RESUMINHO AIDS
9 pág.

RESUMINHO AIDS


DisciplinaInfectologia1.259 materiais6.944 seguidores
Pré-visualização2 páginas
RESUMINHO AIDS:
Maria Luiza Cambréa
É uma doença que é uma queda progressiva da contagem do linfócitos TCD4
Ocorre destruição direta e indireta. A direta é chamada de EFEITO CITOPÁTICO e é devido a replicação viral. E a indireta é o EFEITO CITOTOXICO, em que o próprio sistema imune reconhece a célula infectada e a destrói
Sexo-> contato pela mucosa vaginal-> carona com as células denditricas por elas ter contato com a lamina própria e a camada superficial-> acha um cd4 ativo devido alguma infecção e se instala
São as células ativadas os primeiros responsáveis pelas primeiras horas de infecção
Os virios são drenados para os linfonodos regionais onde possui vários células CD4 ativas e começa a replicação viral atingindo assim a circulação
Essa replicação viral é freiada depois de alguns dias pela forte resposta imune adaptativa 
Depois de alguns dias a resposta que foi parcial começa a cair 
Cerca de 6 meses a 1 anos após a respoata imune adquire um equilíbrio chamado de SET POINT viral
Quanto maior for esse set point mais rápido o paciente entrara na imunodeficiência
Paciente assintomático, com níveis de CD4 normais estarão em LATENCIA CLINICA, mas os vírus poderão ser encontrados no sangue pois não existe latência virologica 
Caso não seja feito o TARV ou o tratamento falha, o pct entra em profunda imunossupressão e os cd4 caem para menores que 350
- Neste momento é quando as doenças oportunistas podem surgir de repente, mesmo em pacientes assintomáticos 
Os vírus so se reproduzem em células cd4 ativas. O processo de ativação imunológica sempre se acompanha de algum grau de inflamação
O GALT que é rico em CD4 é uma das primeiras células a serem destruídas, com isso a parede do tubo digestivo, desde cedo se torna mais propensas a invasão de germes da microbiota intestinal, fazendo com o que o LPS um indutor potente de resposta inflamatória fique ativo
o vírus trás como consequências: fornecimento de substrato para o HIV (cels CD4 ativadas), fadiga e apoptose das células de defesa, síndrome do envelhecimento acelerado e fenômenos auto-imune
Transmissão: via sexuak, contato de sangue e hemoderivados e tecisos, transmissão vertical (intrauterino, intraparto, aleitamento materno)
A contaminação por via sexo anal é a maior devido a mucosa do reto ser mais frágil, as chances de sangrar são maiores, e essa mucosa é mais fina, que mesmo sem sangramento tem chance de contaminação
Anticoncepcionais aumenta o risco de contaminação pelo HIV, pois essas drogas modificam o epitélio da vagina
A chance de transmissão sexual, principalmente em relações heterossexuais é desprezível se a pessoa com HIV+ estiver em uso do TARV corretamente, assintomático, e com carga viral indetectável e com ausências de outras DST
Não transmitem o vírus: fezes, secreções nasais, saliva, escarro, suor, lagrimas, urina e vomito
Transmitem o vírus: sangue, sêmen, fluido vaginal liquor, liquido sinovial, liquido pleural, liquido pericárdio, liquido peritoneal, liquido amniótico
A maior contaminação vertical é pelo parto, a segunda durante a gestação e a terceira pela amamentação
O teste molecular (TM) é uma pesquisa de ácidos nucleicos do HIV
Teste Imuno Ensaio (IE) pesquisa os anticorpos contra os vírus HIV. Hoje existe o IE de 4º Geração que visa procurar ao mesmo tempo que procura antígenos de todas as classes contra o vírus da HIV, sendo eles IgA, IgG, IgM e IgE, além de antígenos ciruculantes produzidos pelo próprio vírus da HIV, o capsídeo que é p24
TM+ IE de 4º geração já visa dar diagnostico nos primeiros 10 dias da infecção
Quando não tiver disponível o IE 4 utilizar o IE 3, a diferença entre eles é que o IE3 não detecta partículas virais do capsido
O teste que detecta menor janela imunológica é o IE4
O IE3 so detecta depois de 22 a 25 dias do incio da infecção
O teste Western Blot pode ainda ser usado quando não tiver disponível o IE4 ou quando p primeiro teste de ensaio der positivo. Isso pode significar que o paciente é um controlador de elite, ou seja, é quando ele tem a infecção pelo vírus do HIV, e sua carfa viral esta baixo não sendo detectado pelo TM
O Imunoblot são usadas proteínas recombinantes, obtidas pela engenharia genética já o Western Blot são usados proteínas virais nativas
O teste laboratorial possui duas fases: a primeira é uma triagem que tende a dar falso-positivo e a segunda etapa é um teste mais especifico que confirma a possibilidade
Se suspeitar de fase aguda ou recente, os testes de anticorpos anti-HIV são inespecíficos e poderão dar negativos, todavia, em caso dessas suspeitas devemos fazer os testes que detectam anticorpos + antígenos+ac nucleicos
Opções de diagnósticos em fluxogramas:
- FLUXOGRAMA 1: Utiliza-se dois testes rápidos de forma sequencial
. Se o primeiro for negativo, não precisa fazer o outro e o paciente já tem um laudo de \u201camostra não reagente para HIV\u201d e pede para que um novo teste seja realizado em 30 dias
. Se o primeiro for positivo, realiza o segundo, que caso de positivo o diagnostico é confirmado
. Se houver discordância, o primeiro positivo e o segundo negativo, realiza-se o fluxograma desde o inicio
. Se mesmo assim ainda houver discordância deve ser feito punção venosa periférica e aplicar o fluxograma 3 
- FLUXOGRAMA 2: Teste salivar+ TR
. Usa-se o fluido da saliva para detecção em vez de uma gota de sangue
. Se a saliva der positivo realiza-se o teste 2 (TR) com a amostra de sangue
- FLUXOGRAMA 3: IE de 4º Geração+ TM 
. O IE tem a menor janela imunológica e identifica os vírus de maneira precoce
. O TM faz dosagem da carga viral
. A maioria dos pacientes vao dar positivo para os dois testes
. Faz primeiro o IE deu positivo realizo o TM, caso não de positivo, o paciente já tem diagnostico negativo
. Se após realizar o IE deu positivo, realizei o TM (deve ser feito após 30 dias do teste inicial) deu negativo, devo fazer o T3, caso esse T3 de negativo eu tenho diagnostico falso para HIV, caso de positivo eu tenho o diagnostico positivo de HIV
# O TM da falso-negativo em pacientes controladores de elite, que são pacientes que fazem uma resposta imune rapidamente contra o vírus, e a viremia deste paciente fica abaixo do limiar da detecção do método
# Os testes sorológicos mais usados para confirmação de é o Western Blot pois ele é altamente especifico para antígenos e detecta vários tipos de antígenos contra o antígeno viral especifico
# Se o Western Blot deu positivo, é com certeza esse paciente entrou em contato com o vírus e as chances ded ser falso-positivos são negativas
# Se o paciente apresentou um TM negativo e um WB positivo com certeza ele é um controlador de elite, em que criou uma resistência ao vírus e colocou a viremia abaixo dos testes.
# Se o TM cm carga viral abaixo de 5.000 copias/ml também indica a realização do teste sorológico confirmatório, pois ele pode ser um controlador de elite
- FLUXOGRAMA 4: IE 3º Geração+ TM
. Difere-se do fluxograma 3 pois o Fluxograma 3 o teste 1 é o de 4º Geração e o fluxograma 4 o teste 1 é de 3º geração
. Neste teste de 3º geração ele pesquisa apenas os antígenos sem pesquisa de de antígeno p24 que á a proteína do capsídeo, todavia, este deste tem uma janela imunológica maior
. Começa com o de 3º geração, caso de negativo, o diagnostico é negativo para HIV, caso seja positivo devo fazer o TM, após fazer o TM e der negativo devo realizar o T3 para ter o diagnstico final. 
- FLUXOGRAMA 5: IE de 3º geração + teste sorológico confirmatório ( Western Blot, Immunoblot ou Immunoblot rápido)
. Fluxograma que era habitualmente usado. Não é mais usado por não detectar precocemente e além de tudo após deveria ser usados testes sorológicos confirmatórios que aumenta a complexidade do diagnostico
. Com a amostra eu realizava o IE de 3º geração, caso desse positivo eu deveria usar o WB ou IBR, caso desse negativo deveria fazer um TM se fosse positivo o diagnostico final era positivo para HIV
Em crianças a sorologia não é útil