A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
1 pág.
Mandato

Pré-visualização|Página 1 de 1


Mandato


Introdução

Inicialmente, iremos estudar sobre o que seria o mandato, além de observarmos quais seriam suas devidas formas de significações, analisando suas implicações jurídicas e qual seu embasamento teórico.


O que seria o mandato?



HTML image 0
O mandato pode durar, no caso de um Presidente da República, por exemplo, quatro anos

Primeiramente, temos que de acordo com o artigo 653, infere-se que se trata do fato de se operar o mandato quando alguém recebe de outrem poderes para, em seu nome, praticar atos ou administrar interesses, em que a procuração é considerada o instrumento do mandato.

Dessa forma, em outras palavras, teremos que o mandato é o contrato simples e consensual entre partes, celebrado para cumprir os ditames estabelecidos no Artigo, quando assim há interesse, sendo feito como ato de vontade, revogável a qualquer tempo, baseado na confiança entre Mandante e Mandatário.


E, o que seria o mandante e o mandatário?



HTML image 1
Significação de mandatário no dicionário da língua portuguesa

Temos por consideração que o mandante, outorgante ou constituinte é aquele que possui poder para propor nomeação e constituição representante para agir em seu nome conforme Lei, ou seja, transfere poderes a outrem para administrar seus interesses em situações em que a Lei não exija a pessoal intervenção do interessado, observando-se, sempre, o fato de estar apto nos moldes legais para exercer plena ou relativa vida civil, podendo ser pessoa natural ou jurídica.

Por conseguinte, verificamos que o mandatário, outorgado ou procurador é considerada aquela pessoa que foi incumbida de realizar todos os poderes transferidos pelo Mandante no instrumento do mandato e aceita a condição que está sendo alcançada.


Qual a tipologia do mandato?

Iremos analisar que a tipologia pode ocorrer de algumas formas, que seria quanto a sua natureza, a qual se caracteriza a partir do seguinte:

  1. Primeiramente, temos a procuração judicial, a qual é destinada para procurar em juízo; outorgando Advogado legalmente habilitado para exercer a prerrogativa na esfera judicial.
  2. Procuração Extrajudicial é designada para os negócios fora do âmbito jurídico.

Por conseguinte, temos em relação ao Instrumento:

  1. Procuração Pública é caracterizada por ser passada em cartório, no livro próprio, chamando-se traslado a cópia original deste registro, sendo que as demais cópias são dadas em forma de certidão.
  2. Além dessas, temos a procuração particular que se caracteriza quando outorgada pelo próprio mandante em documento escrito com firma reconhecida.

De acordo com a finalidade:

  1. Inicialmente, temos a geral, a qual ocorre quando o mandante confere poderes para todos seus negócios.
  2. Já a especial ocorre quando específica o negócio ou negócios expressamente.

De acordo com a Extensão dos Poderes:

  1. Nessa, teremos os amplos que confere liberdade ampla ao procurador.
  2. E, por fim, os restritos, em que o procurador fica sujeito a decisões do outorgante.


Quais seriam os poderes especiais?

Ao observarmos essa temática, iremos verificar que no artigo 661, está explicitado que o mandato, em termos gerais, só confere poderes de administração para que se possa alienar, hipotecar ou praticar outros atos que exorbitem da administração ordinária. Além disso, confere poder para que possa transigir, não importando o firmar de compromisso.

Dessa forma, para analisarmos poderes mais amplos, além da administração corriqueira e ordinária, sobre a substância do bem, faz-se necessária a expressa indicação no instrumento do mandato em caráter especial.


O que seria os substabelecimento?

Podemos observar que no artigo 655 está expresso que mesmo quando se outorgue mandato por instrumento público, pode substabelecer-se mediante instrumento considerado particular.

Logo, seria facultativo ao Mandatário nomear e constituir procurador, ou seja, substabelecer, desde que autorizado pelo Mandante, sendo que a transferência dos poderes assimilados ao Mandatário poderão ser atribuídos a outrem com o consentimento do Outorgante.

Além disso, temos que o mandato será expresso quando as partes contratarem oralmente ou por meio de escrito público ou particular, sendo considerado tácito quando das circunstâncias resultar inequívoca a outorga de poderes de uma pessoa a outra para fins de execução de atos da vida civil.

Por fim, caso o mandatário for além de seus poderes outorgados em procuração ou realizar qualquer ação contra os mesmos poderes, esse respondera pessoalmente (mero gestor de negócio) com o terceiro que tratar, exceto se houver ratificação do mandante.