João e o Pé de TDAH
2 pág.

João e o Pé de TDAH


DisciplinaPsicopedagogia e Educação54 materiais780 seguidores
Pré-visualização1 página
31 
 
 
 
3 O DESAFIO DE SUBIR NO PÉ-DE FEIJÃO: TDAH E AS DIFICULDADES 
NA ESCRITA 
 
3.1 TRANSTORNO DO DÉFICIT DE ATENÇÃO/ HIPERATIVIDADE: UM 
OLHAR PSICOPEDAGÓGICO 
 
3.1.1 Caracterizando o TDAH 
Transtornos de atenção e sua relação com as dificuldades e transtornos 
de aprendizagem constituem a principal causa que leva crianças em idade 
escolar à consulta neuropediátrica, psicopedagógica e fonoaudiológica. 
Embora, nos últimos anos, o encaminhamento para a avaliação das 
dificuldades reais da criança tenha sido cada vez mais freqüente, essa não é 
uma situação nova, devido à crescente preocupação com a infância, com sua 
vida escolar e com o aumento do sintoma na aprendizagem. 
Segundo Rotta (2006), desde o século XIX houve uma preocupação 
com o comportamento diferente e com o desempenho escolar insatisfatório, 
havendo muito avanço nas pesquisas dos transtornos de atenção. Atualmente, 
a descrição do Transtorno de Déficit de Atenção / Hiperatividade (TDAH) tem 
por base dois manuais de internacionais de diagnóstico: a Classificação 
Internacional de Doenças (CID \u2013 10), organizado pela Organização Mundial de 
Saúde (OMS) em 1992, e o Manual Diagnóstico e Estatístico de Transtornos 
Mentais (DSM\u2013IV-TR), que é elaborado pela associação Americana de 
Psiquiatria. Nesses manuais, defini-se o TDAH como uma síndrome 
neurocomportamental com sintomas classificados em três categorias: 
desatenção, hiperatividade e impulsividade. 
 Os estudos sobre o TDAH indicam a presença de disfunção em uma 
área frontal do cérebro conhecida como região orbital frontal localizada logo 
atrás da testa. Constitui-se uma das regiões cerebrais mais desenvolvidas no 
ser humano e é responsável pela inibição do comportamento, pelo controle da 
atenção, pelo planejamento futuro e pelo autocontrole. Nos sujeitos que 
apresentam sintomas de TDAH, há uma alteração no funcionamento dos 
neurotranmissores, substâncias que permitem a comunicação entre os 
 40 
 
 
 
motoras, vocabulário, formulações, geração de idéias, estabelecimento de 
objetivos, e se torna um grande desafio para crianças com problemas 
atencionais e de memória.