Medicina Esportiva
1 pág.

Medicina Esportiva


DisciplinaBiologia Experimental719 materiais1.206 seguidores
Pré-visualização1 página

Medicina Esportiva

A medicina esportiva é uma especialidade médica que lida com o tratamento e a prevenção de lesões relacionadas a prática de esportes e ao condicionamento físico. Os profissionais de saúde que trabalham nesta área médica concentram-se no tratamento e prevenção de lesões relacionadas ao esporte. Além disso, também atuam nos processos de reabilitação, treinamento de desempenho e na nutrição dos atletas, a fim de ajudar os esportistas a desempenharem melhores resultados durante a realização de algum esporte. Embora seja uma especialidade médica relativamente nova, tendo surgido apenas no final do século XX, a medicina esportiva se tornou indispensável para os atletas, com seu foco direcionado em suas necessidades e preocupações específicas.

Uma equipe especializada em medicina esportiva, geralmente, contém médicos treinados em medicina na área, bem como: cirurgiões ortopédicos, fisioterapeutas e treinadores. Vale dizer ainda que os centros médicos, dentro das universidades, mantêm departamentos de pesquisa acadêmica que conduzem ensaios clínicos. As informações que esses departamentos de pesquisa produzem beneficiam o campo da medicina esportiva como um todo, auxiliando no diagnóstico, tratamento e prevenção de condições e lesões relacionadas ao esporte.



HTML image 0
Os profissionais da medicina esportiva auxiliam no tratamento e prevenção de lesões relacionados a prática esportiva


Tipos de Lesões Esportivas

Geralmente, existem dois tipos de lesões esportivas: a lesão aguda e a lesão crônica. As lesões esportivas agudas são aquelas que ocorrem subitamente durante o jogo, treinamento ou o exercício. Por exemplo, um osso fraturado ou um tendão rompido. As lesões agudas nem sempre são óbvias, especialmente quando a adrenalina, o cortisol e outros hormônios estão passando pelo corpo de uma pessoa. Os sinais e sintomas de uma lesão aguda podem incluir dor súbita e intensa, inchaço, vermelhidão ou sensibilidade ao redor do local da lesão, incapacidade de colocar peso em uma perna, joelho, tornozelo ou pé, incapacidade de mover uma articulação normalmente ou um osso visivelmente quebrado ou deslocado. Por outro lado, as lesões esportivas crônicas, também chamadas de lesões por uso excessivo, são aquelas que ocorrem ao longo do tempo devido a movimentos ou esforços repetitivos. Exemplos incluem dores nas canelas e joelhos de um corredor. Os sinais e sintomas de uma lesão crônica podem incluir dor durante a prática do exercício físico, inchaço ou sensibilidade no local da lesão e dor incômoda durante o descanso.


Lesões esportivas comuns

São exemplos de lesões esportivas comuns:

  • Fraturas e entorses.
  • Lesões no joelho, ombro e tornozelos.
  • Tendinite.
  • Asma induzida por exercício.
  • Concussões.
  • Distúrbios alimentares.
  • Lesões da cartilagem.

A prevenção é realmente a melhor forma de tratamento. Evitar lesões relacionados a prática esportiva requer conhecimentos técnicos, bons equipamentos e, claro, bom sendo do praticante durante o treino ou jogo, especialmente após um período de sedentarismo.

Os atletas devem possuir e executar rotinas de aquecimento antes de cada sessão de exercício. Eles devem ainda alongar-se regularmente. Além disso, também é extremamente importante estar atento aos sinais de fadiga e desidratação. No entanto, as lesões podem ocorrer mesmo com os cuidados necessários. Deste modo é necessário a criação de protocolos de atendimento ao atleta. A primeira linha de tratamento de lesões mais leves (entorses e distensões, por exemplo) é conhecida como protocolo PRICE. A sigla PRICE vem das iniciais das palavras em inglês (Protection, Rest, Ice, Compression, Elevation), em português, podem ser traduzidas por proteção, descanso, gelo, compressão e elevação, respectivamente. O método PRICE envolve:

  • Proteção: A aplicação de bandagens, envoltórios, talas e outros. Esse procedimento pode ajudar a proteger os tecidos de danos adicionais.
  • Descanso ou Repouso: é uma parte crítica, mas muitas vezes negligenciada, do processo de cura. Evita sobrecargas sobre a lesão. Além disso, esse procedimento também diminui as chances do aparecimento de lesões secundárias.
  • Gelo: ajuda a reduzir o inchaço e a dor.
  • Compressão: a pressão também ajuda a reduzir o inchaço e a inflamação. Os atletas, comumente, usam bandas de compressão em torno dos joelhos, cotovelos e outras áreas previamente lesadas ou vulneráveis.
  • Elevação: a gravidade ajuda a drenar o fluido dos tecidos lesionados para reduzir a dor, o inchaço e a inflamação.



HTML image 1
A compressão evita a possibilidade da formação de um edema

Algumas lesões mais graves requerem procedimentos de fisioterapia e reabilitação adaptadas às necessidades específicas do indivíduo. A fisioterapia pode auxiliar a diminuir a dor, aumentar a força e a flexibilidade e prevenir futuras lesões.