ARTIGO - EXERCICIO FISICO E AIDS - 2010
25 pág.

ARTIGO - EXERCICIO FISICO E AIDS - 2010


DisciplinaEducação Física49.318 materiais270.948 seguidores
Pré-visualização7 páginas
EXERCÍCIO FÍSICO E AIDS 
 
 
 
FÁBIO LUIS VILELA PEREIRA 
 
GRADUAÇÃO EM EDUCAÇÃO FÍSICA PELO CENTRO UNIVERSITÁRIO DAS 
FACULDADES ASSOCIADAS DE ENSINO \u2013 FAE. 
 
E-MAIL: fabiovilela80@yahoo.com.br 
 
 
 
SEBASTIÃO ÁLVARO GALDINO 
 
GRADUAÇÃO EM EDUCAÇÃO FÍSICA PELA FACULDADE NÁUTICO MOGIANO 
DE MOGI DAS CRUZES \u2013 SP. MESTRE EM CIÊNCIA DA EDUCAÇÃO PELA 
UNIVERSIDADE BRAZ CUBAS DE MOGI DAS CRUZES, ESPECIALIZAÇÃO EM 
CIÊNCIA DO ESPORTE (UNIVERSIDADE DE MOGI DAS CRUZES), NATAÇÃO E 
GINÁSTICA OLÍMPICA (FACULDADE NÁUTICO MOGIANO). PROFESSOR DO 
CURSO DE EDUCAÇÃO FÍSICA DO CENTRO UNIVERSITÁRIO DAS FACULDADES 
ASSOCIADAS DE ENSINO \u2013 FAE. 
 
E-MAIL: galdino@fae.br e galdinonat@ig.com.br 
 
 
 
 
 
 
 
RESUMO 
 
O exercício físico é importante ferramenta terapêutica para indivíduos portadores do vírus 
HIV e AIDS, com melhorias significativas da aptidão física relacionada à saúde e nas 
condições psicológicas e sociais. Este trabalho (1) tem como objetivo investigar os efeitos do 
exercício físico e seu impacto para o portador de HIV e AIDS, através de revisão bibliográfica 
pertinente ao tema abordado em livros, revistas, artigos e sites de internet, além de pesquisa 
de campo com 34 portadores de HIV assistidos pela ASPA \u2013 Associação Sanjoanense de 
Prevenção à AIDS. Os resultados da pesquisa demonstram que 67,64% não se exercitam, 
66,66% exercitam-se por necessidade, 28,57% sentem-se tranqüilizados e energizados com o 
exercício, 46,42% tem motivação para o exercício, 93,54% vêem o exercício como importante 
para a saúde, 84,21% ficam com a saúde ótima após o exercício, 58,33% não sentem fadiga, 
indisposição geral ou dor durante o exercício e 76,47% têm disposição para momentos de 
lazer. As considerações finais sugerem que na pesquisa com os portadores de HIV e AIDS, 
principalmente entre as mulheres, a prática do exercício físico ainda não tem a devida 
atenção, porém percebe-se que eles têm consciência da importância do exercício em relação 
aos benefícios para a sua saúde. 
 
 
Palavras-chave: 1.HIV e AIDS 2.Exercício físico 3.Sistema imunológico 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
ABSTRACT 
 
Physical activity is an important therapeutic tool to back individuals suffering from AIDS, 
improving health, physical, psychological and social conditions. This paper aims to 
investigate the effects to physical activities and their impacts concerning HIV and AIDS 
patients, using for this paper bibliographic revision related to the theme from books, 
magazines, articles, internet websites, as well as field research with 34 HIV patients assisted 
by ASPA \u2013 Associação Sanjoanense de Prevenção à AIDS. The research shows that 67,64% 
of all interviewed do not get regular exercise, 66,66% get some exercise because they need, 
28,57% feel calm and energized when getting some exercise, 46,42% feel motivated to do 
physical activity, 93,54% see physical activity as something important for health condition, 
84,21% has a good health after doing exercise, 58,33% do not have fatigue, general 
discomfort or ache during the time they get some exercise, 76,47% say they feel like having 
leisure activities. The results show that among HIV and AIDS patients, mainly among 
women, physical activities are not highlighted, however it is noticed that they are aware of the 
importance of doing exercises and their benefits to their health. 
 
Keywords: 1.HIV and AIDS 2.Physical activity 3.Immunologic system 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
1 - INTRODUÇÃO 
 
Com a crescente abrangência da Educação Física e sua importância enquanto ciência 
multidisciplinar relacionada à saúde pública, recentes investigações nessa área indicam o 
exercício físico como eficaz instrumento de resgate e manutenção da saúde de indivíduos 
portadores do vírus HIV e AIDS em todas as suas abordagens \u2013 saúde física, mental e social. 
Segundo Barbanti et al. (2002), o profissional de Educação Física, atuante no campo da 
ciência da saúde, e utilizando-se de outras ciências para compor o seu campo científico, deve 
prescrever exercícios físicos como terapia de apoio ou complementar para o portador de HIV 
e AIDS. Com isto, a melhoria na saúde dos indivíduos através dos efeitos benéficos do 
exercício ao organismo, como o aprimoramento da aptidão cardiorrespiratória, da força, da 
massa óssea, dos aspectos psicológicos e sociais e do controle metabólico da insulina, 
colesterol e triglicérides, ficará garantida. 
No portador de HIV e AIDS, o comprometimento da saúde se dá tanto pelo 
desenvolvimento de infecções oportunistas quanto pelos efeitos da terapia anti-retroviral. 
Além disso, o impacto mórbido causado pelo diagnóstico de HIV positivo e o preconceito ao 
qual o indivíduo passa a ser exposto geram sentimentos destrutivos e atitudes prejudiciais, 
como a depressão, a ansiedade, o estresse e o isolamento social. Todas essas condições podem 
ser superadas através do exercício físico. 
Ghorayeb e Barros Neto (1999, p. 252), definem o exercício como toda atividade 
muscular capaz de promover um aumento do consumo energético de repouso. Esse aumento 
da demanda de energia provoca uma série de efeitos cardiovasculares, respiratórios e 
metabólicos, denominados efeitos agudos ou respostas ao exercício. 
 
Barbanti (1994, p. 118) oferece uma descrição do exercício físico: 
[...] exercício físico é uma seqüência planejada de movimentos repetidos sistematicamente com 
o objetivo de elevar o rendimento. O exercício físico constitui uma exigência básica para o 
desenvolvimento adequado do corpo. A falta dele tende a produzir uma flacidez dos músculos, o 
acúmulo excessivo de gorduras, a eliminação insuficiente dos produtos de excreção do 
organismo e ainda uma lentidão do processo digestivo, podendo levar às chamadas doenças 
hipocinéticas. Os exercícios físicos que são apropriados para o desenvolvimento de certos 
aspectos da condição física são descritos por termos como exercícios de resistência, exercícios 
de força, exercícios de velocidade, etc. 
 
No relato de Eidam et al (2005), o exercício físico traz inúmeros benefícios à saúde, 
como o aumento da contagem dos linfócitos T CD4+, o controle de alguns efeitos colaterais 
da terapia anti-retroviral, a melhoria da composição corporal e da aptidão física dos 
soropositivos. Segundo Weineck (2003, p. 19), \u201captidão física significa, de uma forma geral, a 
capacidade e o estado de rendimento do ser humano, assim como a disposição atual para uma 
determinada área de atuação\u201d. 
Além desses comprovados benefícios, estudos sugerem modificações significativas no 
sistema imunológico humano através do ato de exercitar-se, com alterações na quantidade de 
células que compõem esse sistema. Eichner (1999) propõe que o exercício pode influenciar no 
processo imunitário, sendo o nível da intensidade do exercício o fator que determina a 
resposta imunológica. 
A AIDS (Síndrome da Imunodeficiência Adquirida) é uma grave patologia que se 
desenvolve a partir da infecção pelo vírus da imunodeficiência humana, o HIV, ocasionando a 
destruição do sistema imunológico e favorecendo o desenvolvimento de infecções 
oportunistas (SMELTZER E BARE, 1999). 
O número de infecções pelo HIV cresce a cada dia. Soares (2001) relata que a OMS 
estimava em 15 mil o número de infecções diárias pelo HIV no ano de 2001. No Brasil, a 
pandemia de AIDS é assim descrita por Collucci (2008, p.C1): 
 
[...] mesmo onde a epidemia está estabilizada, como no Brasil, a AIDS continua sendo \u201cum 
problema gravíssimo de saúde pública\u201d. Há 1,6 milhão de pessoas infectadas