto de unidades produtivas e também na ampliação desse unidades, racionalizar espaços, melhorar condições de trabalho e reduzir riscos para os trabalhadores. Além disso facilita a supervisão, comunicação, controle de qualidade e limpeza do ambiente. Por fim, este estudo reduz as movimentações e estoques em processo.

Existem quatro formas de se arranjar as estações de trabalho:

  • Layout por produto;
  • Layout celular;
  • Layout por processo;
  • Layout de posição fixa.

Aqui focaremos na explicação do layout por produto.


Layout por produto

Nesse tipo de layout os equipamentos devem ser organizados para que cada operação para fabricar um produto ou atender um cliente seja realizada numa sequência fixa. Tal tipologia de organização caracteriza-se pelos trabalhadores ficarem parados enquanto uma esteira se movimenta levando o produto de estação em estação de trabalho a fim de que o mesmo seja progressivamente montado até chegar em sua forma final.

Nesse layout são utilizados linhas de montagem que tem como objetivo usar o máximo do tempo dos operadores e das máquinas. Para tal deve ser feito o balanceamento de linha, que nada mais é que a divisão das atividades do trabalho sequencial em postos de trabalho, a fim de obter uma alta utilização da mão-de-obra e do equipamento, minimizando assim o tempo ocioso.

Outro nome para esse tipo de arranjo físico é Produção em série. Um exemplo muito conhecido desse tipo de layout é a de montagem de carros. Aqui temos um esquema desse tipo de produção e também com um exemplo real de montagem de carros.



Pré-visualização de imagem de arquivo
Esquema layout por produto



Pré-visualização de imagem de arquivo
Montagem de carro

Como pode ser visto na imagem acima a montagem de carros se dá numa sequência linear e contínua, onde os trabalhadores ficam parados em suas estações de trabalho enquanto o produto passa até ser montado completamente.

Um ponto muito relevante desse tipo de layout é que este costuma ser eficiente somente em produções em larga escala. Hoje a utilização de linhas de montagem modulares (controlados por computador) está tornando eficiente para produção em pequenos lotes.


Exemplos

Exemplos desse tipo de arranjo físico:

  • Montagem de automóveis - como já dito anteriormente o produto passa de estação em estação até ser configurado o produto final;
  • Restaurante self-service - os clientes passam por várias seções de comida (salada, entrada, carnes, frios, sobremesa) sempre na mesma sequência;
  • Programa de vacinação em massa - cada paciente passa pela mesma sequência de atividades tais como podemos citar identificação, vacinação e aconselhamento;
  • Fabricação de sapatos - peças são adicionadas numa sequência determinada para confecção do produto final.


Vantagens

As vantagens desse tipo de arranjo por produto são:

  • Fácil treinamento de mão-de-obra (menor especialização);
  • Possibilidade de redução de estoques (semiacabados e matéria-prima);
  • Facilidade no planejamento;
  • Padronização do produto e do tempo de produção;
  • Produção em massa.


Desvantagens

Em contraste, como desvantagens desse tipo de arranjo por produto, cita-se:

  • Eventual ociosidade das máquinas;
  • Alto investimento;
  • Aumento do número de máquinas necessárias;
  • Risco de paralisação (quebra de uma máquina);
  • O gargalo dita o ritmo da produção;
  • * Alto custo em pequenos lotes.