A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
304 pág.
ESTADO LAICO volume 1

Pré-visualização | Página 5 de 50

tipo de empresas.”
Em consequência, há defensores do reconhecimento de diversas 
organizações como empresas de tendência ou inclusive a existência de 
tarefas ideológicas dentro de empresas neutras. Como é o caso de Martínez 
Rocamora que a reconhece para as clínicas abortivas.20
Finalmente, é importante registrar que o Estado jamais poderá ser 
reconhecido como uma organização ideológica, pois como antes descrito, 
deve acima de tudo garantir o pluralismo na sociedade, situação que 
deve se ver refletida nos seus quadros internos. Como disse o Tribunal 
Constitucional Espanhol, na sentença de 13 de fevereiro de 1981: “Em um 
sistema jurídico político baseado no pluralismo, a liberdade ideológica 
e religiosa dos indivíduos e a laicidade do Estado, todas as instituições 
públicas e, em especial, os centros de ensino, devem ser, em realidade, 
ideologicamente neutros…” 21
Como a maior parte dos grupos considerados tradicionalmente 
como organizações de tendência não são movidos pelo lucro, sendo seus 
objetivos essencialmente ideológicos, há uma velha polêmica sobre a 
possibilidade ou não de essa instituição ter fins lucrativos. A maioria 
dos ordenamentos ocidentais admite como instituições de tendência 
19 CALVO GALLEGO, F. J. Contrato de Trabajo y Libertad Ideológica: Derechos fundamentales y 
organizaciones de tendencia, op. cit.
20 MARTINEZ ROCAMORA, L.G. La objeción laboral de conciencia en materia de aborto. In: Aran-
zadi Social, vol. 1.Editorial Aranzadi, SA, Pamplona, 1998, p. 2521.
21 Citação extraída da obra de Blat Gimeno (BLAT GIMENO, F. R. Relaciones Laborales en Empresas 
Ideológicas, op, cit., p. 77).
20 Ministério Público - Em Defesa do Estado Laico
exclusivamente organizações, cujo objeto ideológico lhes impeça de 
perseguir simultaneamente qualquer finalidade lucrativa. Entretanto, há 
autores espanhóis que defendem a “absoluta irrelevância tanto do caráter 
empresarial da organização como da presença de um relativo interesse 
econômico na motivação do seu titular.”22
O problema pode surgir quando haja um conjunto de empresas ou 
instituições, cujas empresas filiais exerçam uma atividade distinta, com 
caráter econômico ou assistencial, e a titularidade ou direção corresponda, 
direta ou indiretamente, a alguma organização de tendência. No Direito 
espanhol prevalece o posicionamento de que somente aquelas empresas ou 
instituições destinadas à difusão, propagação e doutrinamento da ideologia 
que caracteriza a organização-mãe poderiam ser consideradas como 
organização de tendência. As empresas que realizem outras atividades como 
forma de atrair meios econômicos, ou potencializar a filiação das instituições 
a que pertencem, estão excluídas. A ausência do caráter ideológico nas filiais 
é fator impeditivo ao intento de se irradiar automaticamente a qualificação 
de tendência da organização originária, pois o Tribunal Constitucional já 
afirmou que a tutela da tendência se justifica em razão de sua atividade 
ideológica, por seu caráter instrumental a serviço de um direito fundamental 
do empregador, e não por sua denominação ou titularidade (STC 106/1996, 
de 12 de junho). No direito comparado seu tratamento legal não é uniforme. 
Os ordenamentos alemão e austríaco as incluem, contrariamente ao que 
ocorre nos ordenamentos sueco e italiano.
De toda maneira, a empresa de tendência não necessita ser uma 
pessoa coletiva. Sua titularidade pode ser individual, mas há de expressar 
certa ideologia inserida dentro do pluralismo na sociedade.
a) Tipos de vínculos
As organizações ideológicas podem apresentar em seus quadros uma 
variedade de vínculos jurídicos firmados com as pessoas que lhes prestam 
serviços. Estes vínculos podem inclusive se sobrepor.
Os trabalhadores podem ser classificados em voluntários, empregados 
e filiados conforme o trabalho designado. Os trabalhos voluntários abrangem 
todas aquelas prestações de serviços, de caráter esporádico ou descontínuo, 
desenvolvidas pelos simples filiados no exercício de suas legítimas faculdades 
de participação. A falta de remuneração e o intuito fundamentalmente 
22 CALVO GALLEGO, F. J. Contrato de Trabajo y Libertad Ideológica: Derechos fundamentales y 
organizaciones de tendencia, op. cit., p. 77. Blat Gimeno também compartilha dessa opinião. (BLAT 
GIMENO, F. R. Relaciones Laborales en Empresas Ideológicas, op. cit., p. 71).
21Ministério Público - Em Defesa do Estado Laico
associativo da atividade autorizam sua qualificação como trabalhadores 
voluntários, excluídos na normativa trabalhista. Os trabalhos associativos 
são aquelas atividades exercidas pelos altos dirigentes ou “liberados.”23 A 
natureza eletiva do cargo e o conteúdo representativo do mesmo justificam 
a sua qualificação como relação orgânica, baseada e regulada pelo vínculo 
associativo que se interpõe entre o sujeito e a organização. A relação 
de trabalho, por sua vez, abarca todas aquelas prestações de caráter 
administrativo, econômico ou de gestão. Aqui aparecem os requisitos legais 
como jornada, horários, remuneração, submissão às ordens superiores, 
férias, ou seja, indícios para a identificação da subordinação jurídica e, logo, 
a relação de emprego.
b) Tipos de tarefas: neutras e de tendência
Nas empresas de tendência, encontramos tarefas neutras e 
ideológicas. Nas tarefas neutras são incluídos todos os trabalhadores com 
funções de parco conteúdo representativo ou ideológico. Normalmente 
são os trabalhadores envolvidos em tarefas burocráticas, administrativas, 
de gestão, ordem ou limpeza. “Prestações que na maioria das vezes tem 
um caráter fundamentalmente auxiliar, técnico ou de simples execução 
material e que, por seu próprio conteúdo, estão claramente distanciadas da 
atividade ideológica desenvolvida pela organização.”24 Os trabalhadores 
de tarefas neutras não podem sofrer nenhum tipo de discriminação ou 
limitação especial no exercício de sua liberdade ideológica. Eles se submetem 
somente ao dever de não lesar dolosamente a imagem da instituição em que 
prestam serviços tendo em mira a necessidade de assegurar a estabilidade 
ideológica da organização. O dano se realiza por ataques públicos, notórios, 
abertos ou maliciosos à organização, manifestações ou comportamentos 
difamatórios, dolosos, que debilitem ou ameacem “a própria viabilidade ou 
credibilidade da mensagem.”25
Os trabalhadores de tarefas de tendência são todos aqueles cujas 
prestações têm um alto conteúdo ideológico ou um caráter marcadamente 
representativo. “Se trata de identificar aqueles trabalhadores cuja atividade 
está intimamente ligada à consecução, realização e determinação dos fins 
políticos, sindicais ou religiosos próprios da entidade; aos trabalhadores 
23 Liberados são trabalhadores de empresas que trabalham exclusivamente em prol de um órgão sin-
dical, político partidário ou administrativo.
24 CALVO GALLEGO, F.J. Contrato de Trabajo y Libertad Ideológica: Derechos fundamentales y or-
ganizaciones de tendencia. op. cit., p. 155.
25 CALVO GALLEGO, F.J. Contrato de Trabajo Libertad Ideológica: Derechos fundamentales y orga-
nizaciones de tendencia. op. cit., p. 172.
22 Ministério Público - Em Defesa do Estado Laico
com funções essencialmente orgânicas, que incorporam a expressão e 
manifestação da ideologia representada pela própria instituição ou, enfim, 
aqueles escassos ‘trabalhadores’ que especificam, concretizam ou fixam a 
linha ou orientação ideológica do ente.”26
 Calvo Gallego diferencia ainda os trabalhos desempenhados por 
esse grupo de empregados em trabalhos ideologicamente fracos ou fortes. 
Os trabalhadores de tendência fraca não estão no exercício de funções 
dotadas de maior conteúdo moral, representativo ou de direção mas, como 
trabalham em tarefas diretamente vinculadas à ideologia, podem sofrer a 
modalização das suas liberdades públicas em respeito à ideologia

Crie agora seu perfil grátis para visualizar sem restrições.