A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
76 pág.
Subestacao-Eletrica

Pré-visualização | Página 3 de 18

um perfeito sistema de proteção aos circuitos a ele ligados. 
 
- Tipos de disjuntores: 
- Disjuntor com grande volume de óleo 
- Disjuntor com volume reduzido de óleo 
- Disjuntor a gás 
 
Os dois primeiros diferem em vários aspectos, a começar pelas suas dimensões. O disjuntor a 
volume reduzido de óleo possue uma tecnologia mais sofisticada, sendo seu tempo de abertura dos 
contatos menor que o de grande volume. Possui ainda a vantagem da facilidade de manutenção e 
manuseio podendo ser extraível. Com desvantagem em relação ao de grande volume, estão as 
manutenções que devem ser feitas com maior freqüência. O disjuntor a gás, utiliza o gás SF6 como 
elemento para eliminar o arco voltaico na chave. Trabalharemos somente com esses tipos de 
disjuntores, por serem os mais utilizados, apesar de existir outros modelos no mercado. 
 
 Símbolo Denominação 
 
 
 
 
Disjuntor ( o símbolo vale para todos 
os tipos) 
 
 
- Disjuntor com baipasse 
 
Baipasse ou passagem ao lado, em subestação é uma ponte feita sobre um disjuntor. Utiliza-se 
o baipasse somente em casos de emergência e por curto espaço de tempo. Sua principal finalidade é 
isolar um disjuntor sem interromper o fornecimento de energia. O baipasse é feito antes das chaves 
seccionadoras para que o disjuntor fique isolado em caso de manutenção. 
 Símbolo Denominação 
 
 
 
 
Chave baipasse em um disjuntor 
 
 52 – número que representa os disjuntores 
 
 01 – numeração seqüencial do disjuntor no 
diagrama unifilar 
 
 11 
 
- Disjuntor de transferência 
 
Em geral nas Subestações de grande porte, cujo fornecimento de energia elétrica não deve ser 
interrompido, mesmo em caso de avaria no disjuntor, justifica-se a utilização de disjuntores de 
transferência. 
 
 Símbolo Denominação 
 
 
 
 
 
 
Disjuntor de transferência. 
 
 
 
 
 
 
 
Tendo somente um disjuntor de transferência no barramento, ele deve ser utilizado 
somente no período de manutenção de um outro disjuntor do barramento, devendo estar 
sempre disponível para o uso. 
Exemplo prático de um disjuntor de transferência ligado nos barramentos principal 
“BP” e de transferência “BT”: 
 
 
 
 
Supondo-se que o disjuntor 52-01 esteja ligado, para desligá-lo para uma eventual 
manutenção, a seqüência de operações utilizando-se o disjuntor de transferência 52-04, 
seria: 
1ª Operação: Fechar as chaves 29-14 e 29-15 do disjuntor de transferência 52-04; 
2ª Operação: Fechar a chave 29-06 do baipasse; 
3ª Operação: Fechar o disjuntor de transferência 52-04; 
4ª Operação: Abrir o disjuntor 52-01; 
5ª Operação: Abrir as chaves 29-05 e 29-07 do disjuntor 52-01. 
 12 
 
Para fechar novamente o disjuntor 52-01, a operação deve ser inversa (da 5ª para a 
1ª operação, trocando o abrir por fechar e vice-versa), lembrando que nessa operação de 
manobra, a tensão deve sempre passar pelo disjuntor devido ao arco voltáico, sendo que 
as chaves seccionadoras devem ser operadas sempre sem tensão e após abertura do 
disjuntor. 
Lembrete do professor: Enfatizar aos seus alunos que a manobra de 
fechamento ou abertura de um barramento de subestação, deve ser sempre 
realizada por meio do disjuntor, que elimina o arco voltaico através do óleo, do gás, 
etc. 
 
Utilizando-se do mesmo diagrama, abrir o disjuntor 52-03, mantendo em operação 
essa saída da subestação, utilizando-se do disjuntor de transferência 52-04. Após feita 
essa operação, voltar a religar o disjuntor 52-03. 
 
Abrir o 52 - 03: 
1ª Operação: Fechar as chaves 29-14 e 29-15 do disjuntor de transferência 52-04. 
2ª Operação: Fechar a chave 29-12 do baipasse. 
3ª Operação: Fechar o disjuntor de transferência 52-04. 
4ª Operação: Abrir o disjuntor 52-03. 
5ª Operação: Abrir as chaves 29-11 e 29-13. 
Fechar o 52 - 03: 
1ª Operação: Fechar as chaves 29-11 e 29-13. 
2ª Operação: Fechar o disjuntor 52-03. 
3ª Operação: Abrir o disjuntor de transferência 52-04. 
4ª Operação: Abrir a chave 29-12 do baipasse. 
5ª Operação: Abrir as chaves 29-14 e 29-15 do disjuntor de transferência 52-04. 
 
- Disjuntor Extraível: São utilizados em tensões até 69 kV, e são facilmente removíveis do 
circuito. No símbolo as setas indicam que o equipamento pode ser retirado do circuito, pois não 
possuem ligações permanentes. Para esse caso não há necessidade de chaves seccionadoras para 
isolar o disjuntor. Em caso de manutenção basta removê-lo do circuito. 
 
 Símbolo Denominação 
 
 
 
 
 Disjuntor extraível. 
 
 
- RELIGADOR AUTOMÁTICO 
 
O religador automático é um disjuntor simples acoplado a um sistema de religamento 
automático que pode ser eletrônico ou hidráulico. Os religadores automáticos são 
utilizados nas saídas dos alimentadores de 13,8 kV e 34,5 kV da rede de distribuição das 
subestações, por permitir que os defeitos transitórios sejam eliminados sem a necessidade 
de deslocamento de pessoal de manutenção para percorrer o alimentador em falta. 
 13 
Como o religador possui um relé de religamento (geralmente ajustado para três 
religamentos de 3 segundos), num curto-circuito rápido, por exemplo, ocasionado por um 
galho de árvore que venha a cair sobre os cabos de um alimentador num dia de chuva 
com vento, e sair de cima dos cabos nesse período de ajuste dos três religamentos, evita 
que o alimentador seja desligado e a equipe de manutenção seja chamada, privando com 
isso que os consumidores fiquem sem energia elétrica por um período de tempo maior. 
 
Símbolo Denominação 
 
 
 
 
 Religador automático. 
 
 
 
 
 Religador automático instalado na saída de 13,8 kV. 
 
 
- TRANSFORMADORES 
 
Transformadores de Potência (força) são dispositivos destinados à transformação de tensão e 
corrente sem que se altere a potência. 
 
- Tipos de Transformadores: 
 Transformador de força de dois enro1amentos. 
 Transformador de força de três enro1amentos. 
 Transformador regulador de tensão. 
 Alto transformador. 
 
 
Importância: É um dos principais dispositivos elétricos existentes em uma subestação, 
responsável pela transformação e distribuição de energia em diversos níveis de tensão e corrente. 
 14 
 Símbolo Denominação 
 
 
Transformador trifásico de potência (força) de 
dois enrolamentos, ligado em estrela/ triângulo, 
com comutação sobre carga. 
 
 
Transformador trifásico de potência de dois 
enrolamentos, ligado em estrela/triângulo. 
 
 
 
Transformador trifásico de potência de três 
enrolamentos( primário, secundário e terciário ), 
ligado em estrela/triângulo/estrela. 
 
 
 
Auto-transformador regulador de tensão com 
terciário. 
 
 
 
 
- REATOR TRIFÁSICO DE ATERRAMENTO 
 
É um dispositivo utilizado na tensão 13,8 kV ligado em triângulo, com a função de 
conseguir um neutro artificial, para detectar quando o cabo vier a encostar no solo, 
fazendo atuar os dispositivos de proteção. Ele é constituído de apenas um enrolamento 
ligado em zigue-zague com o neutro aterrado. Ele é conectado

Crie agora seu perfil grátis para visualizar sem restrições.